Giovana Damaceno

Jornalista e cronista. Produtora de conteúdo digital do UniFOA. Autora de "Mania de Escrever" e de "Depois da chuva, o recomeço". Membro da Academia Volta-redondense de Letras.

Brinquinho de letra

O sistema não aceita, sinto muito


AP6.jpg

A jornalista do setor de comunicação da empresa tenta publicar uma matéria no site, mas não consegue. Em todas as tentativas recebe retorno de erro. Ela confere o texto, a foto, tenta de novo. Não vai. A notícia já está ficando velha e ela entra em contato com o suporte:

- Não estou conseguindo postar uma notícia no site. Achei que era a foto, mas mesmo sem a foto não é possível. - Ok. Vou verificar o problema e já dou um retorno.

Cinco minutos depois o funcionário do suporte telefona:

- Me diz uma coisa... - Sim? - Tem algum apóstrofo no texto? - Hã?! - Apóstrofo. Tem algum no seu texto? - Tem sim, no título, por quê? - Não pode. O sistema não aceita. Por isso o erro. Você deve tirar o apóstrofo, senão a matéria não entra.

Longe de se irritar, pois teria de tirar o apóstrofo do título da matéria - e fazer título não é algo simples assim -, a jornalista caiu na gargalhada. Como é que um sinalzinho, em princípio tão insignificante, um brinquinho na orelha da letra, poderia causar estrago tão grande? “É, mas não pode”, disse o rapaz do suporte. “É pequenininho, quase imperceptível, mas o sistema não o aceita”.

O apóstrofo, uma virgulinha de cabeça para baixo, é mais usada na língua inglesa, como indicativo de possessão. Já no Português é raramente visto, mas mesmo assim ainda ganhou tópico especial no Novo Acordo Ortográfico. Sua aplicação se dá em quatro situações:

a) Para fazer a cisão gráfica de uma contração ou aglutinação, a exemplo de: Ontem assisti pela centésima vez à exibição d’O Vento Levou; b) Para cindir uma aglutinação ou contração do artigo com o pronome pessoal que se quer realçar. Ex: Acreditamos n’Ele c) Nas ligações das formas santo e santa quando há elisão das vogais finais a e o. Ex: Flor de Sant’Ana d) Para assinalar a elisão do e, e da preposição de combinada com substantivos: “A estrela-d’alva no céu desponta e a lua anda tonta com tamanho esplendor”

Porém, no uso corriqueiro da Língua, raríssimos são os operários do texto que se lembram do sinalzinho gráfico, cada vez menos visto. A jornalista queria usá-lo na contração “colunista d’O Globo”, mas foi obrigada a mudar o título para que sua matéria fosse pro ar.

A parte hilária de tudo isso, que levou minha colega às gargalhadas, foi a fragilidade de um sistema em não aceitar um sinalzinho quase imperceptível. O que haverá no apóstrofo de tão incômodo que empaca o sistema? Quando ouvi esta história me lembrei de um cisco no olho, que numa noite de sábado me levou a um pronto socorro e de lá, direto para casa, com um baita curativo. Um cisco. Invisível. E fez um estrago daqueles.

Por outro lado, há os que confundem Português com Inglês e saem jogando apóstrofo pra todo lado, principalmente em nomes de estabelecimentos comerciais do tipo botequim: bar do Joelson’s, cantina Morena’s, lanchonete Petisco’s. Pior que isso é ver gente letrada escrever CD’s e DVD’s. Chega a dar arrepios. Neste caso, melhor mesmo é que o sistema bloqueie o injustiçado apóstrofo.


Giovana Damaceno

Jornalista e cronista. Produtora de conteúdo digital do UniFOA. Autora de "Mania de Escrever" e de "Depois da chuva, o recomeço". Membro da Academia Volta-redondense de Letras..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/Crônica// //Giovana Damaceno