haraquiri sertanejo

Viver é negócio muito perigoso. ( Grande sertão: veredas de João Guimarães Rosa)

Kleyson Matos

Estudante de Psicologia, nordestino, brasileiro, trabalhador, escritor ama-dor, poeta de esquina. Tentou gritar, mas a maioria era surda, quem não era já morreu.

Os Parangolés de Oiticica

De Repente você olha, mas não é mais espectador. A obra se confunde com o sujeito que antes estaticamente observava e que agora veste, bamboleia, dança, chora e ri com cores e texturas.
“Só quero saber do que pode dar certo. Não tenho tempo a perder” trecho da música GO BACK – Torquato Neto.


Uma bandeira que se movimenta com a dança do corpo, pedaço de pano multisensorial, estandarte que se utiliza de um corpo para sobrevivência, corpo que necessita de uma capa expressiva, performance e obra em forma de asa delta, isso tudo remete aos Parangolés de Hélio Oiticica. parangoles-helio-oticica-vai-vai-400x290.jpg sambistas da escola de samba Vai Vai (SP) usando parangoles Hélio Oiticica (nascido no Rio de Janeiro, 26 de julho de 1937 — faleceu no Rio de Janeiro, 22 de março de 1980) foi um artista brasileiro que trouxe novas formas de expressão para a arte realizada no país, caracterizado pelo experimentalismo, o performático e a superação do padrão artístico burguês. cult_helioiticica.jpg O artista Helio Oiticica, em foto de 1979 Foto: Arquivo O Globo No ano de 1959, fundou o Grupo Neoconcreto, ao lado de artistas como Lygia Clark, Amilcar de Castro, Lygia Pape e Franz Weissmann. O Grupo Neoconcreto surgiu das dissidências presentes no movimento de arte concreta brasileira, o neoconcretismo criticaria o concretismo pela sua postura “dogmática” e desligada das causas sociais. A criação do Parangolé surgiu na década de 60, através do contato que Oiticica teve com o samba e o seu ritmo contagiante. O samba para o artista era uma livre expressão, uma desinibição intelectual, “lucidez expressiva da imanência” como ele se referia. 2962214785_59b5c9ec81.jpg Incorporo a revolta - Helio Oiticica O Parangolé é uma espécie de capa que se veste, com textos, fotos, cores e que serve como uma Obra-ação-multisensorial. Referindo-se a sua obra Hélio Oiticica diz – “o objetivo é dar ao público a chance de deixar de ser público espectador, de fora, para participante na atividade criadora”. O Parangolé é “anti-arte por excelência”, não se pode ir numa exposição de Parangolés, o espectador veste a obra e a obra ganha vida através dele, é capacidade de auto-criação, de expansão das sensações e rompimento. Hélio Oiticica também foi responsável pela criação da palavra Tropicália – que se referia a uma de suas obras presentes na exposição Nova Objetividade Brasileira, em abril de 1967 – a partir desse momento a palavra seria utilizada por diversos artistas para referenciar o modo de fazer suas criações tropicalistas. jorgeben1969.jpg tropicalismo na obra do artista Albery “Quando criei a minha obra-ambiente TROPICÁLIA(1966-67), duas coisas queria, de modo objetivo: uma era sintetizar tudo o que vinha fazendo há tempos no sentido se uma arte-ambiental(ou antiarte, como queiram), outra era marcar, com o conceito de tropicália, um novo modo objetivo de caracterizar certos elementos na manifestação atual da arte brasileira, que se possam erguer como figura autônoma, não-cosmopolita, opondo-se num novo modo ao Op e Pop internacionais (ver entrevistas no Jornal do Comércio, 21-5-67 e 16-7-67)” , nos diz Hélio. Tropicalia-1-original.jpg Tropicália (Tropicália, Brasil, 2011). Marcelo Machado Hélio Oiticica trouxe contribuições profundas à arte contemporânea brasileira, reinventando a figura do artista, permitindo um dilatamento das experiências artísticas do sujeito e a confiabilidade dada às novas linguagens. Referindo-se a construção dos Parangolés, o poeta carioca Waly Salomão fala que – “é o processo criativo total que é ativado impedindo o fetichismo coagulador da obra feita”.


Kleyson Matos

Estudante de Psicologia, nordestino, brasileiro, trabalhador, escritor ama-dor, poeta de esquina. Tentou gritar, mas a maioria era surda, quem não era já morreu..
Saiba como escrever na obvious.
version 26/s/// @destaque, @obvious //Kleyson Matos