Natany Pinheiro

Não há pessoa nesse mundo que me entenda. E eu, pra contrariar, entendo tanto de todos, que prefiro me distanciar. Escrevo para organizar meus anseios, minhas angústias. Escrevo para trair minha própria afirmação, na esperança de um dia ser entendida.

PEQUENO SEGREDO: um amor maior que a vida

Uma história de vida que durou o suficiente para encantar e virar um livro/filme.

A história de Kat começa bem antes de seu nascimento. Ela já existia na paixão de seu pai neozelandês e sua mãe maranhense. E mais, ela já fazia parte dos sonhos da família Schurmann, que rodam o mundo velejando, mas que encontraram uma nova experiência para viver ao lado da pequena garota.

O livro escrito pela matriarca da família – Heloísa Schurmman, é mais do que um relato literário. É a descrição de um amor incondicional e de uma luta velada contra uma doença devastadora e incurável. 

Kat não tinha culpa de possuir o vírus HIV, sua mãe e seu pai também não, aliás, ninguém tem. Mas teve que carregar esse fardo durante 14 anos, ainda que só tenha ficado sabendo da enfermidade nos últimos meses de vida. Ela tinha dificuldades para andar, atraso no crescimento e sofreu alguns preconceitos. 

Mas a história não é sobre suas limitações, e sim sobre como o amor e o cuidado transforma vidas. Kat viveu o que muitos adultos nunca vão viver, teve experiências incríveis em alto mar e conheceu dezenas de países. Fez parte das aventuras do Schurmman e ensinou a todos a seu redor o que é felicidade. 

Entre remédios, exames, enjoos e questionamentos, Kat guardava em seu diário todas as suas experiências de uma garota comum, que tinha amigas, preguiça de ir pra escola, brincava com seu labrador e queria sempre respostas. Esses relatos foram colocados no livro com a escrita exata da Kat, até as gírias de pré-adolescente. 

Mas contrariando o significado de diário, Kat não gostava de seu segredo. Assim que ficou sabendo de sua doença, aos 13 anos, quis revelar a todos, por entender que isso não mudaria nada em sua vida. Combinou com sua mãe a revelação em seu aniversário de 14 anos, que por desejo do destino e de sua doença, não chegou. 

A leitura vale a pena por abordar uma linda história real de amor, família, esperança e alegria.


Natany Pinheiro

Não há pessoa nesse mundo que me entenda. E eu, pra contrariar, entendo tanto de todos, que prefiro me distanciar. Escrevo para organizar meus anseios, minhas angústias. Escrevo para trair minha própria afirmação, na esperança de um dia ser entendida. .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/literatura// @obvious, @obvioushp //Natany Pinheiro