dossier

gerar pensamentos capazes de propor novas experiências

Amanda Maciel Antunes

Uma estrangeira em terra de estrangeiros. Contadora de histórias. Artista. Figurinista. E cheia de vida. De esperança. De um monte de bobagens também.

A Saudade

Nós esquecemos números, dinheiro, clima, orgulho, gravidade e destino. Mas não esquecemos saudade. Interpretada por poetas, compositores e filósofos, sempre foi interesse de todos, assim como o amor, é inevitável.


"... Estamos a poucos passos de sermos aqueles que odiamos e tememos, e mais outros passos daqueles que amamos e adoramos ..." -P. DuPertuis

De tempo em tempo não podemos deixar de olhar para traz e comparar onde estamos ao que poderia ter sido. Para muitos, esse gesto é apenas uma afirmação de conquista e perseverança. Para outros, a maioria das pessoas eu acredito, um ato de nostalgia e dificuldade em entender por que a vida é raramente tão bela quanto imaginamos na juventude, como uma criança no topo de uma árvore sonhando em conquistar outras ilhas.

Nostalgia-Art-Of-Hollis-Brown-3-525x417.jpg

Hoje, pela primeira vez, parece que eu entendo alguma coisa, num mundo onde praticamente não entendemos nada. A verdade é que não existe sono, pausa, tempo que não renove. A vida é uma série de pequenas surpresas e cincunstâncias tão pequenas quanto as que já se foram. A infância e a juventude são como as palavras mais simples: não sabemos o que significam, exceto quando amamos e aspiramos.

Eu saí de casa quando tinha apenas quinze anos, foram idas e vindas. Até que um dia não voltei pra ficar. Hoje tenho vinte e cinco anos, e estou a mais de seis anos longe do lugar que um dia chamei de “meu lar”. Foi uma mudança necessária e de acordo com os ideais que consquistava. Eu nunca fui mulher de querer ter, mas sempre quis ser. E com isso, o desejo pela estabilidade da alma carregava e ainda carrega no lombo toda a energia do passado - é isso o que eu chamo de SAUDADE.

Saudade é a identificação da história, da diversidade e simplicidade. Saudade já foi descrita como "desejo vago e constante por algo que não é, e provavelmente não pode existir”... ”um olhar para o passado ou para o futuro" ou como "o amor que permanece" depois que alguém partiu. O que é a nossa vida, mas um vôo interminável de fatos ou eventos que encorajam o espírito humano numa variedade esplêndida de mudanças.

Jo_o_Gilberto_e_Tom_Jobim.jpg

Tão simples quanto a música de Antonio Carlos Jobim, Saudade imcomparável:

Vai minha tristeza e diz a ela que sem ela Não pode ser, diz-lhe numa prece Que ela regresse, porque eu não posso Mais sofrer. Chega de saudade a realidade É que sem ela não há paz, não há beleza É só tristeza e a melancolia Que não sai de mim, não sai de mim, não sai

Mas se ela voltar, se ela voltar, Que coisa linda, que coisa louca Pois há menos peixinhos a nadar no mar Do que os beijinhos que eu darei Na sua boca, dentro dos meus braços Os abraços hão de ser, milhões de abraços Apertado assim, colado assim, calado assim Abraços e beijinhos e carinhos sem ter fim Que é pra acabar com esse negócio de você viver sem mim. Não quero mais esse negócio de você longe de mim

Ou pelas palavras árduas de Fernando Pessoa:

FernandoPessoa.jpg

Estou só e sonho saudade.
 E como é branca de graça
 A paisagem que não sei, 
 Vista de trás da vidraça
 Do lar que nunca terei!

Outro exemplo é o recente filme de Woody Allen “Meia Noite em Paris”, o diretor explora a nostalgia como a raiz da grande parte do que se passa à nossa volta e em nossas vidas pessoais. Muitos de nós imaginamos o nosso passado como sendo idílico, e nos perguntamos se podemos sempre voltar e experimentar o passado ... nós sempre ouvimos a frase ”Ah, bons tempos!”. Porém, sentimos saudades dos "bons tempos", muitas vezes, e percebemos que essa nostalgia é também ilusória.

Midnight in Paris.png

Nós esquecemos números, dinheiro, clima, orgulho, gravidade e destino, mas não esquecemos saudade. Interpretada por poetas, compositores e filósofos, sempre foi interesse de todos, assim como o amor, é inevitável. A vida é cheia de surpresas. Não podemos adivinhar o humor, o prazer, o poder do amanhã, quando estamos construindo e adaptando o nosso ser. Mas olhar para o passado nos ajuda a encontrar a base que precisamos na geração eterna do crescimento humano, e consequentemente, o futuro.


Amanda Maciel Antunes

Uma estrangeira em terra de estrangeiros. Contadora de histórias. Artista. Figurinista. E cheia de vida. De esperança. De um monte de bobagens também..
Saiba como escrever na obvious.
version 3/s/filosofia// //Amanda Maciel Antunes