luelmos

Voos de ditos e desditos, pensamentos e opiniões.

Ana Luelmo

O que tem a Mona Lisa que eu não tenho?

Uma obra em si não tem valor algum, nem comercial nem intelectual, se não lhe for associado determinado valor comercial e intelectual. E esse valor, como quase tudo na vida, começa por ser subjectivo, até que se torna concreto e incontornável. Qual é realmente o valor de "Mona Lisa"?


Mona Lisa (também conhecida como "A Gioconda"), é a mais famosa obra de Leonardo da Vinci, pintor renascentista italiano. A sua concepção foi iniciada em 1503. O quadro trata-se de um retrato de uma mulher que muitos historiadores acreditam ser a esposa de Francesco del Giocondo, um rico comerciante de seda de Florença e uma figura proeminente no governo florentino. Acredita-se também que estes eram vizinhos de Leonardo Da Vinci. Sendo "Mona Lisa" apenas um banal retrato, onde estão os motivos para que este se tenha tornado tão famoso?

402px-Mona_Lisa,_by_Leonardo_da_Vinci,_from_C2RMF_retouched.jpg "O seu sorriso restrito é muito sedutor, mesmo que um pouco conservador. O seu corpo representa o padrão de beleza da mulher na época de Leonardo. Este quadro é provavelmente o retrato mais famoso na história da arte, senão, o quadro mais famoso e valioso de todo o mundo. Poucos outros trabalhos de arte são tão controversos, questionados, valiosos, elogiados, comemorados ou reproduzidos."

Muitos historiadores de arte desconfiam, assim como eu, de que a reverência dada a este quadro esteja realmente relacionada com a sua técnica artística, denominada 'Sfumato'. Leonardo da Vinci é tido como pai do 'Sfumato', mas essa técnica sempre existiu através da fricção, gerando um gradiente, com grafite, pastel seco ou carvão. Além de existirem outras obras de Leonardo produzidas com a mesma técnica. Segundo o que muitos afirmam, a reverência a esta obra deve-se a algo muito mais profundo: uma mensagem oculta nas camadas de pintura. "Se observarem com calma verá que a linha do horizonte que Da Vinci pintou se encontra num nível visivelmente mais baixo que a da direita, ele fez com que a Mona Lisa parecesse muito maior vista da esquerda que da direita. Historicamente, os conceitos de masculino e feminino estão ligados aos lados - o esquerdo é feminino, o direito é o masculino."

Mas não querendo ser desmancha prazeres e admitindo um profundo prazer pelas histórias, estudos e contos associados a obras de arte, a minha opinião é de que houve, e há, um (muito) inteligente marketing à volta da peça. Sorriso enigmático, olhos que nos seguem para todos os lados, fundo cheio de símbolos esotéricos e mensagens ocultas, ar de travesti, possível auto-retrato de Leonardo, etc, etc, são algumas das muitas afirmações relacionadas com "Mona Lisa", elevando a pintura ao status de eterno mistério e bastião das obras-primas dos grandes mestres...quando o que mais provavelmente terá acontecido, tanto com "Mona Lisa" como com qualquer outro quadro que se tenha tornado magnanimamente famoso, foi um básico processo "bola-de-neve". Alguém começou a 'intriga', outros continuaram-na. E assim se tornou "Mona Lisa", ainda que belíssimo, um dos quadros mais falados e sobrevalorizados de todos os tempos.

Uma obra em si não tem valor, nem comercial nem intelectual, se não lhe for associado determinado valor comercial e intelectual. E esse valor, como quase tudo na vida, começa por ser subjectivo, até que se torna concreto e incontornável. Ainda que não querendo comparar uma coisa à outra, mas só a título de exemplo: se Madonna vender as suas cuecas, estas valerão milhões. Mas só valem milhões porque têm o seu nome associado. Se a Madonna não tivesse sido atribuído o valor que atribuíram, estas nada valeriam. Se a "Mona Lisa" não tivessem sido associados quaisquer mistérios ou técnicas superiores, seria um bom quadro, mas pouco mais que isso, já que Leonardo Da Vinci não terá deixado nenhuma memória descritiva acerca da pintura em concreto, todo o valor que lhe foi anexado é fruto de posteriores intelectos expertos em inebriar-nos com as suas fantasias.


version 1/s/// @destaque, @obvious //Ana Luelmo