esquina do Óbvio

Porque a genialidade está à esquina do óbvio

William Fontana

Pseudônimo literário do novelista, contista e ensaista Gerson Machado de Avillez, fotógrafo, teólogo, filósofo e pedagogo por formação. Portador da autismo com dupla excepcionalidade (superdotado), trabalhou em eventos culturais nas Lonas Culturais no Rio (2002) onde produziu e fotografou, com fotos publicadas em jornais cariocas e em diversos sites. Posteriormente trabalhou na Globo como fiscal de figuração pela agência MMCDI na novela Avenida Brasil (2012). Membro votante do Plano Estadual do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas do Rio de Janeiro, membro do CLFC (Clube de Leitores de Ficção Científica), Academia Internacional de Literatura Brasileira número 408, UBE (União Brasileira de Escritores), Academia Independente de Letras (Ordem Scriptorium) e da Sal (Sociedade de Artes de São Gonçalo), escreveu artigos para a Revista Somnium, teve mais de 50 contos selecionados e publicados na Revista Litera, site Maldohorror, Primeiro Capítulo, Site CLFC, Conexão Literatura, Revista Literomancia, Creepypasta Brasil e nas antologias Arte do Terror: História e Apocalipse, Mirage, Nemephile, assim como autor da semana com artigos de destaque na Obvious Mag e Louge. Autor de teorias filosóficas sobre o tempo e o Ethos, finalista de diversos concursos literários, tendo os contos 'O Poço' (2017) e ‘Inominável do Além’ (2018), 'Império de Tendor' (2019) e 'Assassino do 7' (2020) selecionados como um dos melhores de seus respectivos anos pela revisa Litera Livre. Tem 35 livros escritos e dois publicados, 'Adormecidos' (2011 - Ryoki Produções), 'Síndrome Celestial' (2013 - Ed. Multifoco) e 'O Império do Tempo' (2021).

Quem Vigia os Vigilantes

A frase em latim atribuída a Juvenal na Roma antiga antecedia em milhares de anos as críticas a regimes opressores e tirânicos como os criticados por George Orwell donde o 'Grande Irmão' de 1984 advém o termo orweliano.


Quis custodiet ipsos custodes?

images (1).jpeg

A frase em latim atribuída a Juvenal na Roma antiga antecedia em milhares de anos as críticas a regimes opressores e tirânicos como os criticados por George Orwell donde o 'Grande Irmão' de 1984 advém o termo orweliano.

Da independência dos três poderes, conselhos de ética aos departamentos de corregedoria expressam em tese um sistema que deveria depor o autocrata ou despótico, o que não ocorre no aparelhamento e tendencioso ante a ausência de isenção e transparência dos próprios que deveriam zelar pelo governo e povo.

Porém, quem julgará os vencedores? Quem controlará os poderosos?

20210820_030809.jpg

Quando os vigilantes não são vigiados o policiamento se torna voyeurismo pelo mero doentio e informação privilegida. O que ambiciona o corretivo em constante coerção não aceitando ser corrigido se torna protegido, não protetor.

Não protege, apenas age como opressor. Logo, a torre de vigia torna os cidadãos em encarcerados do panótico a pretexto da eterna suspeita orweliana.

A falta de (auto)regulação destes leva, não por menos, ao problema do mal. De Hannah Arent e sua alegada "banalidade do mal" ao "Efeito Lúcifer" de Philip Zimbardo parecem confirmar o ditado popular de que: "quer conhecer o homem, dê poder a ele."


William Fontana

Pseudônimo literário do novelista, contista e ensaista Gerson Machado de Avillez, fotógrafo, teólogo, filósofo e pedagogo por formação. Portador da autismo com dupla excepcionalidade (superdotado), trabalhou em eventos culturais nas Lonas Culturais no Rio (2002) onde produziu e fotografou, com fotos publicadas em jornais cariocas e em diversos sites. Posteriormente trabalhou na Globo como fiscal de figuração pela agência MMCDI na novela Avenida Brasil (2012). Membro votante do Plano Estadual do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas do Rio de Janeiro, membro do CLFC (Clube de Leitores de Ficção Científica), Academia Internacional de Literatura Brasileira número 408, UBE (União Brasileira de Escritores), Academia Independente de Letras (Ordem Scriptorium) e da Sal (Sociedade de Artes de São Gonçalo), escreveu artigos para a Revista Somnium, teve mais de 50 contos selecionados e publicados na Revista Litera, site Maldohorror, Primeiro Capítulo, Site CLFC, Conexão Literatura, Revista Literomancia, Creepypasta Brasil e nas antologias Arte do Terror: História e Apocalipse, Mirage, Nemephile, assim como autor da semana com artigos de destaque na Obvious Mag e Louge. Autor de teorias filosóficas sobre o tempo e o Ethos, finalista de diversos concursos literários, tendo os contos 'O Poço' (2017) e ‘Inominável do Além’ (2018), 'Império de Tendor' (2019) e 'Assassino do 7' (2020) selecionados como um dos melhores de seus respectivos anos pela revisa Litera Livre. Tem 35 livros escritos e dois publicados, 'Adormecidos' (2011 - Ryoki Produções), 'Síndrome Celestial' (2013 - Ed. Multifoco) e 'O Império do Tempo' (2021)..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// //William Fontana