esquina do Óbvio

Porque a genialidade está à esquina do óbvio

Gerson Avillez

Fotógrafo e homem da prática de letras nas horas vagas, teólogo e pedagogo por formação, filósofo autodidata e por vocação. Descendente direto do Tenente-General Jorge Avillez, portador da Síndrome de Aspeger, trabalhou em eventos culturais nas Lonas Culturais no Rio (2002) onde produziu e fotografou, tendo fotos publicadas em jornais do Rio de Janeiro. Posteriormente trabalhou na Rede Globo como fiscal de figuração pela agência MMCDI especialmente na novela Avenida Brasil (2012). Membro votante do Plano Estadual do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas do Rio de Janeiro, membro número 1017 do CLFC (Clube de Leitores de Ficção Científica) e da Sal (Sociedade de Artes de São Gonçalo), tendo escrito artigos para a Revista Somnium, teve contos selecionados e publicados na Revista Litera, Primeiro Capítulo e é autor de destaque da Obvious Mag. Finalista de diversos concursos literários, tem 21 livros escritos e dois publicados, 'Adormecidos' (2011 - Ryoki Produções) e 'Síndrome Celestial' (2013 - Editora Multifoco).Convido-os a curtir minha página no facebook: www.facebook.com/Filoversismo

O Espaço-tempo surgindo do emaranhamento quântico

Muitos cientistas adeptos do modelo convencional de dimensões não aceitam a ideia de que uma dimensão possa se comportar como onda, mas apenas dilatar-se, porém, cada vez mais teorias científicas tem levantando a hipótese de que mesmo o espaço possa ser constituído por átomos assim como num estudo liderado por Jennifer Lin das universidades de Chicago e de Tóquio e publicado em junho de 2015 afirma que o espaço e o tempo podem emergir do emaranhamento quântico o que pode unificar as teorias da mecânica quântica a relatividade geral de Einstein, modelo de postulado filosófico que busca a Teoria do Tempo Ressoante Ondular.


Muitos cientistas adeptos do modelo convencional de dimensões não aceitam a ideia de que uma dimensão possa se comportar como onda, mas apenas dilatar-se, porém, cada vez mais teorias científicas tem levantando a hipótese de que mesmo o espaço possa ser constituído por átomos assim como num estudo liderado por Jennifer Lin das universidades de Chicago e de Tóquio e publicado em junho de 2015 afirma que o espaço e o tempo podem emergir do emaranhamento quântico o que pode unificar as teorias da mecânica quântica a relatividade geral de Einstein, modelo de postulado filosófico que busca a Teoria do Tempo Ressoante Ondular.

quantum-entanglement.png O emaranhamento quântico que consiste na descrição polarizada de partículas não independente prova que ao alterar o spin de uma partícula altera-se outro a distância numa "ação fantasmagórica a distância", conforme Einstein postulava ironicamente.

Para Lin esse entrelaçamento quântico gera as dimensões adicionais da teoria gravitacional fortalecimento o "Princípio Holográfico" como a emergência de uma terceira dimensão surge do volume de duas dimensões da superfície. Isso levou a usar apenas a teoria quântica que exclui a gravidade para explicar e calcular a densidade de energia como fonte de interações gravitacionais permitindo interpretar propriedades universais do entrelaçamento quântico "Nosso artigo lança uma nova luz sobre a relação entre o entrelaçamento quântico e a estrutura microscópica do espaço-tempo através de cálculos explícitos. A interface entre a gravidade quântica [o trabalho dos físicos] e ciência da informação [o trabalho dos matemáticos] está-se tornando cada vez mais importante para ambos os campos," disse o professor Hirosi Ooguri, orientador do trabalho.

A emergência de sistemas complexos parecem indicar um caminho similar ao do aumento da entropia no universo, mas onde cruza a teoria da informação com a física? Aparentemente não possuem relação a não ser por uma palavra: flutuações. O aumento da entropia naturalmente cresce o número de flutuações, de variáveis em sistemas de modo a torna-lo não somente mais instável como produz mais informações indicando uma intuitiva relação antropológica entre a natureza humana e a física e essa interseção chama-se caos, o que nos leva a teoria do caos e fenômenos como o efeito borboleta, curiosamente isso aparente ter um impacto sobre o próprio tempo em feedback em vista que o caos tem mais poder de atuação através do tempo criando pontos sem sincronicidade, uma traduz ao tempo e caos justamente do entrelaçamento quântico. Ora, o entrelaçamento quântico é uma força motriz cientificamente comprovada a prover algum tipo de sincronicidade universal.

Não poderíamos porém confundir os relatos de dejá vùs comuns com a compreensão de memórias cruzadas de dimensões paralelas ainda que muitas vezes estas poderiam ser perfeitamente definidas desse modo a representar eventuais sensíveis cruzamentos dimensionais imperceptíveis a olho nu a não ser por sensações muitas vezes subjetivas.

Ainda que estudos recentes demonstrem que a sensação de Deja vi esteja relacionada ao cansaço e falha de memórias seu teor temporal que sugere repetição de padrões de eventos alimentam a ficção que levanta hipóteses. Em Matrix ela está relacionada a mudanças e alterações na Matrix manifestação pela representação repetida de um gato, isso poderia ser traduzido como alterações em nossa realidade como um contraponto metafórico? No contexto intemporal compreendemos que mesmo dentro do campo Schuman há representações o qual sua alteração seria capaz de alterar não somente a percepção como mesmo o fisiológico tornando o corpo humano susceptível a doenças, algo observado em orbita da Terra. Mas então projetos negros como da HAARP e Blue Bean não teriam a pretensa não somente de alterar o clima mas campos igualmente magnéticos e sim, a percepção coletiva humana!

Compreendemos que pela relatividade esse contraponto mesmo os satélites precisam atualizar a defasagem de tempo com a Terra por uma discrepância temporal o que somente torna possível a maior precisão nos GPS. Mas assim como hipotéticos projetos negros como Philadelfia e Mounteak poderia oferecer percepções distorcidas de tempo ou distorções propriamente de tempo como observando em alguns casos do Triangulo das Bermudas? Ideias como a de um 'Tempus Fugit' são levantadas neste caso.

A relação é delicada porém coerente com a ideia de que a manifestação da variações no campo magnético apenas são pertinentes a movimentação da massa de um corpo, ou seja de sensíveis alterações gravitacionais e consequentemente temporais em sua dilatação prevista por Einstein.

Mas como poderíamos notar tais diferenças temporais estando dentro do próprio tempo alterado? Deja vú, pois sendo de fora do tempo terreno um segundo terreno possa ser seis segundos, para nós continuará um segundo apenas, isso ocorreria por ausência de sincronicidade temporal entre um e outro.

A exemplo do dia 30 de junho que ganhou um segundo a mais, e essa sutil diferença o qual chegou a conclusão por sofisticados cálculos que levaram em conta a movimentação da massa do movimento dos oceanos, rotação e mesmo movimento tectônico indica que alterações maiores podem ocorrer além das orbitas terrestre apresentando um eco de ressonância desse tempo ao ondular de volta para nós?

A hipótese pode soar complexa, talvez o é, porém, a possibilidade de um eco temporal ainda que minimo trata desse modo como uma ausência de sincronicidade temporal entre a percepção do um segundo terreno a mais, e a variação externa desse o que demonstrada por uma defasagem como indicação de uma sutil alteração em nossa realidade terrena de modo que a ideia de Matrix se faria legítima, como se esse tempo ressoasse de volta pela falha de sincronicidade temporal e perceptivelmente a cérebros mais sensíveis.

Sobretudo isso seria mais um indicio a favor de que o tempo, ao contrário do postulado pro Einstein, ele não dilata, mas ondula ressoando a fomentar padrões síncronos ou sem sincronicidade que cria esses efeitos que vistos de dentro de nosso tempo são praticamente impossíveis de se compreender e mensurar com exatidão, a causa e assim normalmente atribuídas ao cansaço humano.

Creio que mesmo inversões magnéticas são equivalentes de uma movimentação de massa capaz de alterar essa "bolha de tempo" que é a Terra de maneira que seria mais comprovada por sensíveis observações ao comportamento da mesma gravidade e mesmo da medição das defasagem da luz do Sol ao chegar a Terra. Efeitos mínimo, mas com resultados sensíveis a pessoas sensíveis. Para conhecer melhor minhas teorias adquira já seu exemplar do livro 'Os Infinitos Tons da Eternidade' clicando aqui.

Bibliografia: Locality of Gravitational Systems from Entanglement of Conformal Field Theories Jennifer Lin, Matilde Marcolli, Hirosi Ooguri, Bogdan Stoica Physical Review Letters Vol.: 114, 22160 DOI: 10.1103/PhysRevLett.114.221601

Trecho adaptado do livro 'Onde As Borboletas Dormem'.


Gerson Avillez

Fotógrafo e homem da prática de letras nas horas vagas, teólogo e pedagogo por formação, filósofo autodidata e por vocação. Descendente direto do Tenente-General Jorge Avillez, portador da Síndrome de Aspeger, trabalhou em eventos culturais nas Lonas Culturais no Rio (2002) onde produziu e fotografou, tendo fotos publicadas em jornais do Rio de Janeiro. Posteriormente trabalhou na Rede Globo como fiscal de figuração pela agência MMCDI especialmente na novela Avenida Brasil (2012). Membro votante do Plano Estadual do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas do Rio de Janeiro, membro número 1017 do CLFC (Clube de Leitores de Ficção Científica) e da Sal (Sociedade de Artes de São Gonçalo), tendo escrito artigos para a Revista Somnium, teve contos selecionados e publicados na Revista Litera, Primeiro Capítulo e é autor de destaque da Obvious Mag. Finalista de diversos concursos literários, tem 21 livros escritos e dois publicados, 'Adormecidos' (2011 - Ryoki Produções) e 'Síndrome Celestial' (2013 - Editora Multifoco).Convido-os a curtir minha página no facebook: www.facebook.com/Filoversismo.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/geral// //Gerson Avillez