fran bubniak

Fotografia, cinema, literatura e o que mais der na telha

Fran Bubniak

Curitibana que não gosta de frio, fotógrafa que não sai bem em foto nenhuma e jornalista que odeia o lead. Olé

Porque achei 50 tons de cinza uma droga

Ok, o assunto é velho, mas é que ontem finalmente vi o filme "50 tons de cinza", e comecei a repensar tudo que me veio à cabeça enquanto eu lia cada um dos três livros.


Li os três livros este ano, por causa de uma amiga, que me emprestou os volumes. Não consigo ler livros que estão na modinha. Não sei o que me dá, mas se todo mundo está falando daquele assunto, automaticamente me desinteresso. Não compraria 50 tons, e por isso, até hoje nunca li O Código Da Vinci. Não é que eu não leia best-sellers, é que quando eles estão em alta não acho graça.

brinco-50-tons-de-cinza-algemas-461001-MLB20252319943_022015-O.jpg

Mas o assunto não é esse. Ontem, vendo o filme, comecei a repensar tudo que me veio à cabeça enquanto eu lia cada um dos três livros.

Ok, E. L. James escreve de uma maneira tão amarradinha que a gente morre de vontade de ler o próximo capítulo, porque quer saber logo o que vai acontecer. E ela ainda faz um pequeno spoiler no final de cada livro, o que faz a gente querer emendar um livro no outro.

Mas... sério que existem pessoas que se sentem confortáveis quando o parceiro decide tudo, escolhe tudo e manda na vida delas? É isso que é um romance?

Me coloquei no lugar de Anastasia Steele em várias situações, e fiquei imaginando alguém me dizendo o tempo todo: "você não pode beber isso", "você não pode usar essas roupas", "eu mandei fulano vender o seu carro", "vou te dar uns tapas porque você não me contou que estava planejando visitar sua mãe", "você não pode comer essas coisas", "você tem que estar aqui de sexta a domingo", "você não pode ver seu amigo fulano porque eu não gosto dele", "blá blá blá", "sou eu que mando". Como é que alguém pode viver assim?

Será que alguém pode amar uma pessoa que toma sua liberdade? Que transforma sua vida de tal modo que decide o que você veste, come, pensa, quem vê? Será que um amor que controla sua vida vale a pena? Será que o dinheiro/padrão de vida envolvido nessa história vale a pena? Será que isso não é um relacionamento abusivo?

Não entendi porque a trama causou tanto frisson na mulherada. Será que a maioria delas se imaginaria num relacionamento desses? Sem liberdade, e ainda por cima com umas pancadas? Além disso, no que se refere às "cenas" eróticas, garanto que os livros da coleção Sabrina que eu lia quando era adolescente eram bem mais apimentados que 50 tons!

E assim vou reiterando minha mania de ser do contra. Mas é que, realmente, não sou obrigada!


Fran Bubniak

Curitibana que não gosta de frio, fotógrafa que não sai bem em foto nenhuma e jornalista que odeia o lead. Olé.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 1/s/literatura// //Fran Bubniak