literarquiteturas

percursos de espaços & narrativas insurgentes

Leandro Andrade

Quando eu nasci veio um anjo me dizer: - Vai, guri, ser quase na vida... E eu achei bacana e fui... pois quasar é quase estrela ... o que pouca coisa não é!

FÁBULA LUCIFERINA (ÚLTIMO ROUND)

Sobre o desejo, a tentação, e o que pode acontecer com o porvir.


Luciferina.jpg

O Diabo me tentou, vejam só, como de costume, na madrugada, em frente à catedral.

De chofre, não bastassem nossos contumazes encontros ao longo dos séculos, ofereceu-me o contrato padrão: dez anos de sucesso, riqueza, saúde, juventude, boniteza e pau duro.

Dei risada. Desde a invasão da América, quando aqui cheguei, desembarcado daquela nave que era o verdadeiro inferno, com os cabelos tomados pelos piolhos e a pele escamada das coceiras mais imundas, desde nosso primeiro colóquio, vinha enganando o Chifrudo com meus ingênuos ardis que funcionavam apenas graças a imensurável soberba do Capeta.

– Dez anos não me servem. – disse – São cem ou nada.

– Nada ortodoxo. – replicou o Pé de Bode – Serás, ao final, um velho decrépito a desgostar de uma longa e decadente vida.

– Como sempre, incluem-se as cláusulas do sucesso, da riqueza, da saúde, da juventude, da boniteza e do pau duro.

O Sem Noção, como o andam nomeando mais modernamente, titubeou. Porque eu havia trazido comigo a sífilis que matara os gentis selvagens como mosquitos, minh’alma era-lhe valiosa. Assentiu...

– Sem mais exigências descabidas... terás teu século de glórias, isso se ainda existir planeta ao final de uns poucos anos mais.

– Conto com a engenhosidade dos meus atuais contemporâneos. Ou, se tudo falhar, a mão d’Ele nunca falha, nunca nos falta na beira do abismo.

Estremeceu, sabendo da verdade contida em minhas palavras.

– Assina com teu sangue, e o acordo estará selado.

Ocorreu-me então mais uma cláusula leonina, como um golpe de misericórdia:

– Satisfação garantida, ou minh’alma de volta…

– Satisfação é meu nome do meio. – o Cramulhão rosnou, já sem convicção.

– Uma última coisa, meu caro negociante das trevas. A quero comigo ao longo de cada dia dos anos que conformarão este novo século das luzes. Com muita saúde, juventude, boniteza e xoxota molhada.

Eu havia, afinal, depois de quinhentos anos, sucumbido ao amor. Depois de incontáveis paixões, todas destruídas pela proximidade da entrega de minh’alma ao Capiroto, já não podia conceber um dia apenas longe daquela senhorita de cabelos vermelhos, que cheirava a Coco Noir e me causava arrepios.

– Muito, muito heterodoxo. – suspirou – Isso mexe com a alma de outrem, e isso vai contra as regras. Acordo assim nunca antes foi feito. Talvez esteja além até de minha jurisdição.

Não contive o júbilo pelo xeque-mate.

– Teu poder tem limites, então? Consulta, pois, o advogado do Diabo!

– Lembra da pedra que Ele não pode mover, graças ao famoso paradoxo? Para mim, é pedregulho…

O Coisa Ruim não perdia a pose facilmente. Gostava de arrotar superioridade, mesmo quando as coisas não lhe iam bem. Um vento frio varreu os degraus da catedral, como um sinal de sua rendição. Por fim, falou:

– Será como queres. Ela estará contigo ao longo de cada dia de cada ano de todo um século. Mais exatamente, trinta e seis mil quinhentos e vinte e cinco dias. Permitiu-se um riso abafado:

– Deverias ter mais cuidado com o que desejas diante do Rabudo.

E foi-se, deixando o nauseante rastro de enxofre. E pude ouvir por muito tempo o sarcástico risinho da mais urdida ironia.

Senti, pela primeira vez, um desassossego com o que havia sucedido. Tentei, sem conseguir, afastar o incômodo pensamento que me tomava conta da razão.

Mas eu havia, afinal, conseguido meu intento. Mais cem anos por aqui e por aí, embriagado de sucesso, riqueza, saúde, juventude, boniteza e pau duro. E com Lu ao meu ladinho, com seu cheiro de sexo, seu cabelo de fogo, seus beijos que me causavam calafrios na espinha…

Minha mente ficou, de súbito, congelada. Calafrios de medo e terror paralisante diante da insana visão do amor que me aguardava pelos próximos trinta e seis mil quinhentos e vinte e cinco dias.

– Chama-me apenas Lu… – ela dissera, quando nos encontramos pela primeira vez, na madrugada, em frente à catedral.

E sorrira, como a vejo sorrir agora. Seu sorriso misturando-se ao riso medonho do Medonho, que vai se tornando uma gargalhada como uma chuva de agulhas.

– Lúcifer é teu nome, então… – deixei escapar as palavras que me sufocavam.

A lua sumiu entre nuvens que surgiram do nada. E a algazarra de uma multidão de demônios ecoou na negra madrugada. O Diabo havia, finalmente, vencido o último round.

dama-da-noite.jpg


Leandro Andrade

Quando eu nasci veio um anjo me dizer: - Vai, guri, ser quase na vida... E eu achei bacana e fui... pois quasar é quase estrela ... o que pouca coisa não é!.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/literatura// @obvious, @obvioushp //Leandro Andrade
Site Meter