João Ricardo

Criador criativo de criações aleatórias

Radiohead KID A - Artwork

O ponto principal, que está explícito no título do CD, é a conexão entre ícones inocentes vivendo entre paisagens obscuras e caóticas, vivenciando situações macabras, frias e tristes do mundo 'real'.


kid a cover1.jpg

As criaturas criadas para a arte que completa o grande trabalho do Radiohead Kid A, surgem de estórias de ninar que Stanley Donwood contava para sua filha nas quais brinquedos se levantavam contra adultos e os comiam, num inocente e ao mesmo tempo macabro conto infantil. Depois desta degustação, brinquedos e crianças viviam alegres e livres das regras e censuras dos adultos que os perturbava. Os brinquedos eram os “guardiões” da infância pura e solta e viam os adultos como aqueles que amordaçavam a liberdade da relação entre brinquedos e crianças que, na verdade é tão importante para a imaginação dos pequenos quanto livros são importantes para os adultos depois de um certo tempo. É como se os brinquedos tentassem salvar a imaginação infantil das garras malvadas dos adultos, sempre sérios e estressados que não suportavam vê-las felizes dentro de seus mundos gerados pela sua mais poderosa arma contra suas dependências físicas: a imaginação.

Kid A.jpg

Os brinquedos não queriam que adultos, cheios de amarras e preconceitos, impuros de coração, adentrassem o mundo puro e livre das crianças onde eles, os brinquedos eram os protagonistas principais de contos extraordinários criados pela mente infantil, imune das impurezas de um mundo decadente.

KID A Blips collection

A ideia central é o final trágico das crianças que se tornam adultos e discartam seus brinquedos que, segundo estes, tinham um elo de amizade incondicional. Pertenciam ao mesmo mundo criado pelas crianças e protagonizado pelos brinquedos que eram a parte essencial deste mundo de fantasia real. A questão é que os brinquedos acharam uma maneira macabra de se vingar da falta de consideração dos adultos com eles, pois na infância os brinquedos eram sua única escapatória do mundo ilusório (realidade) que viviam os adultos e quando as crianças cresciam e os esqueciam, eles simplesmente se rebelavam e os devoravam como uma forma de protesto, uma forma de dizer: eu sou verdadeiro e tenho sentimentos, vocês nunca vão nos usar de novo para seus prazeres temporários.

radiohead-kid-a-1.jpg

De uma inocente brincadeira de criança, Stanley Donwood consegue fazer uma crítica a sociedade que outros humanos como brinquedos. Abusam, sugam tudo o que podem dos outros e depois os descartam como chiclete sem gosto, pilhas sem carga. (Matrix?!). Um conto de fadas com um final extremo, horrendo até, mas justo: Os brinquedos 'usados', devorando os adultos que os abandonaram no canto do quarto, onde a faxineira não limpa, esquecidos nas sombras de uma vida repleta de sonhos agora apagados, sorrisos e memórias felizes, destruídas pelo rito de passagem tão horrendo quanto o conto em si: a criança se contaminando e se metamorfoseando em adultos secos, ocos, sem imaginação, sem brinquedos, putrificados pela sociedade e seus 'valores'.

radiohead8.jpg

Enfim, depois desta leitura, voltemos ao cerne artístico do trabalho. A arte do CD KID A foi dedicada ao primeiro clone, diz seu idealizador. “Existe um senso de destruição ao longo do trabalho artístico.” A banda sempre está participando de ações humanitárias como a 'Jubilee 2000', uma campanha contra o fim da dívida mundial.

Existe uma metáfora no conto que pode ser vista como uma crítica ferrenha contra as 'grandes corporações' e suas práticas desumanas a troco de lucro a qualquer preço. Dinossauros revirando a cidade são estas corporações que desejam conquistar o mundo destruindo o mesmo (?!) ou que está no caminho, deixando nada para ninguém. (Zapata's Blood – 'everythig for everybody and nothing for ourselves' - Rage Against the Machine protestando contra o movimento).

KiD-A--Radiohead-radiohead-710622_983_656.jpg

Stanley Donwood trabalhou de perto com o Radiohead e o conto e o trabalho artístico passou por incontáveis revisões para que a mensagem principal tornasse mais e mais clara a cada revisão, a cada vez que eles reescreviam o conto. O trabalho virou tiras de animações curtas que eram introduzidas na TV como chamadas de 30 segundos e depois um vídeo clipe oficial do CD. “É um processo orgânico de reciclagem contínua do trabalho até o ponto onde não há mais o que ser revisto e a arte finalmente toma a forma desejada e passa a opinião da banda claramente. Este trabalho foi feito nos áureos tempos do Design gráfico onde havia uma relação íntima entre Designer e 'cliente', assim a peça final era fruto de um processo incessante, um compromisso com o aquilo que o cliente realmente deseja e espera.

kid a inside.jpg

Este processo leva tempo e, enquanto o trabalho continua, ele se transforma em formas que originalmente eram impensáveis, fugindo da ideia gráfica original mas sempre buscando a melhora e meios mais eficazes e criativos de transmitir a mensagem. O ponto inicial é só um passo numa longa jornada de ideias que se incorporam ao trabalho conforme o artista vai percorrendo o caminho que sua imaginação constrói. Muitas coisas não são usadas neste caminho mas nada é desperdiçado, tudo pode ser revisto e reciclado em uma nova forma, uma nova ideia. No geral, todo o processo é fruto de pura experimentação, o que na minha humilde opinião é o motor que gira as inovações, a arte, a ciência e a vida como um todo. Este é um processo de exploração, um contínuo ciclo de produção criativa que termina quando não há mais tempo para entregar o projeto.

No final, o ponto principal, que está explícito no título do CD, é a conexão entre ícones inocentes vivendo entre paisagens obscuras e caóticas, vivenciando situações macabras, frias e tristes do mundo 'real'.

kid a cover back.jpg

Radiohead KID A. Animador Chris Bran e Shynola. Design gráfico, Ilustrações e Desenhos Stanley Donwood em parceria com Doktor Tchock. Baseado em um artigo de Outubro de 1998 da revista inglesa Creative Review


João Ricardo

Criador criativo de criações aleatórias.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/artes e ideias// @destaque, @obvious //João Ricardo