fabíola simões

Estou nas palavras, mas estou, sobretudo, nas entrelinhas...

Fabíola Simões

Fabíola Simões não é jornalista nem publicitária, mas desde menina adora bordar histórias. Dentista por formação e profissão, inventa enredos no blog "A Soma de todos os Afetos" www.asomadetodosafetos.com
No facebook: ASomaDeTodosOsAfetos
No instagram: @asomadetodosafetos

  • paisagem3.jpg
    Carta ao Tempo

    O tempo é relativo, dirão os físicos. Pra mim tem se tornado escasso onde quero demorar-me. E escolhi demorar-me no cheiro de canela, nas páginas de Phillip Roth, no cafezinho cara a cara com minha mãe, nos lençóis com meu marido, na bola rolando despretensiosa com meu filho...

  • tumblr_mfriuzpbPg1ryi54eo1_500.jpg
    Você é maior do que você pensa

    Que você experimente o amor que vem de si mesmo, independente do que te disseram ou fizeram acreditar. Que você encontre paz ao reconhecer suas novas marcas, cicatrizes de um tempo que foi vivido, e que se alegre se elas ainda não chegaram. Que você faça as pazes com seu cabelo e não omita sua natureza. Que você cuide de seus dentes, e preste atenção à sua saúde. Que descanse quando houver cansaço e dance quando houver música.

  • tumblr_lkg14ogakl1qfni25o1_500_large.jpg
    Carta à introspectiva que me habita

    É você, minha introspecção, que me dá chão. Que me permite olhar para os problemas e com calma acreditar que há uma solução. Que me resguarda dos riscos supérfluos e ensina que a vida é feita de ciclos necessários. Que me autoriza a estar quieta mesmo quando a existência grita pedindo alguma resposta. Que ampara minha individualidade no meio de tanta gente padronizada e clonada.

  • foto (29).JPG
    De onde vem a calma

    O fato é que preciso de calma. Preciso desta mercadoria rara que não se vende em farmácias nem está disponível em qualquer site descolado. Mais do que o precioso tempo, preciso reaprender a me acalmar.

  • tumblr_ly296wzYIZ1qjbeazo1_500.jpg
    "Que o amor nos salve da vida"

    Alguns amores nos salvam da vida. Por resgatarem quem somos depois que partes de nós mesmos são deixadas pelo caminho. Por fazerem de nossas cicatrizes parte de suas estruturas também. Por acolherem nossa história com delicadeza, transformando o que era imperfeito numa nova possibilidade. Por permitirem o encontro com a esperança, o cortejo com a fé. Por dividirem as angústias do existir, permitindo que nossos fantasmas sejam lapidados, nunca enterrados.

  • foto (33).JPG
    Farinhas do mesmo saco

    Quero ser farinha do mesmo saco de quem mora longe, mas se faz sempre perto, e não deixa a saudade distanciar. De quem cuida da amizade com vontade de estar presente, sem correr o risco de que o tempo apazigue a memória do que sempre queremos lembrar...

  • foto (32).JPG
    A gente tem que continuar...

    A gente tem que continuar mesmo depois que o arroz queima, a água seca, o vinho entorna. A gente continua depois de descobrir que os defeitos pioram com a idade e as qualidades viram hábito no dia a dia. A gente tem que continuar depois do luto, da partida, da despedida. das horas frias, do caminho incerto. A gente continua e aprende a cantar "apesar de você, amanhã há de ser outro dia..." para o amor que não deu certo, para as falhas recorrentes. para nós mesmos que nem sempre somos aqueles que gostaríamos de ser. Apesar de nós mesmos, de nossas fissuras e desencantos, a gente tem que continuar...

  • foto (28).JPG
    O importante não é a casa onde moramos. Mas onde, em nós, a casa mora

    Mia Couto tem razão. Já não importa mais a casa onde morei. Importa sim, a casa dentro de mim. Sabendo que vou me lapidando a partir do que existe, mas também daquilo que vivi e deixei partir. Entendendo que minha fachada não é somente o reboco visível, mas sim muitos outros alicerces imperceptíveis aos olhos. Descobrindo que também abrigo palavras não ditas, caminhos não escolhidos, sonhos não realizados. Aceitando a vida como ela é, cheia de acertos e imperfeições, percalços e contradições, desafios e realizações...

  • amor 6.jpg
    O Tempo da Delicadeza

    Permanecer na estabilidade diante das provações do tempo é aceitar o amor como um emaranhado de angústias, intimidade e gentilezas. É compreender a contradição que existe no que gera prazer e dor. É ser paciente com o tempo de esperas, em que o amor atravessa o deserto do tédio e da rotina. É acreditar que ainda há o que se esperar mesmo quando esgotaram-se todas as possibilidades.

  • download.jpg
    O Sal da Terra

    Descobrir o que nos move nesse mundo tão cheio de desafios é aceitar a contradição que cerca a condição humana; a mesma contradição que possibilita extrair arte de momentos de desesperança, vazio e horror.

  • foto (6).PNG
    O leite só ferve quando você sai de perto

    Sobre as expectativas que criamos, esperando que as coisas aconteçam no nosso tempo. A vida _como o leite_ não está nem aí pra sua pressa, pro seu momento, pra sua decisão. Por isso você tem que aprender a confiar. A relaxar. A tolerar as demoras. A i.g.n.o.r.a.r...

  • foto (20).JPG
    As mãos de minha mãe

    Obrigada mãe, por não tentar esconder o traçado de suas mãos. Por não querer disfarçar os sinais de um tempo que se desenrolou cheio de promessas e desfechos nem sempre fiéis ao que se esperava deles. Por me mostrar que a vida nos aproximou como meninas crescidas, e hoje posso me preocupar com você tanto quanto você se preocupa comigo.
    Obrigada por me ensinar a não censurar o que o tempo traz sem o nosso consentimento, perdoando as marcas que não podemos controlar, reagindo com alegria aos dias que nem sempre são só bons.
    Acima de tudo, por me dar a mão e mostrar que nossos sinais são resquícios de uma vida que se viveu _ intensa e plenamente.

  • foto (17).JPG
    Carta para Coraline

    Por isso, não tenha medo de romper a fronteira daquilo que lhe parece seguro. Siga pela estrada de tijolos amarelos e quem sabe, além do arco-íris, encontre a si mesma mais amadurecida e feliz, Coraline.

  • foto (11).JPG
    Wi Fi: Fidelidade sem fio

    Lealdade é não precisar solicitar conexão. É conectar-se sem demora, reservas ou desconfianças. É compartilhar a senha da própria vida, com tudo de bom e ruim que lhe coube até aqui.

  • foto (4).JPG
    Caminhos

    Sobre as escolhas e batalhas que travamos intimamente, decidindo dia a dia como desejamos habitar nossa própria história.

Site Meter