entre a loucura e a razão

Por que para ser considerado normal, deve-se estar entre os extremos da racionalidade e insanidade.

Prescila Rizzardi

Uma leitora compulsiva, cinéfila por natureza e amante de todas as formas de arte

PELO DIREITO DE TER UM DIA DE FERRIS BUELLER

Atualmente encontrar um equilíbrio entre as obrigações naturais da vida adulta e ainda sim ser capaz de curtir a vida, é uma árdua e exaustiva tarefa, já que normalmente essa balança do equilíbrio pende sempre para o lado das obrigações, porém todos temos o direito a um dia como o de Ferris Bueller.


Ferris2-e1347992986125.png FONTE: Imagem retirada da internet

Antes de iniciar essa reflexão, é preciso deixar claro que nenhuma apologia a faltas injustificadas da escola, faculdade ou trabalho será apoiada nesse texto, ele tem o objetivo de trazer a você que está lendo uma perspectiva diferente, de como é possível manter essa balança equilibrada. Para tornar mais didática a explanação do assunto, sempre é preferível utilizar um filme, música ou livro que contenha em sua mensagem principal o mesmo tema abordado no texto, por que quem disse que não é possível aprender algo com os filmes? Quando o assunto é aproveitar da melhor forma possível os momentos da vida, o filme Ferris Bueller’s Day Off ou como é conhecido por aqui “Curtindo a Vida Adoidado” (1986) de John Hughes é um dos clássicos que melhor representa essa máxima.

hsbc1.jpg FONTE: Imagem retirada da internet

Mesmo que de forma irresponsável, o personagem principal Ferris Bueller nos leva para dentro das suas artimanhas e peripécias juvenis, onde o importante é aproveitar o dia da melhor maneira possível. O enredo conta a história de um jovem que decide tirar um último dia de folga do colégio antes de se formar, mas do que vale um dia livre se não ter com o que aproveitá-lo?

curtindo-a-vida-adoidado.jpg FONTE: Imagem retirada da internet

Depois de reunir seu melhor amigo e sua namorada, a jornada ao dia livre perfeito tem início, que vão do almoço em um requintado restaurante, jogos de baseball no meio da tarde, exposições de arte e pôr fim a participação em uma parada cantando Twist and Shout dos Beatles, imortalizando nas telas do cinema uma das cenas mais comentadas e animadas já produzidas. Por mais louca e improvável que possa parecer essa aventura, ela já rondou o imaginário de muitos adolescentes da década de 80 e arrisco dizer que ainda ronda nos dias atuais.

Por mais que o comportamento de Ferris possa ser considerado impróprio, e para você que por um acaso ainda não tenha visto esse longa-metragem, e espera que ele aprenda alguma lição ou sofra alguma consequência, já deixo claro que isso não irá acontecer. Pois se existe alguém que irá aprender algo é você. É impossível não tirar verdadeiras lições ao longo do filme, pois de que vale uma vida inteira seguindo um rotina e se de vez em quando não aproveitarmos os bons momentos da vida.

curtindo-a-vida-adoidado_parada.jpg FONTE: Imagem retirada da internet

Tirar um dia como Ferris Bueller deveria ser sinônimo para aproveitar o que de melhor a vida pode lhe proporcionar, não existe uma receita pronta e que sirva para todas as pessoas de como curtir a vida, já que cada ser humano possui formas distintas de desfrutar o que de melhor ela pode oferecer. Reservar um dia da semana, finais de semana ou para aqueles que vivem em uma correria sem fim, ao menos uma vez ao mês, para fazer algo que lhe dê prazer, ou simplesmente fazer algo que fuja da sua rotina, é viver um dia como o grande Ferris, afinal:

“A vida passa muito depressa. Se não paramos para curti-la de vez em quando, ela passa e você nem vê!”

Faça algo por você mesmo, óbvio que fazer isso no meio de uma semana para quem tem obrigações da vida adulta, pode ser algo pouco viável, mas se é possível faze-la, com certeza terá um gosto especial e isso foi escrito por alguém que já tirou alguns dias ao longo da sua vida como o inigualável Ferris Bueller. Save Ferris!


Prescila Rizzardi

Uma leitora compulsiva, cinéfila por natureza e amante de todas as formas de arte.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 2/s/cinema// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Prescila Rizzardi