kaléidoscope

um olhar múltiplo sobre a arte & a vida

Patricia Smaniotto

Patricia Smaniotto é escritora, tradutora, jornalista. E antropóloga, maga, mãe. Um pouco de tudo vivido, cinema, teatro, dança. Muitas vidas em uma. Muitos saberes em um. Muito de mim ao meu redor e tanta,tanta marca alheia no meu caminho. Sabor de cachoeira, vertigem de vida inteira.

o peso de mil solidões


Nebulosa da Tarântula.jpg

Ele entrou pela porta da frente ao mesmo tempo em que corri para a janela e me lancei contra a vidraça. Enquanto flutuava lentamente no ar, junto com estilhaços de vidro e as gotas de sangue, eu podia ver o sol alaranjando o horizonte em mais um fim de dia enviado pelo Universo. Finalmente, meu corpo se chocou contra o topo do plátano avermelhado, uma perna esticando-se toda diante do meu ventre, o joelho colado na testa, a outra perna solta como boneca de pano nos galhos que me flechavam as carnes. Meu olhar paralisado perfurava o chumbo do céu que me cobria e riscava fogos de artifício no breu que se aproximava.

Balancei o lado esquerdo do quadril duas, três, quatro vezes, até que meu corpo se desprendeu e caiu no fundo da água abaixo de mim. Flutuava agora em elemento aquoso, morta como Ofélia. Fui sendo levada até a beirada e ali o que restava das minhas roupas rasgadas se dissolveram. Ergui-me, então, nua e deslizei para a terra firme. Caminhei assim em meio aos vaga-lumes e os trancei nos cabelos e embebi com sua luz minhas feridas. Foi minha primeira morte. A próxima, a definitiva, não seria tão lúcida quanto a primeira.

***

Ninguém soube da minha segunda morte. Ficou perdida entre as pedras e os fósseis. Os cata-ventos sussurravam brincadeiras em meus ouvidos e retalhos de estrelas mergulhavam no fundo dos meus olhos que nada viam. Minhas pernas tinham se tornado feixes de trigo e os tornados acima de mim nasciam das minhas mãos de gelo. Os soldados marchavam sobre minha ausência e toda espera era eterna. Era sempre tempo de guerra e a morte ria um riso pesado como o peso de mil solidões.

Neste leito de chumbo, eu não tinha mais as tranças, mas elas insistiam em derramar-se em torno de mim como se eu ainda fosse uma menina ou uma princesa. Na minha janela subterrânea, não havia vidraças, tampouco paisagens, menos ainda a promessa de um príncipe encantado a me esperar no altar. Dobrei-me em duas, como se já fosse o passado enterrado de mim mesma, suspirei e esqueci totalmente quem eu era. Para todo o sempre.

***

Porém, em meio às minhas duas mortes, a memória do tempo se apresentou:

“Há cinco dias, Plutão ganhou sua quinta lua.

Há doze, encontraram o Bóson de Higgs, a Partícula de Deus.

Há exatos 67 anos, a primeira bomba nuclear, Trinity, foi lançada no México. Logo depois foi a vez de Little Boy em Hiroshima e de Fat Man em Nagasaki.”

Fiquei à espera do brilho magnífico de 60 luas cheias que emite a Nebulosa da Tarântula, mas ele não veio. O que veio foi o sopro.

***

Eu gosto do sopro. Somos um sopro. A vida é um sopro. A morte é um sopro. E no sopro há sempre movimento, nenhum tédio ou terror debaixo do pó. Apenas movimento. Volutas. Redemoinhos. Mares a varrer. Frio e calor se revezando em canais aéreos. Incenso. O trago de um xamã. Até chegar ao espaço, onde tudo é silêncio e vislumbro, transformados em milhões de partículas, as luzes boreais e os buracos negros. Descubro que não vamos ao pó, mas ao fim do tempo, essa unidade ilusória que nos priva de todos os mistérios.

***

No fim, as vozes das estrelas cantaram para espantar toda solidão.

Ali, no Infinito, onde a morte não pode mais rir seu riso de chumbo.


Patricia Smaniotto

Patricia Smaniotto é escritora, tradutora, jornalista. E antropóloga, maga, mãe. Um pouco de tudo vivido, cinema, teatro, dança. Muitas vidas em uma. Muitos saberes em um. Muito de mim ao meu redor e tanta,tanta marca alheia no meu caminho. Sabor de cachoeira, vertigem de vida inteira..
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 2/s/recortes// @destaque, @obvious //Patricia Smaniotto