li finalmente

Eu, fingindo que sei criticar literatura

Lucas Coppio

Aspirante a escritor, leitor desleixado e desenhista frustrado. Apresentador do Vlog Li Finalmente, membro da "Tropa Lanterna Verde" e namorado grudento nas horas vagas.

Americanos não sabem amar

Como frequentador da seção de livros e graphic novels adultos, resolvi tenta encontrar alguma coisa nas bookstores americanas, mas não achei nada, e isso me levou a investigar a cultura americana.


Conversei com um monte de americanos, passei por uns 5 estados diferentes aqui, e consegui compreender algumas coisas sobre a "sexualidade" americana...

Aqui nos EUA, você não sai para conhecer pessoas, se apaixona ou fica afim de alguém, se aproxima mais, faz sexo, resolve namorar, etc... aqui as pessoas são distantes umas das outras, são simpáticas, mas suas vidas pessoais, sua "privacidade" está acima de qualquer coisa, eles são cheios de contratos sociais, o que você deve ou não fazer quando em companhia de outras pessoas, o que é ou não adequado, e isso se extende para relacionamentos amorosos também. A sexualidade do americano acaba ficando restringida, vira algo "errado" querer fazer sexo... Todo mundo aqui diz que adora, faz piada sobre a garçonete, fala da policial gostosa que acabou de abordar o carro, se derrete pelas mulheres frutas do funk carioca, mas parece que realmente é da boca para fora isso tudo, não existe um "mercado" para o sexo aqui que não seja "anonimo" ou escondido... Não existem "sex friends" que não sejam desconhecidos que se encontraram usando o "craiglist". Não existe "seção adulta" nas locadoras ou livrarias, você não encontra livros de bondage, não encontra sexy shops, não encontra nem ao menos camisinhas sendo vendidas em lugar algum EXCETO em banheiros de bares banheiros de lojas de conveniência (são umas maquinas que você enfia 75¢, mais ou menos como aquelas máquinas de balinhas que tem em porta de padaria), e em "algumas farmácias". Tudo que você encontra por aqui é livro de "como apimentar sua relação com o seu MARIDO", "como fazer um boquete inesquecível no seu MARIDO", "100 posições acrobáticas do kamasutra", "kama sutra divertido", "kama sutra romantico", "como recuperar o amor no sexo com seu/sua parceiro/parceira" (para casais, óvibio), "mulher, aprenda a fazer cócegas em si mesma!", "aprenda a ter um orgasmo por dia, e se você for sortuda, mais de um!"... and so on... Está procurando sex shop? Tem alguma na cidade, claro que tem, mas só vendem lingerie... o resto está no catálogo, tem que encomendar. Ah, aquelas sex shops que você viu na TV na discovery e talz? Que são todas bonitas e cheias de frufru, então, só existem aquelas que apareceram na TV, as outras, que vendem algo como um dildo ou um anél peniano, estão geralmente escondidas por trás de uma porta sem letreiro na entrada.

Vocês se perguntam porque que tem tanto sexo em filme americano... porque o sexo é sempre tão aquém à realidade, tão sexista ou mesmo tão retardado... bom, basicamente porque para eles o sexo não é algo "comum", é só um desejo, algo além da realidade, o cara que faz sexo é o "fodão", um "role model" para a sociedade, e a mulher que transa com o melhor amigo é uma puta que não pode receber confiança. Possivelmente o único povo mais retardado que os americanos para qualquer coisa relacionada a sexo são os japoneses.


Lucas Coppio

Aspirante a escritor, leitor desleixado e desenhista frustrado. Apresentador do Vlog Li Finalmente, membro da "Tropa Lanterna Verde" e namorado grudento nas horas vagas..
Saiba como escrever na obvious.
version 3/s/recortes// eros //Lucas Coppio