imagens e letras

Diversidade Cultural

Olavo Saldanha

Escritor, poeta, escultor, fotógrafo e Designer, mas que ficou preso nos braços da odontologia. Tudo arte.

Lily (Lydia) Litvak

Lily (Lydia) Litvak, apesar de não ter o marketing da aviadora estadunidense Amélia Earhart, é considerada a mais famosa piloto feminino de todos os tempos.


Digna de estar entre os maiores nomes da aviação mundial, Litvak se estabeleceu num universo absolutamente masculino, com pouca idade e numa época em que o uso da força bélica era sinônimo de masculinidade e poder.

lilyalitvak-8x6.jpg

Isso se deve ao fato de Lily ter vivido intensamente os acontecimentos da segunda guerra mundial. Ela foi uma das 1.000 mulheres pilotos que se voluntariaram para a Força Aérea Vermelha durante a guerra. Lily era perfeita num universo dominado pelos homens, o da aviação bélica.

Ela pilotou com destreza durante a guerra e abateu, segundo narra a história, doze aviões alemães em batalhas aéreas, e essa proeza com apenas 22 anos. As conquistas a tornaram conhecida como a “Rosa Branca de Stalingrado” e foi condecorada pela coragem com que defendeu seu país.

Lidya Vladimirovna litvak nasceu em Moscou, Rússia, em 18 de agosto de 1921. Aos quinze anos fez seu primeiro voo solo. Quando começou a Segunda Guerra Mundial, decidiu se alistar. Com rosas brancas pintadas nas laterais de seu avião de combate, um Yak-1, foi um pesadelo para os pilotos alemães. Por causa desta fama de implacável, Lily foi, literalmente, caçada nos céus pelos nazistas que estavam decididos a ter sua vingança sobre esta mulher judia russa que havia derrotado os seus camaradas tantas vezes antes.

Na verdade, Lily litvak representou uma geração de mulheres destemidas. Como ela, centenas de mulheres foram integradas com os homens em unidades da aviação. Por exemplo, em 1944, milhares de meninas entraram na guerra como pilotos. Contrariaram as suspeitas e piadas masculinas com coragem e habilidade e obtiveram uma média inigualável. Ganharam ordens e medalhas e detiveram 29 títulos de Heroínas da União Soviética.

Amélia Earhart foi a primeira mulher a cruzar o atlântico num avião, no entanto, Lily Litvak, foi a primeira mulher piloto de caça a abater um avião inimigo e isso em plena guerra.

A história narra um fato interessante envolvendo Lily. O Sargento alemão Erwin Maier, teve seu avião abatido e se lançou de paraquedas, sendo capturado pelas tropas soviéticas. Ao pedir para ver o piloto russo que o tinha atingido, pensou que estava sendo alvo de uma piada quando foi levado para ficar frente a Lily Litvyak.

Os últimos registros contam que numa das mais insanas batalhas, a loirinha de tenra idade foi vista entre oito aeronaves alemãs, perseguindo e sendo perseguida. Após derrubar alguns caças inimigos, foi abatida. A Rússia chorou sua morte. Apesar de buscas intensas o corpo dela foi perdido por várias décadas.

Finalmente, em 1979, ela foi encontrada, enterrada abaixo da asa de sua aeronave. Durante o seu funeral oficial de Estado em maio de 1990, o Presidente Mikhail Gorbachev condecorou-a com Heroína da União Soviética, concedendo-lhe a “Order of Golden Star”. A saga de Lilya Litvak é a mais linda história da aviação mundial.

610x_ww2-wings-of-glory_-Lydia-Vladimirovna-Litvjak.jpg

litvak1.jpg

li.jpg

Modelo de avião idêntico aos derrubados por Lily Litvyak

Bundesarchiv_Bild_101I-345-0780-14A,_Frankreich,_abgestürztes_Flugzeug.jpg

g155525_u43500_lilya_name.jpg

yaklilya.jpg

Mulheres soviéticas que pilotaram na guerra

image004.jpg


Olavo Saldanha

Escritor, poeta, escultor, fotógrafo e Designer, mas que ficou preso nos braços da odontologia. Tudo arte..
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 1/s/// //Olavo Saldanha