doze

o nome de uma história comprida que não se explica em poucas palavras

mónica aresta

escrever simplesmente pelo prazer de juntar as palavras

Perguntas sem respostas

Cedo ou tarde, aprendemos a falar.
E, com o poder que as palavras dão, perdemos um pouco a capacidade de sentir e admirar aquilo que não tem (nem precisa) de um nome.


missed_you.jpg


- Gostas de mim?
- Sabes que sim.
- Porquê?

****


Ah, este nosso hábito de classificar, codificar e avaliar tudo em palavras. As coisas - objetos, sentimentos, criaturas - só existem quando uma designação lhes é dada, como se as coisas e os objetos e os sentimentos se resumissem e definissem pelas letras que compõem o seu nome.
Precisamos de explicação para tudo. Tudo tem de ter uma razão, um sentido, analisado com um método. Um "sim" não nos basta, e um "não" tem de ter um porquê. Aquilo que não conhecemos perturba-nos, aquilo que não sabemos como definir tira-nos o equilíbrio.
Precisamos de estabelecer uma relação entre isto e aquilo, saber onde tudo fica, para que o cérebro - que se habituou à lógica e à matemática e à razão que o coração desconhece - compreenda, perceba, classifique, para que assim tudo faça sentido.

E dizemos que é amizade ou mais que isso, que é amor ou menos um pouco, que é paixão mas não tão quente quanto. E isso cansa. E como acreditamos - pela experiência que achamos ter - que as palavras perdem o sentido quando as dizemos muitas vezes (experimentem dizer céu vezes sem conta, e perceberão o que quero dizer com isto), evitamos repeti-las e guardamos, para quando e quem merece, aquelas (palavras) que nos são caras.

Ou então codificamos. E o amor é filial, ou paternal, ou conjugal. E temos melhores amigos, e amigos de ocasião. E tentamos - nesta ânsia insana de designar e codificar tudo - criar escalas de valores para, num olhar mais ou menos demorado, sermos capazes de perceber onde nos encontramos. Onde colocamos o outro relativamente aos outros. Onde fica aquilo que sentimos e que, ainda não sendo amor, também já não é amizade.

****

- Gostas de mim?
- Sim.

Desta vez não perguntei porquê. E assim fiquei feliz.


mónica aresta

escrever simplesmente pelo prazer de juntar as palavras.
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/recortes// @destaque, @obvious //mónica aresta