folhetim

Leituras e literaturas, salpicadas de música e poesia, submersas em crítica e opinião.

Alexia G. Alves

Ler, reler, revisar, emocionar, escrever, chorar, rir: vida minha!

O imã de Chico

Assim como uma música pode grudar na sua cabeça e, vez ou outra, se pode cantá-la de forma inconsciente, Budapeste prende o leitor nas suas 176 páginas e deixa uma marca profunda e inesquecível: a literatura contemporânea.


Chico_Buarque.jpg Com certeza só podemos analisar um período e suas obras com certo distanciamento, mas há quem arrisque a criticar uma obra da contemporaneidade. As críticas de Budapeste foram excelentes, mas quem criticaria negativamente Chico Buarque?

A obra de Buarque prende o leitor numa leitura fascinante, na dificuldade de inferências de significado no caótico jogo de espelhos que deixa o leitor sedento pelo conhecimento do restante da história e seu estilo.

A linguagem sedutora de Buarque pesca o leitor pela mente, assim como muitas de suas músicas. As encantadoras palavras envolvem o leitor para finalmente deixá-lo preso em sua armadilha linguística. Num estilo completamente contemporâneo de parágrafos longuíssimos e descrição em forma de diário, o famoso cantor/autor não deixa pontas soltas em sua obra, prende seu romance de forma circular, contínua: o começo é o fim e o fim é começo.

Budapeste 2.jpg

O protagonista está envolvido em um jogo de claro-escuro, no qual se vê entre duas mulheres, dois idiomas, dois países, dois “filhos”... Buarque coloca-se na posição de espectador de si próprio e seus delírios.

Apreciar Budapeste fica fácil quando se entende sua não lógica literária, seu sucesso se opõe à coletânea de contos reunidos em Geração Zero Zero – Fricções em Rede (2011), organizada por Nelson de Oliveira, na qual é possível lermos diversos contos de autores da contemporaneidade, mas sem charme de Budapeste, sem a vertigem de Chico, sem sermos sugados desde a primeira linha por uma prosa madura de construção engenhosa. O estilo de Chico nos prende como um verdadeiro imã, que se mantém preso por quem o lê como uma música do inconsciente.

Budapeste ganhou elogios de José Saramago, Caetano Veloso, Luís Fernando Veríssimo. Mas afinal, quem contestaria sua obra premiada?

Chico Buarque 3.jpg


Alexia G. Alves

Ler, reler, revisar, emocionar, escrever, chorar, rir: vida minha!.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/// @destaque, @obvious //Alexia G. Alves