esquina do Óbvio

Porque a genialidade está à esquina do óbvio

Gerson Avillez

Fotógrafo e homem da prática de letras nas horas vagas, teólogo e pedagogo por formação, filósofo autodidata e por vocação. Descendente direto do Tenente-General Jorge Avillez, portador da Síndrome de Aspeger, trabalhou em eventos culturais nas Lonas Culturais no Rio (2002) onde produziu e fotografou, tendo fotos publicadas em jornais do Rio de Janeiro. Posteriormente trabalhou na Rede Globo como fiscal de figuração pela agência MMCDI especialmente na novela Avenida Brasil (2012). Membro votante do Plano Estadual do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas do Rio de Janeiro, membro número 1017 do CLFC (Clube de Leitores de Ficção Científica) e da Sal (Sociedade de Artes de São Gonçalo), tendo escrito artigos para a Revista Somnium, teve contos selecionados e publicados na Revista Litera, Primeiro Capítulo e é autor de destaque da Obvious Mag. Finalista de diversos concursos literários, tem 21 livros escritos e dois publicados, 'Adormecidos' (2011 - Ryoki Produções) e 'Síndrome Celestial' (2013 - Editora Multifoco).Convido-os a curtir minha página no facebook: www.facebook.com/Filoversismo

A Bíblia e a ciência

Mais que uma fonte de inspiração religiosa, a bíblia é um achado inesperado de ciência que antecede em alguns casos mesmo descobertas atuais, descubra aqui sobre!


Sabemos de inúmeros personagens bíblicos do qual fora muitos instruídos em ciências, de Daniel ao Apostolo Paulo e que até mesmo não é antibíblico usar a própria ciência como pregação conforme dito por Paulo de Tarso em Romanos 2.20. Moisés era por sua vez muito instruído na ciência dos egípcios (Atos 7.22). Há claro, as pseudociências que são as falsas ciências referidas pelo mesmo, advertida em I Timoteo 6.20, que fizeram muitos se desviar da fé. Estas são as que devem ser combatidas verdadeiramente. Sobretudo lembremos que ciência como descrito muitas vezes é uma concepção sobre estar ciente de certo conhecimento não sendo necessariamente explícito ao empiríco positivista. Na bíblia assim poderia-se ver até mesmo conceitos que pareciam criticar o evolucionismo (Romanos 1.20) e concordasse com a Relatividade física (II Pedro 3.8) e que o conceito de Deus não está no tempo, mas acima dele, pois é atemporal. A Teoria da Relatividade que teve precursores do cientista Henri Poincaré do qual Einstein teria se inspirado funciona perfeitamente na Bíblia! Entre elementos e temas estão os constantemente citados como corretamente científicos antecipando a própria ciência e assim desfazendo muitas mitologias a exemplo de inúmeras passagens como as citadas: Relatividade física [II Pedro 3.8], Zonas marinhas abissais [Jó 38:16], Descrição dos ciclos hidrológicos [Jó 28.26, Eclesiastes 1:7], Sustentação da Terra [Jó 26:7], sua esfericidade [Isaias 40.22], e as órbitas e sua influência [Jeremias 31:35]. Como seria possível tais descrições antes mesmo de serem descobertas oficialmente pelas ciências humanas? Não se havia tecnologia para mergulhar nos mares, para se meditar sobre o Tempo, e saber sobre como era a própria terra vista do espaço, antecipando as descobertas de Cláudio Ptolomeu no século II, e curiosamente contradizendo áqueles cristãos que dizem contrariamente a bíblia, que a terra é chata. Alguns mulçumanos - conforme relatado no livro 'O Mundo assombrado pelos demônios’ de Carl Sagan - que em 1993 Abdel-Aziz Ilbn Baaz um xeque da Arábia Saudita declarou que todos os que crêem que a terra é redonda são ateus - e deveriam ser punidos - como prova de que a ignorância caminha lado a lado com a violência. Não existe nada claro na bíblia para que se alegue a humanidade ter apenas um punhado de milhares de anos, mas antes as descrições relativas de tempo parecem indicar o caráter alegórico das concepções criacionistas no começo de Gênese, não existe quaisquer provas contra a evolução, mas os fatores adaptativos igualmente comprovados pela ciência tampouco contrariam o livro sagrado, do qual o mesmo Darwin - criador do evolucionismo - compartilhou até o fim. Interpretações superficiais e limitadas não comprovam tampouco que o cristianismo é signo de ignorância. Não obstante, muito antes da astronomia com em Isaias 40,22 - que viveu cerca de 740 a.C. -, mas parecia ser um precursor mesmo dos gregos nas primeiras observações espaciais. Os primeiros planetas a serem observados – posterior ao período de Isaías - por gregos passaram a ser confundidos por estrelas errantes donde vem o termo planetai derivado de planasthai (vagar) por serem de origem inicialmente desconhecida e não estarem fixos como as demais estrelas e por isso acabaram sendo mistificados e associados a deuses, os concedendo seus nomes de batismo.

1286287871_40354227_2-BiBLIA-COMPLETA-EM-INGLeS-MP3-HOLY-BIBLE-NOVO-E-VELHO-TESTAMENTO-BIBLIA-COMPLETA-EM-MP3-Rio-de-Janeiro-1286287871.jpg

Tampouco a existência destes enormes animais demonstram-se contrária a Bíblia do qual comumente há relatos no Gêneses e que ainda assim a teoria que confirme o dilúvio demonstra no mínimo haver coerência. Escutei uma vez em Petrópolis, região serrana no Rio de Janeiro, dizerem que ao escavar numa construção encontrou conchas marítimas indicando que provavelmente o nível do mar havia em algum momento alcançou a região serrana do Rio. Não dei fé no que foi dito, mas certa vez no quintal de casa em Petrópolis encontrei por acaso uma pequena concha. Se fora lá jogada, não sei (mesmo que não negue a possibilidade), mas não era tampouco o tipo de concha usada em jogos de búzios o que justificaria, por exemplo. Estava sob a terra e parecia estar ali a um bom tempo. Igualmente esqueletos de baleias foram encontrados mesmo nas montanhas do Himalaia, e muito terra a dentro como em Minnesota, Estados Unidos. Vale-se lembrar que a arca estaria localizada sobre o monte Ararat no leste da Turquia e que teria sido encontrada pelos pesquisadores americanos Bob Gorbe e Chuck Rarron graças a um degelo por um verão excepcionalmente quente. Ela teria forma quadrada e estaria há 4.400 metros de altura. No entanto qualquer expedição é impedida ao local por ficar entre a fronteira de diversos países normalmente em crise diplomática entre si. Os eventos que parecem corrobar tal idéia parte de diversos pontos do mundo onde o escritor cristão Paulo Cesar Lima no livro os Temas mais importantes da Bíblia relata que "em Malta, foi descoberta, uma fissura na qual, juntamente com os restos heterogêneos, foram descobertos também enormes blocos de pedra que só poderiam ter sido levados para lá pela atuação violenta de água. Em Agate Springs, Nebraska, foi feita uma descoberta semelhante em 1876."

"A evidência que hoje possuímos, com base na geologia, é que as espécies animais vieram à existência subitamente, e completamente perfeitas." Le Conte - Universidade da Califórnia.

No entanto, o falecido arqueólogo cristão Ron Wyatt diz ter encontrado o que acreditava ser vestígios da Arca de Noé fossilizado nas mediações de Ararat, em Dogubeyazit, na Turquia. Ao analisar elementos das supostas ligas deste material que teria moldado a forma do “barco” no local isolado, se percebeu que “continha 8,08% de ferro, 11,55% de óxido férrico, 11,45% de alumina e 6,6% de alumínio”. Apesar de fartamente registrado em vídeo e por fotos em diversas expedições o sítio arqueólogo terminou sem uma explicação conclusiva, do qual Ron Wyatt teria sido vítima até mesmo de campanhas de desmoralização pelos jornais locais e de seqüestros de um dos grupos de expedição. A estranheza deste caso apenas demonstra curiosamente a pretensa de se esconder e desqualificar possíveis achados relacionados o que contraditoriamente o torna mais valioso. É interessante observar, no entanto, que o fato destes materiais serem encontrados fossilizados, demonstra que ou o caso é muito mais antigo que o aparente, ou nosso conhecimento sobre a datação de carbono e geologia é limitada, no mínimo. Não obstante, vários personagens parece protagonizar versões diferentes do dilúvio bíblico cuja durança sempre é em torno de 40 a 60 dias demonstrando que tal evento realmente parece ter sido global, não uma mera cheia como alguns especulam. Na Índia temos o sobrevivente Baisbasbata do Maabárata, nas lendas babilônicas temos Utnapistin, no México temos Coxcox que sobreviveu com uma jangada de cipreste e Tezpi de civilização igualmente mexicana antiga, enquanto no Irã encontramos Yma e Bochica da Colômbia de acordo com lendas Chibchas. Mesmo no Brasil este um antecedente guarani, o Tamandaré que sobreviveu a cheia sobre um espesso tronco de árvore. Talvez nem todos tenha sido dizimados pelo dilúvio o que faria sentido e permetiria que tais relatos paralelos apenas confirmassem tal evento.

Trecho de ‘Pensadores Cristãos’ de Gerson Avillez – 2012®

Querem conhecer o universo de Gerson Avillez? Curtam a página do Filoversismo no Facebook: www.facebook.com/Filoversismo


Gerson Avillez

Fotógrafo e homem da prática de letras nas horas vagas, teólogo e pedagogo por formação, filósofo autodidata e por vocação. Descendente direto do Tenente-General Jorge Avillez, portador da Síndrome de Aspeger, trabalhou em eventos culturais nas Lonas Culturais no Rio (2002) onde produziu e fotografou, tendo fotos publicadas em jornais do Rio de Janeiro. Posteriormente trabalhou na Rede Globo como fiscal de figuração pela agência MMCDI especialmente na novela Avenida Brasil (2012). Membro votante do Plano Estadual do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas do Rio de Janeiro, membro número 1017 do CLFC (Clube de Leitores de Ficção Científica) e da Sal (Sociedade de Artes de São Gonçalo), tendo escrito artigos para a Revista Somnium, teve contos selecionados e publicados na Revista Litera, Primeiro Capítulo e é autor de destaque da Obvious Mag. Finalista de diversos concursos literários, tem 21 livros escritos e dois publicados, 'Adormecidos' (2011 - Ryoki Produções) e 'Síndrome Celestial' (2013 - Editora Multifoco).Convido-os a curtir minha página no facebook: www.facebook.com/Filoversismo.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// //Gerson Avillez