les feuilles

Cinema | Música | Literatura | Fotografia

Felipe Lima

Muito prazer. Felipe. Nasci em Brasília, a cidade de concreto, feita para homens de concreto. Morei no Rio de Janeiro por dois anos, depois em Santiago por nove meses. Depois São Paulo, de volta Rio, agora por aí, em algum lugar. Tenho 27 anos, sou jornalista. Ou Observador Profissional, como prefiro. Já fui atendente de padaria, atendente de protocolo, auxiliar de escritório, tesoureiro assistente, repórter de cidades e cultura, auxiliar de serviços gerais em spa para homens (eufemismo), recepcionista em hostels e assessor de imprensa em escritório especializado em arquitetura, design e decoração; não exatamente nessa ordem. Cantante. Faço bicos de terapeuta. Danço de forma esquisita. Tenho fé. Apaixonado por arte e por contato humano. À parte tudo isso, e sobretudo, escrevo. Autor de Dentro da Pele, misto de ensaio e livro-reportagem sobre prostituição masculina em Brasília (sem edição) e As Nuvens Púrpuras, publicado na rede em limaofelipe.wordpress.com. Atualmente, dedico-me a escrever meu primeiro romance e dou andamento à performance #palavrassómudampessoas pelas ruas do país (se você esbarrou comigo por aí, faça-me saber usando a hashtag :D). Também me envolvo em projetos criativos em colaboração com outros artistas. Quer falar comigo? Escreva para [email protected]

O tom certo

O filósofo Jacques Derrida e a questão da identificação/associação subjetiva na arte escrita: um exercício teórico-poético


derrida.jpg

Em entrevista a Peter Brunette e David Wills:

"Voltando à ingenuidade da minha resposta, quando escrevo, a coisa mais difícil, o que me causa mais angústia, sobretudo no início, é achar o tom certo. Ultimamente meu problema mais sério não é decidir o que quero dizer. Cada vez que começo um texto, a angústia, o sentimento de fracasso, vem do fato de que sou incapaz de estabelecer uma voz. Pergunto-me com quem estou falando, como vou jogar com o tom, o tom sendo precisamente o que informa e estabelece a relação. Não é o conteúdo, é o tom, e desde que o tom nunca está presente a si mesmo, ele é sempre escrito diferencialmente; a questão é sempre essa diferencialidade do tom. No interior de cada nota há um diferencial, mas quando se escreve um texto desenhado para ficar, seja um texto discursivo, seja um texto cinematográfico, ou o que quer que seja, a questão é o tom, as mudanças de tom". Jacques Derrida, pensador francês, em As artes espaciais: uma entrevista com Jacques Derrida, parte de Pensar em não ver: escritos sobre as artes do visível, 2012, editora da UFSC.

Se me pedem, eu escolho você, Jacques, porque para mim você fala, bem ingenuamente, como lhe é peculiar, sobre sensibilidade, a mais emotiva das faculdades do autor-escritor interessado nos deslocamentos possíveis de nossos conceitos.

A preocupação em encontrar o tom certo revela urgência e necessidade de comunicar, descartada a qualidade de equívoco que possa ter a palavra.

Não apenas construir uma marca, quando dizer é fazer, mas ter uma assinatura, direcionar com interesse, sabedoria e humildade a voz cambaleante para estabelecer conexões profundas.

Um artista, na medida em que coleta, conecta e compartilha seus pensamentos e ideias, metamorfoseando-os em escrita: a matéria infinita das transmissões.

Como eu, você quis tocá-los. Mesmo bicho, quis ser humano, legível e legítimo. Você me diz: eu sinto, e sua língua me toca.

Há, sim, voz. Há tom. Estamos afinados.

A bênção do tom perpassa a página e se estabelece no tempo, desenhado para ficar e repercutir.

34_derrida.jpg


Felipe Lima

Muito prazer. Felipe. Nasci em Brasília, a cidade de concreto, feita para homens de concreto. Morei no Rio de Janeiro por dois anos, depois em Santiago por nove meses. Depois São Paulo, de volta Rio, agora por aí, em algum lugar. Tenho 27 anos, sou jornalista. Ou Observador Profissional, como prefiro. Já fui atendente de padaria, atendente de protocolo, auxiliar de escritório, tesoureiro assistente, repórter de cidades e cultura, auxiliar de serviços gerais em spa para homens (eufemismo), recepcionista em hostels e assessor de imprensa em escritório especializado em arquitetura, design e decoração; não exatamente nessa ordem. Cantante. Faço bicos de terapeuta. Danço de forma esquisita. Tenho fé. Apaixonado por arte e por contato humano. À parte tudo isso, e sobretudo, escrevo. Autor de Dentro da Pele, misto de ensaio e livro-reportagem sobre prostituição masculina em Brasília (sem edição) e As Nuvens Púrpuras, publicado na rede em limaofelipe.wordpress.com. Atualmente, dedico-me a escrever meu primeiro romance e dou andamento à performance #palavrassómudampessoas pelas ruas do país (se você esbarrou comigo por aí, faça-me saber usando a hashtag :D). Também me envolvo em projetos criativos em colaboração com outros artistas. Quer falar comigo? Escreva para [email protected]
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/literatura// @obvious, @obvioushp //Felipe Lima