Talles de Lima

Publicitário, estudante de sociologia, paulistano do grajaú, ouvindo Belchior, olhando o trânsito e parando pra conversar.

Crônica de uma segunda-feira

Um dia daqueles em que há vida


2337221655_c1671d2e5e_b.jpg

Chovia.

Na esquina, sem guarda-chuva, enquanto esperava o semáforo abrir, viu um furgão bater no carro de uma jovem senhora. Entre olhares curiosos e buzinas, a motorista desferia repetidos golpes sobre o volante.

No metrô, encostado em uma das portas, ouviu um homem cantar “le it be”, acompanhado de um violão desafinado e um velho chapéu sem qualquer moeda.

Na saída da estação, acompanhou com olhos os passos de um senhor que, no contrafluxo, procurava o corrimão como apoio para subir as escadas.

Já na rua de casa, sentiu o perfume doce da moça com fones de ouvido que saía da padaria carregando pães, cigarros e sonhos.

À noite, no escuro, antes de dormir, lembrou de sua adolescência, das tardes de sábado sentado junto ao portão e teve certeza que, em certos dias, vive-se tanto que chega a doer.


Talles de Lima

Publicitário, estudante de sociologia, paulistano do grajaú, ouvindo Belchior, olhando o trânsito e parando pra conversar..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/literatura// //Talles de Lima