les feuilles

Cinema | Música | Literatura | Fotografia

Felipe Lima

Muito prazer. Felipe. Nasci em Brasília, a cidade de concreto, feita para homens de concreto. Morei no Rio de Janeiro por dois anos, depois em Santiago por nove meses. Depois São Paulo, de volta Rio, agora por aí, em algum lugar. Tenho 27 anos, sou jornalista. Ou Observador Profissional, como prefiro. Já fui atendente de padaria, atendente de protocolo, auxiliar de escritório, tesoureiro assistente, repórter de cidades e cultura, auxiliar de serviços gerais em spa para homens (eufemismo), recepcionista em hostels e assessor de imprensa em escritório especializado em arquitetura, design e decoração; não exatamente nessa ordem. Cantante. Faço bicos de terapeuta. Danço de forma esquisita. Tenho fé. Apaixonado por arte e por contato humano. À parte tudo isso, e sobretudo, escrevo. Autor de Dentro da Pele, misto de ensaio e livro-reportagem sobre prostituição masculina em Brasília (sem edição) e As Nuvens Púrpuras, publicado na rede em limaofelipe.wordpress.com. Atualmente, dedico-me a escrever meu primeiro romance e dou andamento à performance #palavrassómudampessoas pelas ruas do país (se você esbarrou comigo por aí, faça-me saber usando a hashtag :D). Também me envolvo em projetos criativos em colaboração com outros artistas. Quer falar comigo? Escreva para [email protected]

Dominga Petrona

Um método pirata pra fazer original: banda argentina conquista admiradores apresentando repertório próprio nas ruas brasileiras


Dominga Petrona.jpg

É perto do meio-dia de uma sexta-feira e o sol forte castiga os transeuntes do centro do Rio de Janeiro. Ignorando o calor, um grupo grande de pessoas se junta e forma uma entusiasmada plateia em volta de alguns músicos que tocam próximo da rua São José. A banda está animada e o som é excelente, vigoroso. São duas guitarras, sax, baixo e bateria.

Nascida em julho de 2009 na cidade de Buenos Aires, na Argentina, a banda Dominga Petrona é um dos expoentes mais notáveis de um antigo novo jeito de viver de música, que ganhou fôlego novo no Rio desde que uma lei municipal de junho de 2012 passou a autorizar apresentações artísticas em áreas públicas da cidade sem necessidade de licença prévia. Apoiados por uma iniciativa similar, a banda se apresentava na Rua Florida, um dos principais passeios turísticos de Buenos Aires, em frente ao Ministério da Cultura argentino.

O fundador da banda, Cristian Kiffer (Dominga Petrona era o nome da avó dele), desembarcou no Brasil no fim de julho de 2012, trazendo os demais integrantes. Seis meses antes, conseguiram entrar em estúdio para gravar um álbum repleto de temas instrumentais originais, influenciados pelas batidas do funk-rock, do soul e do acid jazz.

Desde então, estabeleceram-se no Rio e já se apresentaram no Teatro Rival e em casas de shows da Lapa. É a rua, entretanto, o palco predileto dos músicos, que eles escolheram para fazer funcionar o método totalmente independente de produção e venda dos discos. Com essa proposta, a banda toca de segunda a sexta-feira na praça Mário Lago e no Largo da Carioca e aos domingos em Ipanema, e bota todo mundo pra dançar ao som de músicas como "Porras", "Mário", "Agreste" e "No esperes nada de mi".

Calcula-se que eles já tenham vendido quase 15 mil discos nesse esquema. "Dentro da nossa realidade, comprar um disco não é comprar um produto, mas fomentar a arte. Vivemos da rua, para a rua, desde o primeiro minuto de nossa existência. Nenhum de nós faz qualquer outra coisa. A banda é nossa única ocupação", conta Cristian.

Agora, com uma sólida base de admiradores que cresce a cada apresentação, a banda se prepara para voltar a estúdio e gravar um novo álbum de inéditas. Antes, tem planos de percorrer as ruas e casas de espetáculo de São Paulo e Belo Horizonte - em Paraty, na Região dos Lagos, em janeiro desse ano, a experiência foi um grande sucesso, e a resposta do público não poderia ser mais estimulante.

A Dominga Petrona é:

Baixo - Cristian Kiffer Guitarra/Efeitos - Juan Julían Damiám Guitarra - Alejandro Salvo Sax Tenor - Beto Cuenca Bateria - Carlos Stilling

Dominga Petrona, Porras

Dominga Petrona, No esperes nada de mi

Dominga Petrona no programa Fulanos de Nadie

CONHEÇA MAIS SOBRE A DOMINGA PETRONA:

Página oficial no Facebook: https://www.facebook.com/DomingaPetrona?fref=ts

MySpace: https://myspace.com/domingapetrona

Contato:

(21) 7127-8417 (21) 7913-3398 (21) 8098-7458 [email protected]

Por Felipe Lima


Felipe Lima

Muito prazer. Felipe. Nasci em Brasília, a cidade de concreto, feita para homens de concreto. Morei no Rio de Janeiro por dois anos, depois em Santiago por nove meses. Depois São Paulo, de volta Rio, agora por aí, em algum lugar. Tenho 27 anos, sou jornalista. Ou Observador Profissional, como prefiro. Já fui atendente de padaria, atendente de protocolo, auxiliar de escritório, tesoureiro assistente, repórter de cidades e cultura, auxiliar de serviços gerais em spa para homens (eufemismo), recepcionista em hostels e assessor de imprensa em escritório especializado em arquitetura, design e decoração; não exatamente nessa ordem. Cantante. Faço bicos de terapeuta. Danço de forma esquisita. Tenho fé. Apaixonado por arte e por contato humano. À parte tudo isso, e sobretudo, escrevo. Autor de Dentro da Pele, misto de ensaio e livro-reportagem sobre prostituição masculina em Brasília (sem edição) e As Nuvens Púrpuras, publicado na rede em limaofelipe.wordpress.com. Atualmente, dedico-me a escrever meu primeiro romance e dou andamento à performance #palavrassómudampessoas pelas ruas do país (se você esbarrou comigo por aí, faça-me saber usando a hashtag :D). Também me envolvo em projetos criativos em colaboração com outros artistas. Quer falar comigo? Escreva para [email protected]
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/Música// @destaque, @obvious //Felipe Lima