entretido

doses homeopáticas de observações pop

@gotardi

não existem razões para causar problemas desnecessários.
mas tenha a certeza de causar problemas sempre que forem necessários.

O oceano no fim do caminho

No seu mais recente livro, Neil Gaiman passeia com maestria pelos medos infantis; como sempre, nos soterra em motivos para não deixarmos de alimentar a criança que ainda vive na nossa mente.


Ocean At The End Of The Lake

O fim da história não é cor-de-rosa - não combinaria com a história em si, não combina com Gaiman e nem é o que esperamos durante a leitura – e dá aquela sensação de ser acordado de um sonho de repente; não no meio do sonho, não porque falte algo a ser contado nem porque ficou sem conclusão mas, sim, porque esse cara consegue transportar o leitor para dentro do seu universo com uma habilidade que só faz sentido mesmo quando comparado com sonhos.

Sandman. Pois é.

E não qualquer sonho, mas aqueles em que cores carregadas e sensações extrapoladas parecem ainda mais intensas do que elas são na vida real, aquele tipo de sonho que você acorda, fecha os olhos e tenta dormir de novo, para ver se a história prossegue.

E, assim como os sonhos não continuam, o livro também não dura para sempre; mas, se a história termina deixando essa sensação de que podia se estender e seria lida com a mesma vontade, isso é apenas sinal de que Gaiman conseguiu, de novo, criar mais um daqueles universos em que nós, fãs, mergulhamos de cabeça.

E, assim como esse texto, o livro começa – também – pelo final. (Mas é claro que Gaiman faz isso com toda a propriedade, enquanto eu...)

Quote - Ocean

O livro é curto e dá prá ler num par de dias mas, talvez, você seja mais um daqueles que vão pegar gosto pela obra e vão ficar adiando por dias e dias o final da leitura.

Okey, acontece com os melhores leitores.

Em uma história que – ao menos na minha cabeça – ficava o tempo todo inteiro gritando CINEMA (sim, eu queria ver uma boa adaptação desse livro na telona), é fácil se perder em como a sua mente vai imaginando o tal lago/oceano no fim do caminho, como seriam as casas e as pessoas através desse tipo de descrição característica que o Gaiman costuma fazer e como um bom diretor levaria isso para um filme.

Não faço ideia de como estava a tradução mas, no caso desse cidadão ainda mais do que na maioria, sempre acho que vale a leitura do orignal; se for em ebook que tenha um dicionário embutido melhor ainda, porque certas passagens podem te deixar com certa cara de “que cacete de palavra é essa” e um dicionário à mão vai bem.

(Mas, sei lá, de repente você tem um TOEFL de 9 milhões e pode ignorar o dicionário…)

E mesmo que certas montagens linguísticas do Gaiman sejam intraduzíveis – mas essas notamos de longe, sejam em livros, quadrinho ou pixações - nada disso entra no caminho desses momentos em que ficamos imaginando as cores tão bem descritas ou o aroma exato da torta de maçã.

Um Gaiman que serve pra iniciantes, para fãs, para ser lido pela primeira com gosto e re-lido com calma, pra gente gostar ainda mais do que esse cara faz.


@gotardi

não existem razões para causar problemas desnecessários. mas tenha a certeza de causar problemas sempre que forem necessários..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/literatura// @destaque, @obvious //@gotardi