flor no asfalto

textos pra furar o tédio, o nojo e o ódio

Carol Lobo

.entre tanto entretantos, colhendo palavras, em cada esquina,furando asfaltos, desconstruindo a vida.

Uma aprendizagem: Amar é... Ser

Clarice Lispector ensina a aprender. Quem se arrisca?


clarice-lispector.jpg

, abraços partidos, beijos emprestados, mãos espalmadas tornam-se espanto, e o riso de ontem é a lágrima trágica de hoje. Assim os relacionamentos modernos acabam, líquidos escorrendo entre os dedos. Mas não, isso não é um texto de análise sobre o amor contemporâneo, nem uma crítica aos relacionamentos da pós-modernidade. Esse é um relato apaixonado sobre aprendizagem, ou melhor, Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres, de Clarice Lispector.

Mais do que um romance sobre o encontro com a cara-metade, a alma gêmea ou qualquer propaganda enganosa dessas, é uma narrativa sobre a espera, o autoconhecimento, a iniciação naquilo que talvez seja a procura de toda uma vida: o amor. Não importa tanto o “encontrar” e sim a “aprendizagem” experimentada vertiginosamente durante a busca. Engraçado porque eu percebo um desespero das pessoas em encontrar o amor, como se isso fosse resolver todas as faltas e buracos existenciais, quando o mais prazeroso, para Clarice e para Lóri (a personagem em formação), é a aventura da busca, para encontrar-se consigo mesmo em face do outro.

E é para realizar esse encontro que Clarice inverte a história da Odisseia clássica e coloca Ulisses (o personagem mitológico transformado em simples homem) à espera de Lóri. Sim, é ela quem faz uma viagem ao mais profundo de si mesma, para se conhecer, se amar, ter consciência de Ser para ser ao lado de outra pessoa. Essa aprendizagem é que a coloca em contato consigo, compreendendo-se e amando-se intensamente para, então, olhar e enxergar o amor no outro.

penelope.jpg

O amor, portanto, começa em cada um para depois encontrar-se no e com o outro. Difícil empreitada para aqueles que acreditam que amar é apenas gostar do outro, com força, pra sempre e blábláblá, que a vida só faz sentido com a presença do ser amado, que essa pessoa é a inspiração de toda uma existência… Não. Repito: O coração tem que se apresentar Sozinho diante do nada. É amando-se sozinho, flertando com a solidão, que podemos então dá-la de presente a alguém. Temos que aprender a ficar sozinhos e a ouvir o silêncio, afinal “o coração bate ao reconhecê-lo: pois ele é o de dentro da gente.”

Ainda perguntam para que serve Literatura? Para aprender a ser. E aqui aprender a aprender. Lóri sabe que sua busca não é fácil. Como ser o que se é? Ela não quer cair nos braços de Ulisses antes de conhecer os seus limites como mulher e como ser humano. E, quando se encontra consigo mesma e com o amor, ainda assim, sua história não termina com ponto final. Ela já começou com vírgulas – pois cada um viveu seu antes, seus pedaços de pequenas histórias -, e termina com dois pontos, ou seja, os caminhos de Lóri e Ulisses encontraram-se e chegaram ao fim, o que, para Clarice, é a porta de um começo.

Amor é isso:


Carol Lobo

.entre tanto entretantos, colhendo palavras, em cada esquina,furando asfaltos, desconstruindo a vida. .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/geral// @destaque, @obvious //Carol Lobo