Bruna Kurth

French Connection por David Peixoto

Projeto que envolve tecnologia, ousadia e arte. Uma verdadeira junção de diferentes percepções.


Numa era de convergências tecnológicas, a fotografia também ganha novos métodos e técnicas. Não apenas em termos de equipamentos e suportes. Mas, se tratando de arte, ela também caminha em direção as novas tendências e pensamentos. O problema, é que normalmente, olhamos para o que é comum. E para despertar o diferencial, é responsabilidade daquele que fotografa. Que ao invés de seguir sempre a mesma estrada, enxerga o atalho e, o mais importante, toma coragem de seguir, sem saber aonde aquele trajeto vai levar. E foi assim, que o fotógrafo curitibano David Peixoto criou a série French Connection. Fazendo parte dele não apenas fotógrafo e modelo, mas também ousadia e tecnologia. Que junto aos novos meios de sociabilidade e percepções, chegaram a um incrível resultado.

Para David não existem mais distâncias! "A internet, a tecnologia e os novos aparelhos nos dão a possibilidade de chegar cada vez mais longe. Podemos namorar, trabalhar, ver pessoas e fazer uma infinidade de coisas, sem levantar do sofá. É um mundo totalmente novo, onde o deslocamento se torna cada vez menos necessário e as possibilidades cada vez maiores. Não temos mais limites. Você não precisa estar de fato em algum lugar para estar neste lugar. Pessoas em Tókio coordenam equipes no Brasil, músicos na Inglaterra ensaiam com músicos poloneses, mães criam filhos à distância e casais apaixonados esquentam as paixões através da rede”.

Nesta série de fotografias, David Peixoto nos faz refletir sobre as relações humanas na era digital. As imagens foram feitas via Skype e a modelo em Paris, a qual foi dirigida pelo fotografo que estava no Brasil e que a fotografava na tela do computador.

skype (14 de 31).jpg

skype (1 de 31).jpg

skype (21 de 31).jpg

Sabemos que os tabus da nudez estão sendo quebrados. Surgiu então o “nu artístico”, o qual faz referência à exposição do corpo em diversos meios artísticos, seja através da pintura, escultura ou, mais recentemente, cinema e fotografia. “Acho que as fotos são um retrato da nudez e da sexualidade do nosso tempo. A coisa de desenvolver a intimidade da relação a ponto de se despir para o outro, mesmo estando geograficamente tão distante. Muito do que a gente vê do mundo hoje em dia, é visto através de um monitor, e a nudez está inserida nisso”, defende o fotógrafo.

Untitled 1.jpg

É de costume social, associar a nudez ao erotismo. Não discordando da veracidade da afirmação, mas, antes de qualquer conceito, o nu tem diversas interpretações e significados, desde a mitologia até a religião. O corpo serve para estudos anatômicos, mas também é uma forma de representação da beleza, seja ela perfeita, ou não. Afinal, a arte sempre foi um meio de representar o mundo e o ser humano, podendo ser considera um reflexo da vida. Por fim, a nudez nada mais é do que a transparência, a aceitação de suas formas. Alguns a intimidam, a condenam e até julgam. Mas no fundo, todos apreciam.

IMG_4275.JPG

IMG_4268.JPG

IMG_4309.JPG

IMG_4511.JPG

Em dezembro de 2012, algumas fotos do projeto fizeram parte da exposição "Corps et Frontières" na Galerie Rauchfeld, em Paris. Uma mostra coletiva que envolveu oito artistas, dentre eles David. O intuito da exposição era, justamente, provocar a percepção de cada indivíduo.

davidpeixoto.wordpress.com


version 1/s/artes e ideias// eros //Bruna Kurth