Vinicius Siqueira

Fascista desde criancinha

Boyhood e a primazia da técnica sobre o conteúdo

O que significa um filme em que os atores são os mesmos e representam os mesmo personagens? Talvez a tecnologia esteja tomando conta da nossa imaginação.


Boyhood é o símbolo da sociedade tecnológica. É um sinal de uma sociedade tecnofílica e que se baseia em operações técnicas, em uma lógica de AàB e num mundo mecânico. O filme é bacana e tudo bem. O problema é a sua aclamação.

boyhood1.jpg

Esta obra é o sinal de que não importa o conteúdo, não importa a história, não importa o roteiro: o que importa é a técnica. Uma tendência observável está na própria análise fílmica. De onde veio a preferência por análises formalistas? Onde foram parar as análises estruturalistas, sociológicas e psicanalíticas?

Pode-se dizer que é mais fácil fazer uma análise formalista, mas eu digo que não: também são análises detalhadas. O que faz de algo fácil é a prática, a familiaridade e etc. Mas por que é tão mais comum (e mais fácil) realizar uma análise formalista? Porque estamos imerso em uma sociedade que já é própria para a técnica em detrimento do conteúdo. Do significante em detrimento do significado. Da operação lógica em detrimento da interpretação.

É por isso que o “revolucionário” Boyhood se situa como um aviso, quase como uma prova incontestável. O que vale é a capacidade de utilizar eficientemente os recursos técnicos e humanos. Afinal, devemos entender, acompanhar a vida de atores durante o passar do tempo para sincroniza-las com a vida dos personagens é uma técnica relacionada com os recursos humanos.

boyhood.jpg

É aqui que o humano é máquina. Não há mais atores que interpretam personagens. O personagem deixa de ter sua característica, já que a característica peculiar é do ator, ou seja, é o corpo do ator que dá vida ao personagem e não o contrário. O personagem não é mais aquele ser fluido que pode ser interpretado por qualquer ator que seja capaz de dar conta de suas características. Não basta a interpretação, agora é necessário ter similitude.

A imaginação do espectador perde a vez, já que agora ele pode sentir que está em um mundo seguro, em que o ator se confunde com o personagem. Não precisa mais imaginar o que é o personagem, pois no mundo da racionalidade técnica o personagem é aquilo que o ator expressa: é seu corpo.


Vinicius Siqueira

Fascista desde criancinha .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/Cinema// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Vinicius Siqueira