esquina do Óbvio

Porque a genialidade está à esquina do óbvio

Gerson Avillez

Graduando em pedagogia, bacharel em teologia. Conservador moderado de direita com tendências anarcopacifistas como crítica à corrupção e abusos de poder, e asperger por natureza. Homo Kaber Viven, natural do Rio de Janeiro. Hominídeo bípede de hábitos onívoros e graduando teologia. A pedra no rim do capeta, o dragão na garagem dos pseudos, a pulga atrás da orelha de Nietzsche, o calo nos pés do mau vidente. Membro do CLFC (Clube de Leitores de Ficção Científica) Autor de 20 livros até 2015 de Corpus Ad Ventus sua Magnus Opus. Convido-os a curtir minha página no facebook: www.facebook.com/Filoversismo

Fo-Hi e o Tempo

O passado poderá dizer o futuro? O que nos promete a sabedoria milenar de personagens como Fo-Hi? Leiam e descubram!


Considerado como um dos forjadores da cultura chinesa, Fo-Hi chamado de Mestre do Tempo, foi responsável por diversas descobetas e invenções, mesmo que sejam duvidosos os fatos a cerca de sua origem. Nas crônicas chinesas dizem que Fo-hi nasceu de uma virgem em torno de 3.000 e 5.000 a.C. semelhantemente a Jesus Cristo, assim como outros dizem que veio dos céus com alienigenas portando marfins que teriam deixando registros confirmados por sistemas de datação. Graças a este, a cultura chinesa efatiza mais o tempo que o espaço misturando-se as religiões oriundas do mesmo onde a exemplo do 'I Ching - O Livro das Mutações' que trouxe propostas que pareciam ser precursoras até mesmo da relatividade geral de Einstein onde senteças que dizem que "a cada ponto do seu percurso, o tempo se separa em ramificações diferentes das quais podemos dispor à vontade". Surgido por volta de 1143 a.C. por estudos deixados pelo duque Wen sobre os Trigramas de Fo-Hi que ganhou forma por seu filho Tan, o Duque de Chou influênciando mesmo Confúcio e influenciou a criação do código binário de Leibniz em 1679. De Fo-Hi também veio a criação da bussola.

"Todo o conhecimento é uma resposta a uma pergunta". Gaston Bachelard

No periodo de Fo-Hi diversos avanços teriam ocorrido como a descoberta da impressa por Bi Sheng e de grandes enbarcações que anteciparam em muito o periodo das caravelas da Europa, assim como dando a descoberta dos fosséis somente descoberto oficialmente no século XIX por Boucher de Perthes. Porém, insatisfeito com o uso de seus conhecimentos neste mundo teria bloqueado outros progressos assim como os iniciou no que se chamou de "Quangao". O Mito em torno de Fo-Hi sugere que por estes conhecimentos e entre outras coisas ter fomentado para o escritor Jacques Bergier em seu livro 'Mestres Secretos do Tempo' que seria um Mestre do Tempo que pelos indicios - tal como relações culturais que dizem que ele re-aparece em momentos-chaves da civilização- seria um viajante temporal a forjar o que seria uma civilização do Tempo, não do espaço como modo de justificar os seus avanços, perpetuando-se ainda hoje onde sábios chineses modernos dizem que objetos podem atuar um emcima dos outros a longas distâncias pela inexistência do espaço. Alguns como o historiador Joseph Needham dizem que o reino onde Fo-Hi habitou, Xia, nunca existiu mesmo que seus defensores aleguem que foi por volta de 2000 a.C. o que choca-se com outras crenças do mesmo. Seria tal o reino do tempo que tando sonho e vislumbro em livros como da Saga dos Tempos e suas retóricas discutidas neste livro? Se pensarmos conforme dito todas as partículas vibram e se vibram somente graças ao Tempo, regente da ação e da reação, consequentemente do movimento estando no 'nível zero' das legislações do Universo. Assim percebendo que mediante tal linha de pensamento destes sábios a localização espacial é somente um detalhe mediante a temporal ou mesmo algumas proposições de atemporalidade que soam como explicações que possam tocar o teológico por sua vez. Poderia algo do qual tantas descobertas se mostraram corretas com o próprio tempo estarem erradas?

Clipboard01.jpg

A concepção unida do espaço-tempo não chega estar errada, mas limitada e mesmo que ambos se dependam intimamente do qual resulta a velocidade, é o espaço que nada é sem o tempo. O espaço e o tempo são um casal do qual geraram um filho chamado movimento, velocidade. Logo, mesmo que se costume dizer que todas teorias tem seu limite explica-se o porque da resolução Einsteiniana perder sentido quando chega-se a t = 0 (tempo igual a zero) e a se exemplificar quanticamente pela incerteza de Heisenberg que por si só torna-se um dos fundamentos da teoria quântica a comprovar que pela impossibilidade de medição exata de posição e velocidade de um elétron. Tal limitação parte justamente da observação e parâmetros de medidas comumente a confrontar-se com tais singularidades tanto de medição quanto em funcionalidade. O fluir do tempo em sua aparente elasticidade na realidade está a se comprovar que mesmo consigamos seguir numa só direção pelo tempo podemos romper suas barreiras frequenciais pela relação de massa e velocidade. Esqueçam a inexorabilidade newtoniana sobre o tempo, apesar de a principio correta (logo é um escopo rudimentar) comprovou-se limitada pela sobreposição da de Einstein. Porém, esta peca ao afirmar quase contraditoriamente que a velocidade da luz é a constante limite de velocidade que perante este universo relativo mesmo com medidas iguais podem apresentar discrepâncias inicialmente imperceptíveis, mas o possível motivo de medições aparentemente erradas sobre diversos fenômenos apresentados a criar tanta controvérsias. Para tal devemos retirar o rudimento de sua absolutividade, assim como o espaço-tempo é relativo a luz tende obviamente a ser, pois nem ao menos a velocidade haveria de existir sem o tempo, tal como o movimento ao contrário do pressuposto de que seria a propriedade 'absoluta' no tempo a gerar tais, mas conforme as próprias concepções do buraco negro parecem não estar corretas tais prerrogativas mesmo que ainda permaneçam incógnitas sobre o mesmo evento cósmico. Parte da explicação talvez estivesse na teoria do Bóson de Higgs como uma das provas da interação do Tempo com o espaço?

"Essa é a coisa que a tudo devora Feras, aves, planta, flora Aço e ferro são sua comida, e a pedra por ele é moída; Aos reis abate, a cidade arruína e a alta montanha faz pequenina" (advinha sobre o tempo - O Hobbit - J.R.Tolkien)

Gerson Machado de Avillez – 2012 ®

Querem conhecer o universo de Gerson Avillez? Curtam a página do Filoversismo no Facebook: www.facebook.com/Filoversismo


Gerson Avillez

Graduando em pedagogia, bacharel em teologia. Conservador moderado de direita com tendências anarcopacifistas como crítica à corrupção e abusos de poder, e asperger por natureza. Homo Kaber Viven, natural do Rio de Janeiro. Hominídeo bípede de hábitos onívoros e graduando teologia. A pedra no rim do capeta, o dragão na garagem dos pseudos, a pulga atrás da orelha de Nietzsche, o calo nos pés do mau vidente. Membro do CLFC (Clube de Leitores de Ficção Científica) Autor de 20 livros até 2015 de Corpus Ad Ventus sua Magnus Opus. Convido-os a curtir minha página no facebook: www.facebook.com/Filoversismo.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// //Gerson Avillez
Site Meter