fábulas do mundo esquecido

Das artes da simplicidade aos mistérios da verdade

Gustavo Padilha

"- Que ousadia é esta de questionar uma verdade tão dita por muitos, por que de tanto absurdo?
- Ora, as respostas mudam a cada tempo. Tola é a pessoa que vive em uma verdade tão clássica e intocável quanto uma moderna de hediondas pesquisas e teorias".

Da necessidade de fuga da realidade: a música e a arte

Quem hoje sai de casa rumo a seus destinos cotidianos sem fone de ouvido? Ou mesmo com um livro na mochila para qualquer ocasião? Digo melhor, quem não escuta música na agonia do dia-dia? As vezes a melhor opção é estar em outro lugar do que vivenciar a realidade brotar.


Gustavo Padilha - Da necessidade de fuga da realidade 04.jpg

"Se a música tem, portanto, um número maior de amantes do que a poesia, ou a arquitectura, ou a escultura, tal não se deve ao facto se ser mais espiritual, como se costuma dizer, mas sim devido ao facto contrário: é mais sensual." Vitaliano Brancati

Deixarei no artigo algumas músicas que tentei relacionar sobre o poder da música em nossas vidas. Uma mistura de Lorde & Florence, mesmo aqueles que não conhecem ou ainda não ouviram, vale apena cair nessa curiosidade com chocantes músicas que essas duas mulheres "impactam o mundo" com a intensidade de suas vozes.

Passamos os dias testemunhando os problemas, as injustiças, a combinação de esquecimento humano e do governo sobre as próprias pessoas, nem os animais são lembrados, ou as vezes, tratados melhor do que um ser humano. Sempre foi complicado julgar e dizer: quem é superior a quem? Quem merece mais? Quem é mais importante?

Mesmo não querendo, parece um processo automático nosso julgar e classificar as pessoas, dizer quem merece mais, o que deve ser reconsiderado, o que deve ter mais oportunidades. É duvidoso e errado, pois o que serão dos outros? As pessoas que não fazem parte da sua vida não são tão importantes quanto nossos conhecidos? Amigos? Familiares? Tens o direito de julgar a si mesmo?

Gustavo Padilha - Da necessidade de fuga da realidade 03.jpg

Nesses tempos difíceis, difíceis para os sonhadores, é impossível não encontrar uma forma de passar pela realidade sem ser controlado por ela. A música tens esse poder, ela consegue tirar-lhe de um lugar e move-lo a outro, uma mudança temporária. Muitas pessoas acabam não encontrando esta alternativa de “tentar esquecer” e procuram outras formas parecidas, ou mais fortes, como exemplo do uso de drogas. Não é necessário uma atitude tão consequente se nós temos a verdadeira arte sentimental e temporal. A música, os livros, os filmes, as pinturas. Já encontrou o seu modo de fuga?

Gustavo Padilha - Da necessidade de fuga da realidade 01.png Cena: Amélie Poulain (Audrey Tautou) - O Fabuloso Destino de Amélie Poulain (Le fabuleux destin d'Amélie Poulain), 2001

Os sentimentos e os pensamentos podem tornar tudo reverso, a tudo desabar. Acreditar que podemos decair a qualquer instante, ou que não conseguiremos resistir a tudo. Viver hoje é suportar e aceitar as imperfeições, os pouco certos e os muito errados, testemunhar atrocidades e não poder mudar, simplesmente deixar como está.

Gustavo Padilha - Da necessidade de fuga da realidade 02.jpg

Nestes cenários hediondos, o que nos resta é passar despercebido. Aprendemos a aceitar as coisas como são e como estão, tudo isso varia da idade, da profissão, do conhecimento, do governo. Não é fácil ter a ideia de que tudo que deveria ser feito deve ser deixado de lado. É como um policial não poder investigar, ou reabrir um caso passado com a verdade não mostrada. As consequências podem ser catastróficas, e assim nos privamos do que algo de ruim aconteça com a única coisa que temos, ou das poucas coisas que podemos contar.

Gustavo Padilha - Da necessidade de fuga da realidade 05.jpg

Gostaria de poder ter esperanças, ou acreditar que o certo, que a justiça, que a bondade prevaleça do mal. A história foi mal contada, os tempos estão mudando, padecendo a cada minuto. Por que não somos capazes de mudar as coisas? Podemos trocar nossa vida pela dos outros? Desculpe Florence, mas os dias de cão não acabaram.


Gustavo Padilha

"- Que ousadia é esta de questionar uma verdade tão dita por muitos, por que de tanto absurdo? - Ora, as respostas mudam a cada tempo. Tola é a pessoa que vive em uma verdade tão clássica e intocável quanto uma moderna de hediondas pesquisas e teorias"..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/musica// @destaque, @obvious //Gustavo Padilha