encha a xícara

Um gole de café e uma história pra contar

Dani Fechine

Graduanda em Jornalismo, leitora incessante e escritora do blog Escrever Para Não Implodir. Amante da literatura machadiana e admiradora da poética de Leminski. Paraibana que acredita num futuro regado a muitas histórias.
Escrever é uma necessidade que ultrapassa poesia, e eu ultrapasso a mim mesmo.

  • obv.jpg
    Como um míssil

    Sobre o desejo de escrever e o (des)encontro com a inspiração.

  • bauman.jpg
    o amor líquido por trás do filme Her

    O filme Her narra o amor de um homem por um sistema operacional. Será que essa é, atualmente, a maneira mais eficaz de se relacionar? Bauman e o seu conceito de amor líquido provam que a efemeridade também permeia a Era tecnológica.

  • vaitercopa.jpg
    vai ter copa sim

    Em meio a tantas discussões, debates e questionamentos, hoje, a única certeza que temos é que apesar de tudo: vai ter copa sim.

  • obvious3.jpg
    Carta de um novo mundo

    E se o mundo passasse por uma transformação? E se houvesse um explosão (ou implosão) e o nosso planeta simplesmente mudasse da água para o vinho? Como seria o mundo que merecemos ter?

  • Keep-Calm-Write-Something.jpg
    entre a mente e o papel em branco

    O papel em branco te encara sem parar. É uma síndrome difícil de controlar. Ele te pressiona para que escreva uma frase sequer. Você se põe a escrever e absolutamente nada passa pela sua cabeça. A imaginação se esvaiu. Nada te ajuda. Mas calma... Isso acontece com todo mundo.

  • Imagen Thumbnail para Imagen Thumbnail para tumblr_mepjtlevig1rmufpro1_500_large.jpg
    Um 1º de maio esquecido

    O dia 1º de maio é marcado pela conquista dos trabalhadores e, portanto, celebrado o dia do trabalhador. Esse ano também se comemorou 20 anos da morte de Ayrton Senna, motivo que marcou ainda mais o feriado brasileiro. Porém, é a vez da literatura brasileira receber uma homenagem pelo seu dia.

  • obvious1.jpg
    Novos tempos de paixão

    Encha a xícara de café para perceber que em tempos onde se apaixonar se tornou démodé, estar vazio pode ser ainda mais assustador e refletir sobre isso poderá te trazer de volta à vida. Em um monólogo escrito em forma de carta, por Dani Fechine, alguns traços da sua vida se assemelharão com a ficção do conto.