manifesto das artes

Sejam bem-vindos a um universo não tão óbvio!

Jeferson Corrêa

Jeferson Corrêa é escritor, autor do livro "Além do que os olhos podem ver". É também organizador de eventos, blogueiro e apaixonado por todas as formas de artes.


Contato:

[email protected]

VITOR ARAÚJO: Melodias que tocam a alma solitária

O que Radiohead, Chico Buarque, Quentin Tarantino e Bukowski tem em comum?
Conheça Vitor Araújo, o exímio pianista que cria melodias com diversas inspirações da cultura pop e dos clássicos da música.


ABVITORRRRRRRRRRRRR.jpg

Vitor Araújo é um pianista pernambucano de vinte e quatro anos que toca piano desde os nove no Conservatório Pernambucano de Música. Um dos talentos pouco conhecidos da música popular brasileira. Eclético como é, ouve desde Forró ao Rock. E é isso que faz em seus shows, mesclar e subverter seus gostos, usando bastante experimentalismo. Independente, ousado, apresenta-se com um repertório que foge dos sucessos comerciais das rádios onde brinca com o piano de diversas formas. Mostrando uma música erudita moderna. Vitor é transgressor.

PERNAMBUCUCANO.jpg

Vitor Araújo toca desde clássicos de de Heitor Villa-Lobos, Chico Buarque, a quem muito admira e Radiohead com a música "Paranoid Android" ( a primeira música de trabalho dele)

Fã confesso do trabalho da banda Radiohead, resolveu transpor a música "Paranoid android" no piano usando elementos de Beethoven, Chopin, Bach e Villa-Lobos, tornando-a erudita. Gosta de mesclar canções e de dar roupagens populares a clássicos como a "Asa Branca" de Luís Gonzaga.

Tudo começou em 2006 como seu trabalho "Variando" , um dvd demo, de onde vários vídeos foram para o Youtube. Depois em 2008, veio TOC, seu primeiro álbum oficial com 9 faixas, gravado ao vivo. Trabalho dirigido por Fabrizio Martinelli. Ano onde o jovem foi relevado ao Brasil tendo diversas visualizações em seus vídeos e seu myspace. Em Toc, Vitor mostra suas reinterpretações de clássicos Cláudio Santoro com “Paulistana Nº 1″, Luiz Gonzaga com “Asa Branca", Chico Buarque, em “Samba e Amor”, Villa-Lobos, em “Dança o Índio Branco”, Edino Krieger em “Sonatina Para Piano”, Tom Zé em “Toc”. Com diversas citações e duas composições próprias: “Valsa Pra Lua” e “Última Sessão”.

Em A/B, seu álbum de 2013 ( o mais recente e o primeiro gravado em estúdio) divido em dois lados como em um LP, ele mostra a solidão e a calma.

O Lado A contém quatro faixas:

1. Solidão n.01, 2. Solidão n.02, 3. Soildão n.03, 4. Solidão n.04.

e o Labo B mais quatro:

1. Baião, 2. Jongo, 3. Veloce,4. Pulp.

O prodígio pianista em seu álbum mais recente mostra todo seu amadurecimento. O que antes já era bom, ficou melhor. As melodias tocam na alma solitária variando entre agressividade, angustia, suavidade e melancolia.

O nome foi escolhido é por causa do modo que foi organizado. Neste album, no lado B, conta-se com as participações de Naná Vasconcelos (Jongo), Rivotrill ( Veloce), Macaco Bong( Pulp) e Yuri Queiroga. (Baião)

Segundo Vitor, no Lado A estão as músicas que dialogam com a alma solitária, em seu modo mais intimista. No Lado B há mais alegria, diversão e um outro lado do músico, concluindo esta ambivalência musical.

O perfeccionista artista também faz homenagens neste álbum. "Solidão nº 1" por exemplo, é uma dedicatória a Modigliani. "Solidão nº 4", ao pintor impressionista Renoir; "Baião" aos compositores Egberto Gismonti, Hermeto Pascoal e Chico Science. "Pulp" aos cineastas Robert Rodriguez, Quentin Tarantino, ao escritor Bukowski, o chargista Angeli, a banda Macaco Bong, Joseph Tourton e as bandas Rage Against the Machine e Pink Floyd.

Não tem muito o que falar sobre o Vitor. Todo elogio é pouco. Em seu site há um release da banda Tibério Azul relatando sobre a experiência de assistir um show dele. Ouçam suas músicas, assistam seus vídeos para se surpreender e se emocionar com este grandioso talento da geração atual.

Fan page no Facebook

Site Oficial ( Onde se pode baixar os álbuns A e B gratuitamente)

Soundcloud

Twitter

E pra encerrar, a belíssima e tocante "Valsa pra lua" do filme Elena.


Jeferson Corrêa

Jeferson Corrêa é escritor, autor do livro "Além do que os olhos podem ver". É também organizador de eventos, blogueiro e apaixonado por todas as formas de artes. Contato: [email protected]
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/musica// @destaque, @obvious //Jeferson Corrêa
Site Meter