Márcio Chocorosqui

Um dia aventurei-me no mundo das letras e, desde então, alimento-me do meu trabalho com as palavras e dele faço uma profissão de fé, mesmo que isso pareça ser a luta mais vã

Está no gibi e no cinema

Há teorias da conspiração tão sofisticadas e inventivas que viram tema de HQs e filmes. Assim, os homens de preto, famosos no cinema, envolvem-se com atividades extraterrestres e paranormais. Já o polêmico assassinato do presidente Kennedy produziu versões tão convincentes e verossímeis que atraem a curiosidade dos mais céticos.


Fonte da imagem MM detalhe capa nº 1, por Giancarlo Alessandrini.jpg Martin Mystère enfrenta, nos quadrinhos, os homens de preto (Arte: Giancarlo Alessandrini)

Eventos tidos como reais, ultrassecretos ou altamente ameaçadores (geralmente levados a efeito por indivíduos ardilosos e organizações invisíveis ou extraoficiais) são comuns em teorias da conspiração. Muitas delas fazem parte de um conluio de situações planejadas dentro de tramas intrincadas, dignas das mais inventivas histórias em quadrinhos e de roteiros cinematográficos mirabolantes.

Um exemplo é a lenda dos homens de preto (chamam-se assim porque usam indumentária preta, com terno, gravata e óculos escuros). Nos filmes da franquia “MIB” (“Men in Black”), iniciada em 1997, sob direção de Barry Sonnenfeld, são agentes de uma organização secreta do governo encarregada de vigiar e encobrir fenômenos alienígenas na Terra. São heróis, por um viés humorístico, que utilizam um neutralizador cerebral para apagar a memória das testemunhas de ETs e óvnis.

Fonte da imagem Tiffany LeMaistre.jpg Monitorar, esconder e capturar ETs são missões dos homens de preto, que se tornaram famosos no cinema (Foto editada: Tiffany LeMaistre/Flickr)

Já nas histórias em quadrinhos de Lowell Cunningham, datadas de 1990, nas quais os filmes foram inspirados, essa teoria da conspiração é tratada de forma mais tétrica e violenta. Os homens de preto lidam com atividades sobrenaturais, não apenas referentes a extraterrestres, mas a zumbis, demônios, mutantes, lobisomens... E são capazes de tudo para cumprir sua missão: coagir testemunhas para mantê-las caladas, sequestrá-las e, até, matá-las.

Os homens de preto também estão na revista em quadrinhos italiana “Os Grandes Enigmas de Martin Mystère, o Detetive do Impossível”, criada em 1982 pelo escritor Alfredo Castelli. Eles são vilões que compõem uma sociedade ou seita oculta e ancestral. Estão infiltrados em altas esferas do poder político, econômico, religioso e cultural do mundo inteiro, a qualquer tempo, interferindo, silenciosa e secretamente, nos rumos da história. Os próprios pais do protagonista, Martin Mystère, teriam morrido num misterioso acidente de avião, talvez causado pelos homens de preto. Isso o fez mergulhar no universo dos casos insolúveis e nos enigmas que a ciência oficial desconsidera.

A presença de “sociedades das sombras”, que agem nos bastidores, invisíveis aos cidadãos comuns, e as versões alternativas em contraponto à história oficial são elementos fundamentais da teoria da conspiração. Um exemplo disso envolve o assassinato do presidente norte-americano John F. Kennedy, em 1963. Nesse caso, a teoria da conspiração despreza os aspectos metafísicos e extraterrenos, concentrando-se em possíveis fatos, o que gerou muitas versões e polêmicas. Isso está em livros, histórias em quadrinhos, séries de TV e filmes.

JFK cena.jpg Kevin Costner interpreta, no filme 'JFK', o obstinado promotor Jim Garrison, que tenta provar que Kennedy teria sido assassinado por uma conspiração (Foto: Divulgação)

Segundo a versão oficial, Kennedy foi assassinado por um atirador solitário, Lee Harvey Oswald, por sua vez assassinado dois dias depois, enquanto era transferido da cadeia. O 35º presidente dos Estados Unidos foi vitimado por um tiro na cabeça, num desfile em carro conversível, ao lado de sua esposa Jacqueline, em Dallas, Texas. Várias versões conspiratórias concordam que o crime não teria sido um ato isolado de Oswald, ex-fuzileiro naval. E dão conta que Kennedy teria sido eliminado pelo próprio governo, por meio da CIA, em benefício do vice-presidente Lyndon Johnson, ou por uma trama implicando a máfia e mercenários cubanos, entre outras suposições. O filme “JFK: A Pergunta que Não Quer Calar” (1991), de Oliver Stone, é exemplar nessa abordagem.

Saindo do exotismo e da ficção científica, algumas teorias da conspiração, quando apalpam elementos pertencentes ao conjunto do mundo real, adquirem ares de verossimilhança e seriedade. Nesse sentido, agem no terreno do plausível, apresentam argumentos contestadores e estreitam laços com a crença de seus admiradores, chegando a deixar os mais céticos com a pulga da dúvida atrás de suas orelhas, com um gostinho de “mas será que...?”. De fato, há coisas que nunca virão à tona.

The men in black, Lowell Cunnigham. Arte - Sandy Carruthers.jpg Capa do n.º 1 de 'The Men in Black', HQ escrita por Lowell Cunningham, de onde saíram os agentes J e K dos filmes 'MIB' (Arte: Sandy Carruthers/Reprodução)


Márcio Chocorosqui

Um dia aventurei-me no mundo das letras e, desde então, alimento-me do meu trabalho com as palavras e dele faço uma profissão de fé, mesmo que isso pareça ser a luta mais vã.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/cinema// @destaque, @obvious //Márcio Chocorosqui