esquina do Óbvio

Porque a genialidade está à esquina do óbvio

Gerson Avillez

Fotógrafo e homem da prática de letras nas horas vagas, teólogo e pedagogo por formação, filósofo autodidata e por vocação. Descendente direto do Tenente-General Jorge Avillez, portador da Síndrome de Aspeger, trabalhou em eventos culturais nas Lonas Culturais no Rio (2002) onde produziu e fotografou, tendo fotos publicadas em jornais do Rio de Janeiro. Posteriormente trabalhou na Rede Globo como fiscal de figuração pela agência MMCDI especialmente na novela Avenida Brasil (2012). Membro votante do Plano Estadual do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas do Rio de Janeiro, membro número 1017 do CLFC (Clube de Leitores de Ficção Científica) e da Sal (Sociedade de Artes de São Gonçalo), tendo escrito artigos para a Revista Somnium, teve contos selecionados e publicados na Revista Litera, Primeiro Capítulo e é autor de destaque da Obvious Mag. Finalista de diversos concursos literários, tem 21 livros escritos e dois publicados, 'Adormecidos' (2011 - Ryoki Produções) e 'Síndrome Celestial' (2013 - Editora Multifoco).Convido-os a curtir minha página no facebook: www.facebook.com/Filoversismo

Os Livros Mais Maléficos

Todos sabemos que livros não matam, mas muitas vezes as ideias neles contidas levam à mortes, revoluções, e até em genocídios. Por isso, esse artigo examinará os livros os quais as ideias aparentam mais instigar o ódio e a violência. Textos os quais o conteúdo infame argumenta justificativas de superioridade e aniquilação do inimigo, assim como os livros que serviram de motivo para matar milhares, ou - como o caso do livro de Hitler - milhões.


Em tempos medievais, a igreja católica listava uma série de livros considerados hereges e, consequentemente, proibia-os de serem publicados. Não bastando a dificuldade da literatura na época em que boa parte da população era analfabeta, assim como o domínio de exclusividade sobre a bíblia, podemos identificar os livros que são verdadeiramente de ideias cruéis, e não somente responsáveis por mortes - como a própria bíblia foi em domínio dos poderosos - mas que levaram do antissemitismo à ideias de tortura e conspirações globais insidiosas.

A seguir, a lista de alguns desses livros dentro dos quais alguns são proibidos até mesmo no Brasil, como Os Protocolos dos Sábios de Sião. Todavia, muitos podem ser objetos de estudo hoje e até mesmo de culto. Nota-se que mesmo o Novo Testamento bíblico, que traz a mensagem de amor e misericórdia de Jesus Cristo, não impediu com que a inquisição ocorresse onde judeus eram obrigados a se converter e mudar seus nomes para não serem mortos - pois consideravam eles culpados pela morte de Jesus - e mesmo as cruzadas.

Part-DV-DV2192561-1-1-0.jpg

Mein Kampf (Minha Luta) - Adolf Hitler

Antes de subir ao poder em 1933, Adolf Hitler fora preso por traição. Lá na prisão, ele escreveu um robusto livro no qual, com contornos biográficos, traçou todos os moldes da ideologia final do regime nazista e, especificamente, de seu governo. Dito por alguns como mal escrito, o livro destila todo racismo e antissemitismo, assim como as arrogantes prerrogativas de superioridade do povo alemão e suas elites. Recentemente, os direitos autorais do livro expiraram após 70 anos da morte do autor, o infame ditador Adolf Hitler, de modo que editoras planejam seu lançamento com comentários de historiadores e estudiosos. O livro até hoje é referência do cânon neonazista como sua bíblia particular, o qual similarmente ao satanismo proclama a vitória dos fortes e o extermínio dos fracos.

1912ed_TheProtocols_by_Nilus.jpg

Os Protocolos dos Sábios de Sião - Anônimo

Os infames protocolos, não tão diferente do livro de Hitler, proclamava o domínio insidiosamente ditatorial dos judeus e maçons sobre o mundo, onde roubo de propriedades, mortes e conspirações serviriam de meio para alcançar o poder. Muito se fala, até hoje, sobre esse documento e sua veracidade, o qual teria sido forjado numa assembleia em Basileia, no ano de 1898.

Muitos historiadores, no entanto, afirmam se tratar de uma fraude elaborada para justificar o antissemitismo crescente na época - tanto que o documento fora usado pelo próprio nazismo para perseguir judeus - baseado de forma plagiada de sátiras políticas de Serge Nilus ou Serguei Nilus como o livro "O diálogo no Inferno entre Maquiavel e Montesquieu". O fato, porém, é que algumas afirmações parecem uma assombração no imaginário popular.

Até hoje nunca se soube ao certo quem era seu autor ou autores, mas boatos afirmam que quando o Czar Nicolau II da Rússia tomou ciência dele, ele teria dito ser "demasiado tarde". O livro é proibido em inúmeros países, inclusive no Brasil.

Malleus Maleficarum (O Martelo das Feiticeiras) - Heinrich Kramer e Jacob Sprenger

Encomendado pelo Vaticano no período medieval esse livro extremamente machista e sexista numa primeira instância ensina como inquirir bruxas legalmente - mediante os decretos da época - assim como identifica-las em seus casos de possessão sabidamente preferencialmente entre mulheres. Mas a seguir dá detalhes de torturas de exorcismo e inúmeras referências de práticas sexuais com demônios chamados incubus e sucubus. Tudo levava aos tribunais da inquisição o qual o inquirido era obrigado a confessar para ter perdão, perdia todos seus bens e quem o defendesse também. Bem sabido que atualmente a igreja católica pediu perdão pelos seus equívocos do passado - incluindo esse -, mas esse livro serve de exemplo de um tempo atroz onde o fanatismo não se discernia da lei.

livro_biblia_satanica.jpg

A Bíblia Satânica - Anton LaVey

The Satanic Bible escrita em 1969 por Anton LaVey contém uma seleção de ensaios, pensamentos e rituais de magia. Muito mau afamado o líder do satanismo e fundador da Igreja de Satanás teria até mesmo cometido crimes num culto a favor da sexualidade promíscua, ao egoísmo e ao ódio. Há trechos onde de modo antagonista ao heroísmo ele proclama maldição aos que julgam fracos onde afirma que esses terão um jugo sobre si. O infame livro é conhecido pela subversão e sentimentos e desejos que podem culminar e agressão, quando um livro entre outras coisas proclama a mentira entre outras coisas - o próprio LaVey se proclamou charlatão - como pode se confiar quando dizem que não o são de verdade? Abaixo alguns trechos:

"Abençoados são os poderosos, pois eles serão reverenciados no meio dos homens - Amaldiçoados são os débeis, pois eles serão destruídos!"

"são aqueles que ensinam mentiras por verdades e verdades por mentiras, pois eles são uma abominação!"

"Abençoados são os vitoriosos, pois a vitória é a base do direito".

"Abençoado é o homem que tem poucos inimigos, pois eles farão dele um herói - Amaldiçoados é o que faz o bem aos outros que o escarnecem em retorno, pois ele será desprezado!"

Tem mais algum livro que queira adicionar a lista? Deixe nos comentários!


Gerson Avillez

Fotógrafo e homem da prática de letras nas horas vagas, teólogo e pedagogo por formação, filósofo autodidata e por vocação. Descendente direto do Tenente-General Jorge Avillez, portador da Síndrome de Aspeger, trabalhou em eventos culturais nas Lonas Culturais no Rio (2002) onde produziu e fotografou, tendo fotos publicadas em jornais do Rio de Janeiro. Posteriormente trabalhou na Rede Globo como fiscal de figuração pela agência MMCDI especialmente na novela Avenida Brasil (2012). Membro votante do Plano Estadual do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas do Rio de Janeiro, membro número 1017 do CLFC (Clube de Leitores de Ficção Científica) e da Sal (Sociedade de Artes de São Gonçalo), tendo escrito artigos para a Revista Somnium, teve contos selecionados e publicados na Revista Litera, Primeiro Capítulo e é autor de destaque da Obvious Mag. Finalista de diversos concursos literários, tem 21 livros escritos e dois publicados, 'Adormecidos' (2011 - Ryoki Produções) e 'Síndrome Celestial' (2013 - Editora Multifoco).Convido-os a curtir minha página no facebook: www.facebook.com/Filoversismo.
Saiba como escrever na obvious.
version 6/s/literatura// @obvious, @obvioushp //Gerson Avillez