Bruna Kurth

Músicas que enfeitam paredes

Um projeto que envolve música, arte, decoração e muita criatividade.


A indústria fonográfica no Brasil e suas relações com a cultura de massa e a indústria do entretenimento começaram a ser aplicadas nos anos 90, embora o disco já exista no Brasil desde 1902, tendo a primeira fábrica ativada em 1913.

A crise de 1929 gerada pela queda de preços internacionais do café ocasionou a desvalorização da moeda brasileira, o que reduziu sensivelmente a procura por produtos importados, fazendo com que o consumo se voltasse para o mercado interno. Momento que favoreceu a instalação de novas indústrias no Brasil. Um fator determinante para a produção musical nacional. Foi então que, num esforço conjunto de intelectuais x Estado, começaram a utilizar a música como fator de integração e identidade nacional. Mais que isso, a própria identidade popular, cujo símbolo maior passa a ser justamente a música. Isso fez com que aumentasse o número de cantores e compositores brasileiros. E é, exatamente nesse momento, entrada dos anos 30, que o disco conquista os olhos dos designers gráficos.

As relações entre música e publicidade sempre existiram, principalmente no mercado radiofônico. A preocupação em manter o diferencial e atrair o consumo, sempre foi a base para qualquer criação que envolva projetos e valores. E é ai que a criatividade entra.

Já na era do CD, as artes gráficas e a fotografia, trabalham juntas. Porém, muitos músicos ainda permanecem no padrão: artista, informações técnicas e faixas. Brinca-se com as cores, tipografias e até mesmo com os ângulos da fotografia. Mas, nada muito fora do que já estamos acostumados a ver. E foi por isso que o projeto “Músicas que enfeitam paredes” do designer gráfico e músico curitibano, Grabriel Gariba, me chamou a atenção.

gabriel-gariba-musicas-que-enfeitam-paredes.jpg

Um artista que fez das suas duas paixões uma forma de mostrar seu trabalho fugindo dos padrões fonográficos. Ele misturou as artes gráficas com a música e acabou criando um trabalho que tem tudo para se tornar referência quando o assunto for áudio e visual. O projeto surgiu da necessidade de gravar suas próprias canções, baseado na ideia de uma releitura de embalagem. Em meio a um mundo que está completamente ligado às tecnologias, Gabriel conseguiu resgatar essa cultura do CD, “brigando” com a facilidade do pen drive, e mais que isso, juntar o útil ao agradável. Afinal, um belo quadro deixa qualquer parede mais atrativa. Melhor ainda se acompanhada de boa música.

musicas-que-enfeitam-paredes-gabriel-gariba.jpg

São 5 quadros, cada um possui um CD com as 5 canções autorais do artista e cada uma com um design próprio que remete a sensibilidade e criatividade de Gabriel.

musicas-que-enfeitam-paredes.jpg

músicas-que-enfeitam-paredes-gabriel-gariba.jpg

músicas-que-enfeitam-paredes-gabriel-gariba 2.jpg

músicas-que-enfeitam-paredes-gabriel-gariba 3.jpg

Para saber mais sobre projeto, acesse: musicasqueenfeitamparedes.com.br


deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 1/s/musica// @destaque, @obvious //Bruna Kurth