horizonte distante

cinema, música e tudo aquilo que se pode avistar

Guilherme Moreira Jr.

Um inquieto sobre o viver e o estar. No cinema, na música ou em qualquer outra janela. Cidadão do mundo com raízes no Rio de Janeiro.

Demolidor: O homem de muitos medos

Crítica da 1ª Temporada da nova série do Netflix que expande o universo da Marvel para novos e promissores horizontes.


5439aaea946a5.0.jpgCharlie Cox como o advogado Matt "Daredevil" Murdock

Desde a primeira cena que antecede os créditos iniciais do programa, a série do Demolidor concebida pela Netflix em parceria com a Marvel, demonstra o abismo gigantesco de qualidade, caso reflitamos sobre a esquecível adaptação aos cinemas do filme homônimo protagonizado por Ben Affleck. Isso acontece simplesmente por questões de coesão e profissionalismo dos envolvidos, algo que a Casa das Ideias está conduzindo de forma surpreendente ao lado da Disney nos cinemas e na TV. O principal diferencial da nova leitura do anti-herói (que quanto à carga dramática assemelha-se ao Batman na DC) está em colocar o mesmo sob a perspectiva do real, do tangível.

O seriado disponível em toda a sua primeira temporada é totalmente sombrio e gráfico. A abertura da série é um deleite visual dos mais líricos e sublimes já vistos na mídia. Existe todo um cuidado e referências de encher os olhos de fãs e desconhecidos sobre a cânone do personagem. Seguindo adiante, o programa persiste em quase uma hora de duração durante cada um dos 13 episódios, realizando a síntese emocional e constituída dos seus vários protagonistas, adentrando diversas camadas de imenso peso como um todo. Na verdade, assistir Demolidor ou qualquer outro seriado do canal stream é como contemplar um filme inteiro ou parte dele, sem aquela sensação de vazio semanal do formato tradicional de grande parte das séries exibidas pelos canais a cabo.

Daredevil-on-Netflix.jpgUm anti-herói reinventado

Continuando no universo de Hell´s Kitchen, evidentemente existiram inúmeros easter eggs e ganchos para outras séries das quais a Marvel pretende adaptar no mesmo tempo-espaço (lembrando que Demolidor situa-se após os eventos de Os Vingadores), sem contar todo o legado proveniente das HQS, principalmente os arcos que deixaram o Demolidor sair do ostracismo dos quadrinhos pelas mãos de Frank Miller na década de 80, onde contam e muito para uma qualidade superior e resultante no sucesso de crítica e público.

marve_bts_002_h.jpgPor trás das câmeras

O show foi produzido e criado por Drew Goddard, nerd assumido e pupilo de ninguém menos que Joss Whedon, a mente por trás do sucesso dos Vingadores nos cinemas. Goddard teve entre os seus trabalhos, roteiros da série Buffy, Angel, Alias e Lost, além do filme baseado em imagens gravadas, Cloverfield. Goddard entendeu do universo do Demolidor e absorveu todos os nuances e complicações das personalidades e medos de Matt Murdock. É impressionante a carga dramática desenvolvida pelos personagens e em como os intensos diálogos, aliados a uma ambientação noir da série, contribuem igualmente através de um todo. Certas vezes, fica difícil imaginar que se trata da adaptação de um personagem das HQS.

2015_Kingpin.jpgO nêmesis de Murdock, Wilson Fisk

O elenco muito bem sincronizado e talentoso é outro ponto extremamente forte ao longo da jornada. Charlie Cox e cia simplesmente protagonizam um show à parte. Os mesmos exibem os medos reais de uma estrutura social e política condizentes da ambientação apresentada. Herói e vilão terminam por ser apenas conceitos ambíguos e a determinação dos atores e envolvidos no trabalho apenas demonstram o comprometimento de um estúdio que há pouco menos de 10 anos atrás começou a engolir o mercado de blockbusters nos cinemas e todas em outras mídias possíveis.

marve_nyc_033_h.jpgPainel de divulgação da série com parte do elenco principal

Obviamente, Demolidor não está isenta de erros. Ainda que a série seja realista, bruta, sanguinária, e visualmente angustiante, diversos clichês dos mais variados e a previsibilidade dos rumos dos principais arcos desenvolvidos durante a temporada são evidentes e nada que deixe o espectador completamente sem fôlego, mas quanto a forma e como são demonstradas, aí sim mergulham no cerne do nerd e do não nerd de tal forma que assistir cada episódio é uma experiência satisfatória e coerente.

aV3B3k3.jpgAção desenfreada e belas cenas de lutas

Portanto, a solução é curtir conforme possível e esperar, Jessica Jones, Luke Cage, Punho de Ferro e diversos outros personagens considerados “b” do estúdio para que culminem na minissérie Os Defensores, também a serem todos exibidos pelo Netflix. De fato, Demolidor é um homem de muitos medos, como todos os homens sem poderes, mas com sentimentos, erros, acertos e outras falhas e dons pertinentes ao ser humano. Sombrio. Humano. Luz e trevas.


Guilherme Moreira Jr.

Um inquieto sobre o viver e o estar. No cinema, na música ou em qualquer outra janela. Cidadão do mundo com raízes no Rio de Janeiro..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/cinema// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Guilherme Moreira Jr.