Ricardo Gessner

Professor de Literatura.

O retorno dos poetas à República

Se na obra A República, Platão "expulsa" os poetas, no diálogo Ion estabelece uma relação próxima com as Musas, o que pode permitir o retorno à República.


platao.jpg

Quando “poeta” e “Platão” aparecem na mesma frase, normalmente é para relembrar a expulsão do primeiro pelo segundo da “república ideal”. A obra A República, de Platão, tem como temática principal a justiça, sendo que para discorrer sobre o assunto, Sócrates e seu principal interlocutor, Glauco, aplicam o raciocínio no desenvolvimento de uma “república ideal”, e, com isso, abordam outras temáticas como a educação, a dinâmica dos matrimônios, a escolha de um regime político, entre outros. No Livro X, Sócrates diz que para o bom funcionamento dessa cidade, não deve haver artistas nem poetas.

Essa expulsão recai sobre uma concepção específica de arte, entendida como imitação. A “imitação”, por sua vez, não é uma categoria de prestígio na filosofia platônica. Isso está relacionado com um dos itens principais do pensamento de Platão, que é a divisão entre “mundo sensível” e “mundo inteligível”, também desenvolvido n’A República, Livro VII, com a alegoria da caverna. A realidade terrena é esta em que o ser humano vive; é percebida e conhecida através dos sentidos e, portanto, é chamada de “mundo sensível”. Os objetos que compõem o “mundo sensível” tem sua origem nas formas perfeitas, eternas e imutáveis – as Ideias – que compõem o “mundo inteligível”, acessível somente por meio da razão. O “mundo sensível”, portanto, é uma espécie de imitação do “mundo inteligível”. O primeiro são aparências, o segundo, essências.

Se o artista reproduz em suas obras aspectos do “mundo sensível”, consequentemente se coloca num lugar duplamente distante em relação às essências, às Ideias, pois realiza uma imitação (a obra de arte) da imitação (o mundo sensível). Sendo assim, para o funcionamento saudável dessa república ideal, os artistas não poderiam ter lugar.

Vê-se que essa “expulsão” implica num posicionamento antes ético do que estético. Isto é, o fundamento da arte é definido por meio de uma discussão de viés ético: é a função da arte que adquire preponderância. Nesse sentido, há uma brecha para elaborarmos uma hipótese e pensarmos noutro fundamento sobre a arte, que seja consistente em relação à “república ideal”; desenvolver uma concepção de arte como meio de conhecimento, mesmo que ela tenha como ponto de partida a imitação.

Nesse sentido, há outro diálogo de Platão, este menos citado e anterior ao d’A República, intitulado Ion. Trata-se de uma reflexão sobre a contraposição entre técnica e inspiração poética.

Ion é um rapsodo, isto é, alguém que declama e interpreta poemas de que não é autor. Nas ocasiões em que Ion declama e comenta os poemas de Homero, realiza seu trabalho com maestria, porém o mesmo não acontece em relação a outros poetas, mesmo quando as temáticas são as mesmas. Diante disso, Sócrates dirá que o trabalho de Ion não se deve a uma técnica; se o fosse, seria indiferente declamar e comentar Homero ou outro poeta, pois bastaria aplicar a técnica. Ion realiza seu trabalho com maestria exclusivamente com Homero, pois faz parte de um encadeamento cuja origem é a inspiração poética.

A origem de um poema é de fundo irracional – o poeta é inspirado pelas Musas, que lhes ditam os poemas: “Na verdade, (...), os bons poetas, não é por efeito de uma arte [técnica], mas porque são inspirados e possuídos, que eles compõem todos esses belos poemas” (533 d). Nesse processo há um encadeamento: “a Musa inspira ela própria e, através destes inspirados, forma-se uma cadeia, experimentando outros o entusiasmo” (533 d). Isto é, aqueles que têm a mesma afinidade compartilham desse entusiasmo, isto é, da fruição estética, constituindo um encadeamento que começa com as Musas, passa pelo poeta e chega ao expectador. Daí a maestria de Ion em relação a Homero.

Nesse sentido a origem da poesia é divina: “Com efeito, o poeta é uma coisa leve, alada, sagrada, e não pode criar antes de sentir a inspiração, de estar fora de si e de perder o uso da razão. Enquanto não receber este dom divino, nenhum ser humano é capaz de fazer versos ou de proferir oráculos” (534 b).

Se por um lado há uma contradição quando comparamos a valorização do poeta entre A República e Ion, de outro permite desenvolver a hipótese levantada anteriormente, de pensar a poesia como forma de conhecimento. Não se deve levar ao pé da letra a “possessão” do poeta. Na verdade isso significa que o poeta possui certa sensibilidade, isto é, uma espécie de intuição para perceber aspectos que vão além da percepção imediata da realidade – as Ideias, para utilizarmos um termo de Platão. Se numa obra de arte elementos da realidade concreta estão representados, não necessariamente implica numa imitação, mas na utilização desses elementos para representar essas percepções.

Dessa forma, o acesso às Ideias, às verdades, se dá não apenas pela razão, como defendia Platão n’A República, mas também pela intuição. A fruição de uma obra de arte estabelece o expectador no outro polo daquela corrente que se inicia com as Musas: se há afinidade, o expectador tem acesso a essas Ideias e, dessa forma, a arte, a poesia, podem ser uma via de acesso a esse conhecimento. E os poetas podem retornar à República, se assim o quiserem.


Ricardo Gessner

Professor de Literatura..
Saiba como escrever na obvious.
version 5/s/literatura// @obvious, @obvioushp //Ricardo Gessner