espantalho lírico

serviçal do inutilitarismo e do inecessário

ronaldo coelho teixeira

...porque o sabre sabe
que sangrar
é a parte que me cabe...


Escritor e jornalista, mas acredita que o jornalismo tem sido a moeda de troca mais barata depois da poesia.

Arte na butique

O enigma cultural continua devorando artistas das mais diversas áreas. Em pleno Século XXI, a antiga e onipresente charada da esfinge denominada Cultura ainda não foi decifrada.


Ilustra Obvious copy.jpg

O enigma cultural continua devorando artistas das mais diversas áreas. Em pleno Século XXI, a antiga e onipresente charada da esfinge denominada Cultura ainda não foi decifrada.

Isso acontece porque nossos artistas (a maioria!) estão omissos, enquanto os pseudo-artistas tomam conta da ribalta e a pirataria grassa lado a lado com a elitização da arte.

Não nos esqueçamos que Cultura é o conjunto dos costumes e manifestações de um povo, ou seja, todos os valores mantidos ou que, criados, passam a ser vividos como bem comum. É o que o danado do sabido do Câmara Cascudo chamava de sabedoria oral da memória coletiva.

Como o programa da nossa era parece ser a destruição do passado e os que ignoram este – não se enganem! – estão condenados a repeti-lo, seguimos repetidos repetidores alienados dessa memória. Primeiramente, porque fomos colônia portuguesa (todo o ouro para a Coroa!). Depois, européia (laissez-faire, laissez-passer!). E agora, americana (the american way of life!).

Hoje, o sistema vigente pega uma manifestação popular, dá-lhe um banho de loja e a coloca nas vitrines das butiques da moda. Mas com um valor tão alto que apenas uma minoria privilegiada pode ter acesso a esse bem cultural.

Se o ato criativo é individual, acima de poderes e impérios, necessita ficar longe da interferência do Estado. A Cultura, não. Por ser esta um fator de identidade, de riqueza e de patrimônio de uma nação é, então, questão política, ou seja, de Estado. Porque um povo sem identidade não tem auto-estima e, sem esta, é alvo fácil de culturas fortes, política, econômica e socialmente.

Assim, com a arte na butique e as manifestações populares minimizadas, pirateadas ou em guetos, entende-se porque o genial Plínio Marcos dizia que Cultura nas mãos dos poderosos constrange mais do que armas. E dá pra entender também porque o emblema cultural da nossa elite é a Disneylândia.


ronaldo coelho teixeira

...porque o sabre sabe que sangrar é a parte que me cabe... Escritor e jornalista, mas acredita que o jornalismo tem sido a moeda de troca mais barata depois da poesia..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/literatura// @destaque, @obvious //ronaldo coelho teixeira
Site Meter