dinozes

É tudo tanto...é tanto sentir! - arte, música, literatura, vida e pés descalços -

Talita Nogueira

Talita Nogueira é advogada e escreve para a Obvious Lounge. Curiosa, amante dos acasos, meio peixe, meio borboleta, meio pedra, meio palavra. Alma extraterrestre, ama tudo aquilo que não conhece muito bem, e escreve pra que a corrente não caia e a bicicleta amarela siga caminho.

  • DSC04907-001.JPG
    Desistir é preciso!

    Ah, não, por favor! Fuja, desista, esconda-se embaixo da cama. Você pode. Não vivemos no jogo do “vamos ver quem sofre mais”.

  • LD.jpg
    Deixa derramar...

    A leitura se arrasta de muleta e voz cansada, mas a gente se acostuma.
    É ler e deixar derramar, até, por fim, perceber que é tudo tanto...é tanto sentir...

  • IMG_2358.jpg
    Maldito Demócrito

    Sobre pensar e não concluir...

  • confianc3a7a-de-saltar-abismo.jpg
    Não entenda tanta coisa assim

    Sinta tudo o que for possível sentir, mas não entenda tanto assim. Você, definitivamente ( ou quase), não sabe de muita coisa e seja grato por isso.

  • 20121008-215942.jpg
    Como se fosse verdade, versejam os poetas

    As verdades que os poetas disfarçam em mentiras mal contadas...
    é tudo tanto, é tanto sentir...

  • palavras.jpg
    Quem tem medo de falar português?

    Falar corretamente não dói. Sério!

  • quadro mágico
    Querido professor

    Quando se acende uma vela, não se lamenta por sua efemeridade. A chama finda, mas a imagem vista através da luz jamais se apaga. Da mesma forma, uma ideia iluminada, alimentada por anjos será para sempre um ponto de luz em nossas vidas, guardada em uma gaveta ou transformada em voo. Pelo dia dos anjos, é preciso lembrar que nossos queridos mestres são pedacinhos de vida, ladrilhos brilhantes, degraus flutuantes. Aos que nos emprestaram largos ombros, nossa mais pura e sincera gratidão!

  • Atravessando portais
    Atravessando portais

    Aeroportos são portais lúdicos. Lá não somos ninguém, não somos de lugar nenhum. Estamos só de passagem, a caminho de alguma parte de nós. Somos essência, imunes a qualquer bandeira levantada ou rótulo impresso. Somos nada, a caminho do tudo, ou de face dele, numa desesperadora e gostosa travessia.