encruzilhada

O encontro entre o admirável, o erudito e o simplesmente interessante

Sandro Marcos

Viciado em atenção e notívago inveterado, simplesmente não vive sem a multiplicidade de culturas e conteúdos! Multiplicidade esta que expressa através de incursões pelos mundos da música, poesia, literatura e do amor verdadeiro.

Posts da Encruzilhada no seu email: http://bit.ly/1h82eCv

O charme irresistível do que é vintage

Câmeras, guitarras, automóveis e tudo o mais que se pode colecionar e chamar de vintage. Itens produzidos entre 1920 e 1980 e que ainda hoje fazem apaixonar diversas pessoas pelo mundo. De onde vem esta paixão?


vintage-photography-wallpaper-hd-8.jpg

Conforme nos informa um dos gurus virtuais contemporâneos chamado Wikipedia, a palavra vintage vem do "francês antigo 'vendenge' - que deriva da palavra latina vindēmia - e refere-se ao vinho produzido com uvas colhidas em determinado ano em que as condições climáticas, de produção e outros fatores que colaboram para que esse vinho tenha uma qualidade excepcional".

Receba os artigos da Encruzilhada por email.

Entretanto, seu significado acabou popularmente distorcido, ajustado e hoje (aliás já há algum tempo) pode referir-se a roupas, carros, máquinas, equipamentos eletrônicos e daqui a algum tempo acabará servindo para pessoas; ainda que isto pareça exagero!

2389482782_5c50403784_b.jpgKodak 35, a primeira câmera fotográfica 35mm da empresa, introduzida em 1938.

O que não se explica muito facilmente é este nosso gosto por coisas antigas - e aqui o termo vintage acaba abrangendo coisas que vão dos anos 20 aos 90 facilmente -, seja aquela câmera de filmes ou um charmoso Dodge Charger 1969. É grande o número de fãs de coisas assim, colecionadores que acumulam e cultuam equipamentos de áudio vintage, roupas e toda a sorte de objetos feitos no passado e que ainda hoje encantam.

Sem querer construir um ensaio psicológico sobre o que faz com que nossos gostos - me incluo desde já - se voltem para coisas teórica e visualmente ultrapassadas, mas com uma parcialidade à flor da pele, vou ilustrar dois pontos que meio que explicam esta quase afrodisíaca atração pelo que é vintage.

1969-Dodge-Charger-General-Lee-Dukes-Of-Hazzard.jpgDodge Charger 1969, conhecido como General Lee por aparecer na série "Dukes Of Hazzard" ("Os Gatões" no Brasil).

Primeiro, é claro, há de se mencionar a personalidade. Ainda que como conceito ela seja um tanto abstrata, quem ousará contrariar a máxima de que os objetos mais antigos exalam personalidade bem mais marcante e notável que as modernas? Ou contemporâneas, que seja. Peque-se uma câmera fotográfica como a que mostramos na imagem deste mesmo artigo e compare com uma mais recente. A vintage é charme puro, ela praticamente denota um planejamento visual que vai além da linha de montagem! Outro exemplo cabal seriam os móveis, veja os móveis mais antigos e tente não se apaixonar pelo design. Nem precisamos ir aos magníficos exemplares da era vitoriana pois aí já seria covardia de tão encantadores.

Vitrola e móvel Querido Buenos Aires.jpgMóvel que também é uma vitrola, localizado no hotel "Querido" em Buenos Aires.

O segundo ponto que defende esta tese talvez seja um tanto mais psicológico, ainda que não tecnicamente falando. O caso é que traz realmente uma espécie de satisfação orgulhosa ter uma coisa tão antiga que ainda funcione em sua plenitude. E aqui se misturam os quesitos durabilidade e qualidade para fazer com que não caia no esdrúxulo esta questão meio psicológica. Não há dúvida quanto ao esmero na construção de equipamentos, móveis ou automóveis das décadas que vão de 1920 a 1980. Notadamente itens de níveis de preço popular, onde residem hoje as mais notórias lambanças de engenharia e construção de que se tem notícia. E se hoje estas duas se fazem presentes com qualidade, volta o fator design para vencer a "disputa".

QRX-9001 Sansui.JPGReceiver Sansui QRX-9001: se hoje o áudio Hi-end ainda apresenta qualidade de ponta, o design dos vintage é insuperável.

A "Obsolescência programada" não é nenhum segredo de estado e se você esteve em Marte nestes últimos anos e ainda não ouviu falar dela, saiba que trata-se de uma decisão do fabricante em produzir e distribuir produtos que forçam o consumidor a adquirir versões futuras e aparentemente melhoradas dos mesmos. Ou os produtos ficam obsoletos pelo lançamento de um mais avançado ou apresentam defeitos em um determinado tempo que é mais curto que o que compreende os lançamentos de uma versão e outra. eis então mais um aspecto para um mergulho bem mais atento nas casas dos avós em busca de itens antigos que irão surpreender.

1950 Western Flyer X53 Tankbike.jpgBicicleta Western Flyer X53 Tankbike de 1950. detalhe para o nome "Tankbike".

Não importa o fato de compartilhar ou não destes argumentos. Afinal nem todos gostam do amarelo, diria o verde... Mas é um desafio a qualquer gosto não se apaixonar por alguns dos objetos expostos até aqui e a seguir:

1943-Indian-741-custom-bobber.jpgIndian 741 de 1943.

12648LimitededitionBurgundyRoadsterpedalcar.JPGCarrinho de pedal Burgundy Roadster.

Botões.JPGBotões de roupas vintage.

Gibson  ES-340, 1969.JPGGibson ES-340, 1969. Exemplares atualmente vendidos por mais de 6 mil dólares.

7491343136_01c0d31b08_b.jpgAté mesmo os anúncios vintage são altamente colecionáveis.

P.s.: Para quem se interessou pelo assunto da obsolescência programada fica a dica para assistir ao vídeo abaixo. Um documentário que elucida bem o assunto.


Sandro Marcos

Viciado em atenção e notívago inveterado, simplesmente não vive sem a multiplicidade de culturas e conteúdos! Multiplicidade esta que expressa através de incursões pelos mundos da música, poesia, literatura e do amor verdadeiro. Posts da Encruzilhada no seu email: http://bit.ly/1h82eCv.
Saiba como escrever na obvious.
version 7/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Sandro Marcos