lunático

Estamos na lua com um telescópio, o resto é arte.

Tiago Clezar

Tiago Clezar é jornalista, ator e fotógrafo, gosta de escrever críticas e desenvolver projetos ligados à arte.

Territórios, direto da lua.

Já percebeu como são os territórios dos países? Poisé eu imaginei, por isso preparei este texto para você direto da lua.


TerraLunático.JPG Estamos na lua com um telescópio, e daqui é possível perceber algumas coisas no planeta terra, inclusive que você está lendo este texto agora e que deve abrir um mapa para continuar.

A Sicília pede no formato do seu território um chute da Itália, e se isso acontecesse iria bater de cara na Espanha, já a Austrália tem cara de golfinho, talvez por isso tenha mais espaço para mergulhar no oceano Índico de ponta.

E o Reino Unido, tem esse nome porque literalmente ele une, se não fosse por ele a Irlanda iria cair de cara na Espanha e depois rolar até no Marrocos, e Madagascar com aquele jeitão de submarino não faz nada, só bóia.

Já os oceanos são um caso extra, o Pacífico que de calmo não tem nada vive aprontando, talvez por isso quase todos os países que ele banha ficam apontando seus territórios com pontas bem afiadas.

Butão não tem cara de botão, Namíbia parece uma etiqueta de roupa com furinho e tudo, e o edifício de sete andares é formado por Bulgária, Romênia, Ucrânia, Bielorrússia, Lituânia, Letônia e Estônia, já a Finlândia bobinha deixou a água entrar e perdeu a cobertura.

Mauritânia é uma escada ainda por terminar, a Líbia investiu em voltas litorâneas bonitas, e o México queria ser uma calda de baleia, mas a água do Pacífico, o sapéca, borrou todo o contorno.

Os Estados Unidos estão escorrendo e estão quase pingando em cima de Cuba, o Brasil é o amigão, quer abraçar a todo mundo que está ao seu lado, às vezes se bica com a Argentina, mas queriam o que com ela ali cutucando e o Paraguai fazendo que não está vendo.


Tiago Clezar

Tiago Clezar é jornalista, ator e fotógrafo, gosta de escrever críticas e desenvolver projetos ligados à arte. .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/geral// //Tiago Clezar