fabita

Jornalista, amante de literatura, cinema e filosofia

Para debater o Cyberbullying

Um assunto que parece subjetivo, mas é bem real para quem o vive


Cyberbully-Foto-6.png

Para muitas pessoas, o Cyberbulling é um assunto muito sério, principalmente para as vítimas adolescentes, em fase de afirmação. É um daqueles momentos da vida em que tudo ganha uma proporção imensa, em que a pessoa se sente muito só e não consegue ir em busca de soluções. Por este motivo, a presença dos pais é crucial, já que eles têm uma visão mais pragmática sobre os problemas.

Nos Estados Unidos da América, o Cyberbullying é um tema que recebeu o espaço adequado na sociedade, mas no Brasil pouco se fala. Também passei por algumas situações complicadas na internet, sendo alvo de gente empenhada em desmerecer a minha pessoa e o meu trabalho. Para mim, foi um golpe forte. Imagino para as crianças e adolescentes das escolas de hoje, que estão sempre tão conectadas, em uma fase da vida em que a opinião alheia é muito importante e difícil de esquecer quando ela é ofensiva.

Vou falar como uma idosa agora, mas é verdade: na minha época não tínhamos todo esse acesso. A agressão era mais direta. Agora, é comum as pessoas se esconderem atrás dos computadores para agredirem alguém. A internet é mesmo uma forma de expressão e é lamentável perceber o que as pessoas escondem atrás das máscaras.

Vi um filme chamado "Cyberbully", baseado em fatos, e me dei conta ainda mais sobre como esse tipo de agressão pode ser perigoso, resultando até mesmo em suicídio. É um bom filme para quem tem um pouco de amor ao próximo, para quem pensa em fazer algo de bom pela humanidade. Essas pessoas têm o dever de lutar contra o Cyberbullying, já que, quem pratica, comemora a cada novo espaço conquistado, a cada nova vítima feita.

É um assunto que deve ser mais discutido nas famílias, nas escolas, nas redações dos jornais e nas salas dos homens que fazem as leis. Pode parecer um assunto subjetivo demais para quem é alheio a este novo mundo, mas é bem real para quem passa por isso. Tão real que pode por a vida em risco, resultando em uma estatística generalista.


fabita

Jornalista, amante de literatura, cinema e filosofia.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// //fabita