grand café

Dialogos com cinema e outras artes...

Larissa Mota Calixto

Escritora que adora jazz, folk, dias chuvosos, conversas interessantes e cinema.

  • 12443119_1050161595025709_329599855_n.jpg
    Doce sinestesia gelada

    Você já parou para comer e apreciar cada pecadinho da sua comida hoje?

  • visitor10.jpg
    Por um mundo mais humano e sem rótulos

    O longa-metragem The visitor, de Thomas McCarthy, nos leva a refletir sobre estereótipos que criamos acerca de pessoas e culturas. Até que ponto o nosso medo do desconhecido nos protege e até que ponto ele agride mais pessoas além de nós mesmos?

  • GraffitiAfeganistão15.jpg
    Clamamos por transgressores que tornem o mundo mais humano!

    Segundo Simone de Beauvoir, no livro o Segundo Sexo, a mulher tem sido posta na categoria do outro. O homem tem representado o ponto positivo e o neutro, a ponto de usarmos a palavra “homens” quando queremos nos referir aos seres humanos como um todo. A mulher então aparece como o ponto negativo, de modo que toda determinação lhe é imputada como limitação, sem reciprocidade.

  • Kasamatsu_Shiro-Ikebana-02-08-18-2007-8979-x2000.jpg
    E por que não falar das flores?

    “Na realidade, observar as flores é tão importante quanto observar a vida em sua plenitude, e o contato do homem com os animais é tão relevante como o contato com as flores.” — O zen na arte da cerimonia das flores, Gusty L. Herrigel. Neste artigo proponho mostrar a poesia e sabedoria por trás da arte japonesa do Ikebana.

  • 3.jpg
    Uma questão de sonhos engavetados

    Ano novo vida nova! Para o primeiro texto do ano, que tal não falar de filmes ou música e fazer diferente? Falar de nós mesmo. Ou melhor, sobre nossos sonhos que foram engavetados em 2014.

  • 12.jpg
    Anônimo ele, Anônimo você, Anônimo eu, Anônimo nós...

    O espetáculo Anônimo faz um retrato do homem contemporâneo, representando o cotidiano de um personagem solitário e atônito dentro de seu mundo impessoal no qual apenas uma plantinha lhe despertava algum sentimento. Ela era sua única companhia, o único ser vivo no mundo frio e sombrio que o cercava, ou seja, seu único elo com a vida.

  • ae.jpg
    Carpe Diem

    “Carpe diem is my favourite philosophy. It literally means living the moment and enjoying life. That's exactly what I try to do when I take my photos”. (Carpe Diem é a minha filosofia favorita. Pois trata-se de viver cada momento e apreciar a vida. É exatamente isso que tento fazer quando tiro minhas fotos)- Anastasia Mezhevich– fotógrafa Bielorussa

  • Amour-2.jpg
    Amor: uma reflexão profunda e minimalista

    O filme Amor, do diretor Michael Haneke, traz um retrato realista e minimalista de um sentimento raro nos dias de hoje. Sentimento esse que supera o tempo e seus obstáculos, quando verdadeiro. O longa é uma verdadeira reflexão acerca do amor maduro.

  • marigoldmovie.jpg
    O exótico hotel Marigold e os novos conceitos acerca da terceira idade

    Terceira idade. O que você pensa sobre ela? Bom, não há como negar que de modo geral, essa fase é vista como infeliz, pois o fim da vida parece iminente. Mas, felizmente filmes como O exótico hotel Marigold, vem para nos mostrar que essa visão é muito limitada e chegou a hora de se reelaborá-la.

  • 8LosReciclados.jpg
    Violinos e violoncelos de metais

    “Se os governos investirem em educação, até o lixo serve!” - Flávio Chávez

  • sacre_du_printemps-624x451.jpg
    O maior escândalo da história da dança

    Há cerca de cem anos um dançarino resolveu arriscar e criar uma coreografia, que entrou para história como o espetáculo mais tumultuado da história da dança, um verdadeiro escândalo. Ali os primeiros passos rumo à dança contemporânea foram dados.

  • 970668_302457423222061_350509616_n.jpg
    Yeti, um duo inovador de post-rock

    Na terra do maracatu, capital do frevo nasce uma banda de post-rock. O Yeti ganha espaço criando uma música original com influência da música inglesa.

  • 1005604_10151797556563132_618366123_n.jpg
    A criativa pluralidade sonora entre portugueses, ingleses e móveis de acaju

    Entre histórias e estórias, Móveis Coloniais de Acaju, hoje com quinze anos de carreira, acabou de lançar o seu terceiro álbum o De lá até aqui e reafirma sua pluralidade.

  • olhar surdo 1.png
    Cinema e inclusão

    A palavra é inclusão. A inclusão deveria ser a palavra de ordem da nossa sociedade que é cheia de novidades, estímulos e manifestações artísticas, embora não para todos. Como um cego e um surdo podem assistir a um filme ou a uma peça teatral? Vocês já se perguntaram? Será que é justo tais pessoas não terem acesso à beleza da arte por terem necessidades diferentes das nossas? Pensando nisso, Rafael Coelho e Claudia Moraes criaram uma oficina de cinema voltada para surdos, nascendo daí três curtas-metragens.

  • 1185368_331024900368122_1254993592_n.jpg
    Para sempre teu o mais intimo dos meus eus...

    "Percebo que não temos conversado tanto, e fico me perguntando quando exatamente parei de me saber? Será que sabemos essa exata hora em que, na ânsia de nos vermos tão misturados, complementados pelo outro (essa suposta ‘metade’ de nós que decidimos acreditar como sendo o que nos falta para sermos inteiros), não percebemos que estamos nos desintegrando de nós mesmos? É apego que, em si, é a maior das traições ao sonho assumido em pacto. ‘Ai, quero eu, os sentimentos vastos não tem nome’. Desabei e me vi em completa paralisia externa. Comecei uma trilha para tão longe de mim mesmo(...)"(Trecho retirado do programa do espetáculo, texto de Renata Pimentel, onde vem citado trechos de: A alma imoral, obra de Nilton Bonder; e A obscena senhora D., obra de Hilda Hilst.)