espacialidade

Geobiografia dos Lugares

Wallace Pantoja

Geobiógrafo dos lugares, os que existem e os que ainda não, morando no centro e vivendo nas bordas, sonhando com o entre.

TRANSAMAZÔNICA - IMAGENS DA VIDA ENTRE LUGARES

Estradas se projetam como conexões de um ponto ao outro. O que esquecemos é que há vidas neste espaço entre pontos. A Transamazônica é um exemplo de "eliminação", na consciência coletiva, da vida à beira da estrada - e toda a sua poética existencial - sobrevivente no mundo urbano que privilegia o olhar de quem atravessa e não de quem vive no caminho.


transamazonica asmerindo.jpg Pense em um espaço que fica entre lugares. Nem aqui, nem lá. As estradas servem para ligar um ponto ao outro, da partida à chegada. Mas e os que vivem no entre lá e aqui?

A BR-230, conhecida como Transamazônica, corta as regiões norte e nordeste do Brasil, projetada para unir Atlântico ao Pacífico, nunca finalizada, revela o corte na Amazônia que viabilizou a "conquista da região para o Brasil", embalada pelo patriotismo autoritário - há algum outro tipo? - que unia a terra sem homens (Amazônia) aos homens sem terra (Nordeste), dois estereótipos que se projetaram como verdade. transdetalhes6.jpg A estrada, como objeto projetado em nossa consciência, apaga a vida que teima em se fazer à sua margem. Poderíamos dizer que vivem "no fim do mundo", dada nossa certeza urbanocêntrica, mas o fato é que existem no entre-lugares, espécie de vida em/no trânsito, fogem da morte "matada" ou "morrida", não podem ser captados por estatísticas oficiais ou programas cuja informação prioritária é o endereço residencial. No ato de fugir se encontram, no ato de vagar pela beira da "Faixa" recriam seus próprios lugares íntimos e ancestrais.

transdetalhes2.jpg

poeta transamazonica.jpg

casal de idosos na faixa.jpg

As pessoas, em família, em grupos ou solitárias, constroem formas de viver imersos entre a estrada e a floresta, de uma simplicidade que, numa primeira visada, podem ser entendidas apenas como miserável, mas que revelam clareza de prioridades e sonhos - estudar, defender a terra, escrever suas histórias, plantar a vida para colher existência!

Quase nunca captados em imagens, jamais localizáveis através do Google Earth, sempre percebidos como inexistentes ou, quando muito, massa sem individualidade. Não participam dos debates acerca dos caminhos do mundo, embora entendam muito bem o que é viver nos/dos caminhos. Sua linguagem é outra, nova, construída com palavras rápidas e de contextos geográficos longínquos, revela uma poesia - e há poetas no entre lugares - dura e doce, em cordel verde salpicado de lama e poeira, transpirando incontáveis lugares carregados nas memórias, na alma e nas suas mãos de transamazônicos. pela janela.jpg Esta experiência é irredutível, não porque não possa ser comunicada, mas porque quase nunca o é. Se a literatura (artística e científica) consagra o olhar de quem percorre o caminho de um ponto ao outro, quase nunca valorizou quem está vivendo à beira do caminho, posição privilegiada para sentir a passagem não como escapismo, mas como permanência do ser.

(Imagens: Cleison Nazaré e Mateus Moura)


Wallace Pantoja

Geobiógrafo dos lugares, os que existem e os que ainda não, morando no centro e vivendo nas bordas, sonhando com o entre..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Wallace Pantoja