miscelânea

Um pouco de tudo, de tudo um pouco

Fabíola Donadão

Me encantam o simples, o diferente e o divertido. Palavras são como o ar que respiro. Sem elas, não vivo

O estado das coisas

Será mesmo que sua carreira é um fracasso como você pensa? Será mesmo que todos os seus amigos estão numa boa, muito melhor do que você? Será que isso realmente importa? O que importa, afinal?


o-estado-das-coisas-2.jpg Foto: divulgação

Ben Stiller novamente nos meus textos.

Não posso negar, gosto imensamente do trabalho dele, sobretudo quando me identifico com a personagem.

Dessa vez, em O estado das coisas (do inglês Brad's Status), Stiller, na pele de Brad traz a tona um sentimento comum que assola a meia idade, que é aquele que se refere aos feitos ou fracassos e, inevitavelmente, traz consigo comparações nem sempre cabíveis porque a medida de sucesso ou derrota é intangível e nunca, jamais, será igual de pessoa para pessoa.

Brad é um idealista (como eu! Pobre de mim! Pobre? Enfim... vamos ao filme). Ele cuida de sua organização sem fins lucrativos (como eu! De novo não...vamos ao filme), e vive confortavelmente em Sacramento, Califórnia, com sua esposa Melanie (Jenna Fischer) e seu filho Troy (Austin Abrams).

Seu filho é um prodígio musical, extremamente talentoso e certamente o candidato ideal para universidades de elite como Harvard, Yale and Tufts.

Apesar do orgulho e entusiasmo que sente pelo filho, o momento em que vive o faz refletir sobre sua "carreira" e o torna obcecado pela suposta bem sucedida vida de seus colegas de faculdade. Aparentemente porque todos, sem exceção, se deram muito melhor do que ele na vida.

Será? Já viu esse filme?

Pois é, eu também. Mas, na pele do Ben Stiller está demais. Abram e Fischer amarram lindamente seus papéis com o astro, além da atuação brilhante da atriz Shazi Raja como amiga do garoto, que também é da área musical e estuda em Harvard.

Se o status de Brad muda no decorrer dessa comédia-dramática? Você terá que tirar suas próprias conclusões assistindo ao filme.


Fabíola Donadão

Me encantam o simples, o diferente e o divertido. Palavras são como o ar que respiro. Sem elas, não vivo.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/cinema// @obvious, @obvioushp //Fabíola Donadão