meio desconexo

Divagações, devaneios, desabafos e deleites.

Natália J. Vilas Boas

Natália Vilas Boas, um amontoado orgânico se aventurando pelos fluxos dessa tal experiência de estar vivo.

  • 13245307_888663357928724_6913983936750065637_n.jpg
    Desiluda-se e desespere-se

    Sim, você não leu errado, esse é um texto que apela para que você se desiluda e se desespere. Mas calma. Antes de qualquer coisa, se coloque aqui, no momento presente. Quando estiver lendo esse texto, leia esse texto. Deixe que ele inunde sua mente, seu ser, e todas as coisas dentro de você.

  • 12932817_1134546733246374_8001153898931537014_n.jpg
    Aprender a se amar dói

    Empoderamento é lindo, mas não é fácil.

  • alex-grey-meditate.jpeg
    Medite e faça yoga

    Praticar yoga e meditação não é só pra gente rica e com tempo de sobra. Não faz com que sua vida esteja livre de sofrimentos e que seu humor não sofra alterações. Não te deixa cego com relação aos problemas da sociedade. Não te iluminará do dia pra noite. Não te faz virar moralista. Não cria sentimento de superioridade. Não te dá controle sobre o futuro, nem apaga seu passado. A prática apenas aquieta a sua mente, e isso é tudo de que você precisa.

  • size_810_16_9_menino-sirio.jpg
    A vida na modernidade líquida: consuma ou descarte

    Sob a perspectiva de Bauman, tendo como base suas obras "Modernidade líquida", "Vidas desperdiçadas" e "Vida para consumo", proponho uma reflexão sobre a precarização e desvalorização da vida humana, tanto no contexto global quanto na realidade brasileira.

  • ZZ0D9B224F.jpg
    Sense8 e a desmitificação da falácia do indivíduo

    A nova série do Netflix, lançada mês passado, talvez não seja a trama mais fácil de ser compreendida da face da terra. Mas, é justamente aí mora seu fascínio: passando por mergulhos existenciais sobre a condição humana, à crítica dos moldes consagrados do sistema patriarcal (tudo com uma boa dose de ficção científica) Sense 8 desperta em quem assiste a sensação de que algo está muito errado no mundo em que vivemos, mas que talvez a chave para reconfigurar nossa existência esteja dentro de nós e na nossa capacidade de conexão uns com os outros.

  • humano-demasiado-humano1.jpg
    O absurdo de ser humano

    A natureza do bicho homem parece ser indecifrável. Uma fantástica hipérbole de tudo, ou então uma grande perturbação. Onde a natureza das coisas passa a ser transmutada para o absurdo que a humanidade faz das coisas?

  • ec46ab372f5f9207af2a909d19c5d5be.jpg
    porque tememos o amor?

    De todos os sentimentos, o amor é o mais comentado, o mais almejado, o que tem maior poder - mas também é o mais temido. Não nos contemos em sentir a raiva, o ciúmes e o medo, que tanto desprezamos, mas tendemos a fugir sempre que o amor se anuncia em nossas vidas e olhamos com desconfiança atitudes motivadas por ele. Porque nos sentimos assim?

  • flat,550x550,075,f.jpg
    Manifesto do amor, sem adjetivos

    O amor é a expressão concreta da sincronia que pode existir entre corpo, mente e espírito. Que amar seja, então, um ato de libertação, de plenitude para o ser, de contemplação e, também, de transformação das amarras opressoras.

  • 10960471_10203781871734220_5918999842281400517_o.jpg
    Psicodália 2015: uma experiência de alma e lama

    É espetacular estar num lugar onde você tem a possibilidade de encontrar um dos seus em qualquer canto. Mais de seis mil pessoas estavam reunidas no Psicodália 2015, e a sensação eminente era que, de alguma forma, todos ali já eram velhos conhecidos que esperaram o ano inteiro para se reencontrar neste carnaval cheio de magia, psicodelia, arte, lama e cor.

  • tumblr_m96gmudpKx1rnejj9o1_500.jpg
    A sabedoria das coisas simples

    É o clichê mais verdadeiro que existe: Quando as coisas parecem fugir do controle, a resposta está, geralmente, no valor das coisas mais simples. Talvez, então, esteja na hora de cada um de nós, e o mundo como um todo, tomarmos consciência dessa máxima e praticá-la todos os dias.

  • SECOSMOLHADOS.jpg
    Um ano gigante, seco e molhado.

    Este foi um ano particularmente camaleônico na minha vida. O grupo Secos e Molhados - da década de setenta - e a cantora Kiesza - da atualidade - adoçaram, juntos, essa minha experiência cheia de metamorfoses.

Site Meter