Victor Silveira

Estudante de psicologia, que aspira Filosofia e Artes Visuais. Gosta de palavras assim como de silêncios. Costuma ser o intangível do que mostra ao vê-lo.

Olhar distanciado em Vik Muniz e Nietzsche

Para ilustrar os trechos de Nietzsche, em a Gaia Ciência, trago a arte de Vik Muniz, que ao trabalhar com objetos fragmentados dos mais variados - do lixo aos grãos de areia - fotografando-os em uma perspectiva distanciada, brinca livremente com a estética, deixando entrever uma suave crítica ao conceito do belo.

09071702_blog.uncovering.org_muniz.jpg

Ocasionalmente, precisamos descansar de nós mesmos, olhando-nos de cima e de longe e, de uma artística distância, rindo de nós ou chorando por nós; precisamos descobrir o herói e também o tolo que há em nossa paixão do conhecimento, precisamos nos alegrar com a nossa estupidez de vez em quando, para poder continuar com a nossa sabedoria! (NIETZSCHE, 1882, p. 132)

Esse monte faz encantadora e significativa a paisagem que domina: após haver dito isso muitas vezes para nós mesmos, somos de tal forma insensatos e agradecidos para com ele, que acreditamos que, proporcionando esse encanto, ele deve ser a coisa mais encantadora da paisagem – e assim o escalamos e nos decepcionamos. De repente ele próprio, e toda a região em torno e abaixo de nós, é como que desencantado; esquecêramos que algumas grandezas, como algumas bondades, pedem para ser vistas a uma certa distância, e de baixo não de cima – apenas assim têm efeito. Talvez você saiba de pessoas, à sua volta, que devem olhar para si mesmas apenas de alguma distância, a fim de se achar suportáveis, ou atraentes e animadoras. O autoconhecimento não lhes é aconselhável. (NIETZSCHE, 1882, p. 67)

Saiba mais sobre Vik Muniz aqui.


Victor Silveira

Estudante de psicologia, que aspira Filosofia e Artes Visuais. Gosta de palavras assim como de silêncios. Costuma ser o intangível do que mostra ao vê-lo. .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/Filosofia// @destaque, @obvious //Victor Silveira