insólito

Pequenos grandes eventos

Larissa Caramel

Esta que vos escreve não possui compromisso algum com a verdade alheia.

Insólito em livro à venda em:
https://www.chiadoeditora.com/livraria/insolito
Insólito está de casa nova: https://medium.com/series/ins%C3%B3lito-6c7ce0db7e56

Santaolalla e a sutileza

O compositor e grande instrumentista argentino redefine a composição de trilhas sonoras com uma delicadeza minimalista que é muitas vezes mais expressiva que o próprio enredo dos filmes aos quais dedica sua música.


gustavo_santaolalla.jpg

Gustavo Santaollala construiu sua carreira junto ao movimento do rock latino nos anos oitenta e desde então é um dos nomes mais expoentes no cenário musical de nossos vizinhos de língua espanhola, pouco explorado devido ao domínio da indústria cultural estadunidense.
Por trás dos holofotes nos últimos 20 anos, é conhecido atualmente por sua contribuição como compositor, produtor, vocalista e instrumentista no conjunto Bajofondo, formado por oito integrantes argentinos e uruguaios. Sua atuação mais expressiva fora dos palcos está relacionada à composição de trilhas sonoras, caminho que iniciou no final dos anos noventa e que já lhe rendeu duas premiações da academia pelos filmes "Brokeback Mountain" e "Babel".
O que caracteriza a trilha sonora de Santaolalla é a sutileza de suas composições, a inteligência com a qual encaixa pequenas melodias buscando um sentimento introspectivo, intensificado quando sobreposto aos minutos certos das histórias que acompanha. Uma vez familiar com a sonoridade, é impossível não reconhecer sua autoria mesmo antes do nome aparecer nos créditos dos filmes.

Segue uma pequena amostra do trabalho do compositor com intuito de convidar a uma visita aos filmes que refletem suas escolhas pela sempre presente parceria com talentos latinos, e também de provocar a curiosidade de quem lê para a riqueza da cena artística da América que existe além dos Estados Unidos.

Em “21 Grams”, drama do diretor Alejandro González Iñárritu, com Sean Penn e Naomi Watts, que fala sobre um acidente fatal que devasta uma família e ao mesmo tempo devolve a vida a um paciente terminal, Santaolalla transmite o peso da trama sem barulho, com melodias que nos transportam para um silêncio quase de luto.


Em “The Motorcycle Diaries”, filme de Walter Salles com Gael García Bernal sobre a famosa viagem de Ernesto Guevara antes de se tornar o famoso Che, Santaolalla resgata a essência da música regional, acompanhando cuidadosamente as maravilhas, utopias e dores da trama.


Em ”Babel”, último filme da trilogia de Iñárritu, com Brad Pitt e Cate Blanchett, onde histórias paralelas pontuam a fragilidade humana, Santaolalla provoca toda a sorte de sentimentos também mínimos, e ao mesmo tempo tão intensos, como sua música.


Por último, mas não menos relevante, a música “De Ushuaia a La Quiaca”, numa apresentação de Santaolalla com integrantes do Bajofondo.





Larissa Caramel

Esta que vos escreve não possui compromisso algum com a verdade alheia. Insólito em livro à venda em: https://www.chiadoeditora.com/livraria/insolito Insólito está de casa nova: https://medium.com/series/ins%C3%B3lito-6c7ce0db7e56.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/musica// @destaque, @obvious //Larissa Caramel