mapa de pensamentos

Entenda a compreensão e compreenda o entendimento...

Victor Almeida Moreira

Um amador da vida...

VOCÊ JÁ CONSTRUIU SUA ANTIBIBLIOTECA?

Se você quer se desenvolver cada vez mais, estruture sua antibiblioteca!


Antibiblioteca1.jpg

Um dos maiores analistas de riscos do mundo, Nassim Nicholas Taleb, em seu livro “A Lógica do Cisne Negro”, conta que o escritor Umberto Eco possuía uma enorme biblioteca com mais de trinta mil livros, porém, nem todos lidos. E a maioria das pessoas que o visitavam costumava perguntar:

“Uau! Signore professore dottore Eco, que biblioteca você tem! Quantos desses livros você já leu?”

Neste ponto, Taleb argumenta que este é o tipo de pergunta que leva a uma forma errada de enxergar o conhecimento. Segundo ele, os livros não lidos deveriam ser considerados bem mais valiosos do que os foram lidos.

E ele tem toda razão.

Explico.

Suponha que você está montando uma biblioteca pessoal. Qual das estratégias abaixo você adotaria?

  1. Biblioteca 01: você a abastece com livros que vai lendo ao longo da vida; ou
  2. Biblioteca 02: você a abastece com todos os livros possíveis, mesmo sabendo que não conseguirá ler todos eles.

Veja. A opção 1 torna sua biblioteca um bom status pessoal, pois, quando você a preencher com uma quantidade elevada de livros, as estantes serão a evidência do grande volume de conhecimento que você possui. E, no caso de alguém fazer a pergunta que faziam à Eco, você poderia responder “já li todos eles!”.

A opção 2 seguramente lhe permitiria construir uma biblioteca muito maior, já que nela você poderia inserir livros que ainda não leu. Mas, exatamente por isso, ela tiraria de você a oportunidade de se gabar, já que a quantidade de livros não lidos, certamente, seria bem maior do que os que você dará conta de ler ao longo da sua vida (por mais assíduo leitor que seja).

Repare a diferença ilustrada na figura abaixo.

Antibiblioteca.jpg

Os inúmeros livros não lidos da Biblioteca 02 é o que Taleb chama de antibiblioteca.

No primeiro momento, ela é vista como a evidência de tudo o que você não sabe e, por isso, pode parecer ameaçadora.

A antibiblioteca expõe descaradamente o quanto seu saber é ínfimo diante da imensidão de leituras que você ainda não fez.

A diferença, então, é que a biblioteca da opção 1 proporciona conforto e status, enquanto a 2 desnuda a pequenez de seu conhecimento.

Qual importância da antibiblioteca?

Embora te exponha à infinitude do que ainda há para se conhecer – o que pode soar realmente intimidador – a antibiblioteca é o que de fato deveria importar. Pois, é ela que vai chacoalhar a sua zona de conforto, despertando-lhe a real consciência do quanto você ainda não sabe, do muito que ainda há para aprender e, automaticamente, do quão largamente você pode melhorar.

Evitar a antibiblioteca é fechar-se em uma bolha, limitando as várias oportunidades de crescimento. Tê-la significa manter-se aberto ao desconhecido, exposto à uma abundância de caminhos possíveis para o desenvolvimento.

O anticonhecimento

Entender o conceito da antibiblioteca me ajudou a extrapolar a ideia para o campo do aprendizado e do crescimento pessoal. Hoje, não foco mais em me gabar pelo que eu sei. Mas em seguir na direção do meu anticonhecimento, porque é lá onde os novos aprendizados estão.

Nesse sentido, nós não devemos temer o “medo de não saber” (aliás, já escrevi sobre “a importância de não saber” que publicarei em breve). Pelo contrário, devemos buscar um mindset em que o anticonhecimento sempre esteja ali, encarando-nos e nos desafiando a conhecer coisas novas, como um provocador nos dizendo “perceba, tudo o que você aprendeu até aqui não é nada perto do que ainda há para conhecer”.

Que fique claro, então, que o anticonhecimento não é uma ameaça, mas um convite ao desconhecido. Quantas histórias você já viu por aí de pessoas especializadas em vangloriar-se de sua escolaridade, formação, dos livros lidos, etc.? Pessoas que acabam canalizando mais energia em se engrandecer por aquilo que sabem do que em entender que os conhecimentos são distintos e que sempre existirá algo novo pela frente. É esta, inclusive, a clarificação de que nunca é tarde para aprender.

Se você quer ser cada vez melhor, mergulhe no anticonhecimento

Adentrar no anticonhecimento revela uma parcela do mundo que você não entende, abrindo a incrível possibilidade de reconstruir as estruturas nas quais você geralmente baseia suas interpretações do mundo. Anticonhecimento é reconstrução constante, um dos princípios da evolução, da melhoria e do desenvolvimento contínuo.

Precisamente por esta razão, é bem mais valioso reconhecer o ponto em que você está errado (e aprender com ele) do que tentar provar a todo custo que você está certo.

Lembre-se, uma das maiores virtudes do Homo Sapiens sempre foi a inacreditável capacidade de encarar e superar as coisas que ele não entende. Por isso, mais do que se gabar pelo seu conhecimento, abra espaço para seu infinito anticonhecimento, e não meça esforços em acessa-lo indiscriminadamente. Quando se fala em desenvolvimento pessoal, o que você não sabe diz bem mais sobre si do que aquilo que você já conhece.

E aí, você possui uma antibiblioteca? Se sim, seria bacana se você compartilhasse o nome de um livro que está nela. Eu adoraria adicioná-lo à minha antibilioteca também!


Victor Almeida Moreira

Um amador da vida....
Saiba como escrever na obvious.
version 6/s/artes e ideias// //Victor Almeida Moreira