fabita

Jornalista, amante de literatura, cinema e filosofia

A voz calma e aveludada do rádio

Aos cinco anos, caixinhas de fósforo presas por um fio eram a sua maneira de se divertir e de se comunicar. Sessenta anos depois, a comunicação ainda é o seu mundo


mquinhos.jpg

Colaboração: Gesélio Catalan

No Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, celebrado em 3 de maio, o Jornal Sul Brasil encontrou uma figura que faz história nas ondas do rádio. Ivo Mendez, mais conhecido como Marquinhos, é um comunicador que teve o seu início ainda na Ditadura Militar, no ano de 1976. Além de comunicador/radialista, Marquinhos foi artista de circo, faz mapa astral, é inventor – tendo recebido o apelido de Professor Pardal –, cantor e eletrônico formado. De quando em quando, ele ainda sai pelas ruas de Chapecó vestido de palhaço, munido de seu violão italiano ornado de rosas.

Nascido “no dia em que a beleza entrou em férias”, como diz, em 11 de setembro de 1947, na cidade de Abelardo Luz (SC), aos cinco anos já se comunicava com os amigos à distância, por meio de caixinhas de fósforo presas por um fio. Ele não sabia que o rádio existia – só soube aos 11, 12 anos –, mas já conhecia a música. O apreço pela música o segue até hoje, já que Marquinhos é um grande admirador da música clássica, sentimental e italiana, sendo que o sertanejo de raiz tem um canto especial na sua vida. São músicas que ele busca no fundo do baú, surpreendendo ouvintes e colegas de profissão.

Em casa, Marquinhos guarda uma coleção de 800 discos de vinil e um Fusca 1976 – ano que marcou a sua estreia no rádio. Ao falar em carro, ele lembra de um acidente que quase tirou a sua vida e resume: “Nasci de novo”. Conhecido por ajudar as pessoas, Marquinhos acredita que é importante fazer o bem sem esperar recompensas. “A maior recompensa é ser feliz”, comenta. A voz calma e aveludada ainda ganha as ondas do rádio 37 anos depois, misturada às notícias que também compõem o seu “Show da Noite”.

Durante os quase 40 anos de rádio, Marquinhos já sentiu o poder da crítica e da incompreensão. Momentos em que o elogio não chegou, ferindo o que ele chama de “ego profissional”. “Tem sempre uns amigos da onça que não querem ver o seu triunfo e que invejam o seu carisma. Quando você recebe um ‘não’ como resposta, isso mancha o seu dia. Mas eu confio no meu talento e sempre digo: ‘se a sua estrela não brilha, não tente apagar a minha’”.

Nos tempos de ditadura, o comunicador diz que jogou limpo. “Sempre fui claro e agi sem medo das consequências. Já tratei de assuntos polêmicos, mas sempre com educação, agindo dentro da legalidade.” Na comunicação, trabalhou com televisão e também com jornal impresso, onde fazia reportagens, mas foi no rádio que encontrou o seu lugar ao sol. Ao longo dos 37 anos de rádio, percebeu o quanto a tecnologia mudou dentro e fora dos estúdios. Os discos de vinil e as fitas K7 deram lugar aos CDs e aos disquetes, que mais tarde foram também substituídos.

Aposentado, o comunicador não consegue se desvencilhar do rádio. “O rádio é a minha vida. É isso: o rádio, para mim, representa a vida.” O segredo para permanecer no ar por tanto tempo? “Carisma. O público gosta de alegria, gosta de quem sorri e de quem o faz sorrir. Isso, não tem dinheiro que pague.” A alegria o acompanha desde a sua estreia no rádio, quando apareceu em uma emissora, meio palhaço, meio cantor, para se apresentar para mais de 600 pessoas. “Eu não tinha um vozeirão, mas o dono do rádio gostou de mim e pediu para que eu voltasse.” Cantou músicas espanholas, pouco conhecidas pelo público chapecoense, e músicas italianas. Trinta e sete anos depois, Marquinhos ainda encanta milhares de ouvintes. “Não gosto de falar do meu trabalho; prefiro que as pessoas vejam (ou no caso ouçam) por si mesmas.”


fabita

Jornalista, amante de literatura, cinema e filosofia.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// //fabita