esquina do Óbvio

Porque a genialidade está à esquina do óbvio

Gerson Avillez

Fotógrafo, autor, teólogo, filósofo e pedagogo por formação. Portador da Síndrome de Aspeger com superdotação (Qi 163), trabalhou em eventos culturais nas Lonas Culturais no Rio (2002) onde produziu e fotografou, com fotos publicadas em jornais cariocas. Posteriormente trabalhou na Globo como fiscal de figuração pela agência MMCDI na novela Avenida Brasil (2012). Membro votante do Plano Estadual do Livro, Leitura,Literatura e Bibliotecas do Rio de Janeiro, membro do CLFC (Clube de Leitores de Ficção Científica) e da Sal (Sociedade de Artes de São Gonçalo), escreveu artigos para a Revista Somnium, teve 35 contos selecionados e publicados na Revista Litera Livre, site Maldohorror, Primeiro Capítulo, Conexão Literatura, Creepypasta Brasil nas antologias Arte do Terror, Mirage, Nemephile, assim como autor da semana com artigos de destaque na Obvious Mag. Finalista de diversos concursos literários. Tem 27 livros escritos e dois publicados, 'Adormecidos' (2011 - Ryoki Produções) e 'Síndrome Celestial' (2013 - Ed. Multifoco). Convido-os a curtir minha página no facebook: www.facebook.com/Filoversismo

Pademia Covid-19: A Ignorância e Discriminação em Tempos de Crise

Só há uma doença pior que a da atual pandemia do covid-19, a ignorância e medo. O potencial viral dessa moléstia pode ser tão letal quando a própria doença, pois há de manifesta-la de igual modo!


A ignorância parece obedecer à ciclos que alimentam e são alimentadas por crimes ao se potencializarem gradualmente em proporção a intensidade de desespero e pânico ao relegar pessoas mal informadas ou coagidas aos instintos primitivos de animais lutando pela sobrevivência. A peste negra conflagrada pela doença bubônica é uma prova histórica clara disso, o segundo maior massacre de judeus fora nesse período sob alegação de que eles transmitiam a doença e aumentavam o risco da população. Massacre que perdeu apenas para o holocausto nazista que envolveu também deficientes, negros e rivais de mesmo nível moral. As ideias de ambas eram embasadas em pseudociências e crenças fanáticas para supostamente resolver um problema vindo a se tornar o próprio problema.

mor.jpg

O fato é que no geral mesmo que os judeus não fossem promíscuos ou promovessem a peste bubônica os ignorantes do povo acreditavam que seria castigo de Deus por causa do fato deles terem matado Jesus, quando curiosamente isso que levou os judeus séculos a matarem judeus. A ignorância assim se repete em ciclos sem embasamento das memórias na busca pouco objetiva de soluções viáveis e legais para determinado problema. Basicamente a ignorância se trata da subversão do preceito dos medicamentos ao combater sintomas, não a causa como o verdadeiro medicamento faz.

Na cidade onde moro prova esse exemplo, ainda que até o presente dia (20 de março) a doença não tenha efetivamente dado as caras a demonstrar um nível de prevenção mínimo e aprazível sabemos que logo alguém de fora trará, cedo ou tarde. No entanto, ainda no início da chegada da doença no Brasil boatos se espalharam afirmando que haviam dois doentes infectados internados sendo uma fake news absurda.

simanca.jpg

Compreendemos que quando há um telefone sem fio as informação se distorcem suavemente, mas ainda que deturpada as vezes apresentam algum fato de origem razoável ainda que digno de verificação e comprovação. No entanto, quando algo sem a menor plausibilidade surge pode apenas denotar intencionalidade de promover o desespero. Assim ainda que prove que meus hábitos não tornam todos suscetíveis ao mesmo (vivo isolado há anos), alguns até mesmo buscaram associar eu sendo autista sem práticas promiscuas e tendo bronquite (como duplamente vulnerável) como um agente de risco a pandemia. O problema é que a ignorância ante o pânico toma proporções de fervor fanático de crença tornando a vítima de discriminação em para-raios de suas frustrações, incapacidades, inaptidões e temores espirituais de seus próprios pecados.

O coração dessa gente condena a si mesmas. Quem se entrega aos instintos do desespero e medo se torna presa fácil da desinformação e mentiras, talvez por medo de seus próprios atos condenáveis. A doença é real e letal, mas a ignorância também tem o mesmo potencial de letalidade que qualquer doença. O ódio e o medo também são literalmente virais.

neilima.jpg

Inventar e se deixar levar por hipóteses insanas sem menor prova como a pandemia ser para abafar os males do 5g, que Bill Gates criou o vírus, que o covid-19 veio do espaço alienígena, que um livro que nunca existiu de 1981 previu o surgimento dele não ajudam em nada. Pensem no absurdo de alguém invadir a mansão de Bill Gates para mata-lo sob tais alegações? Mesmo se houvessem provas conclusivas contra quem quer que fosse isso caberia as autoridades competentes a sana-las não a vontade desesperada, pois o medo e ódio tornam a todos tolos. A ignorância não é visão, mas cegueira quando associada ao medo e ódio. Saber de algo perigoso como essa pandemia não significa que sermos igualmente perigosos tornará tudo mais seguro, pois apenas serão parte do problema com potencial de letalidade comparável com a própria doença! Não sejam doença, sejam cura!

Não me matem, pois isso não dá imunidade a ninguém!


Gerson Avillez

Fotógrafo, autor, teólogo, filósofo e pedagogo por formação. Portador da Síndrome de Aspeger com superdotação (Qi 163), trabalhou em eventos culturais nas Lonas Culturais no Rio (2002) onde produziu e fotografou, com fotos publicadas em jornais cariocas. Posteriormente trabalhou na Globo como fiscal de figuração pela agência MMCDI na novela Avenida Brasil (2012). Membro votante do Plano Estadual do Livro, Leitura,Literatura e Bibliotecas do Rio de Janeiro, membro do CLFC (Clube de Leitores de Ficção Científica) e da Sal (Sociedade de Artes de São Gonçalo), escreveu artigos para a Revista Somnium, teve 35 contos selecionados e publicados na Revista Litera Livre, site Maldohorror, Primeiro Capítulo, Conexão Literatura, Creepypasta Brasil nas antologias Arte do Terror, Mirage, Nemephile, assim como autor da semana com artigos de destaque na Obvious Mag. Finalista de diversos concursos literários. Tem 27 livros escritos e dois publicados, 'Adormecidos' (2011 - Ryoki Produções) e 'Síndrome Celestial' (2013 - Ed. Multifoco). Convido-os a curtir minha página no facebook: www.facebook.com/Filoversismo.
Saiba como escrever na obvious.
version 4/s/sociedade// @obvious, @obvioushp //Gerson Avillez