monólogos diálogos e discussões

Encontros (e desencontros) de ideias, coisas, pessoas, literatura, psicologia e cinema.

Luana Peres

Ser livre, leve e aberta as possibilidades. Já foi finita. Hoje, através dos seus escritos e delírios, preserva a pretensão de ser infinita e poder transformar o mundo

A construção da ética no filme A VIDA DOS OUTROS

O cinema pode ajudar na compreensão do mundo na medida que promove identificações. O filme A vida dos Outros apresenta uma história repleta de humanidade e conceitos de ética e moral que são explorados neste texto segundo o olhar de Leonardo Boff.


O filme alemão A vida dos Outros conta a história de Gen Wiesler, agente de um serviço de informação da Berlim Oriental comunista em 1984. O filme se passa no período da Guerra Fria e apresenta o interesse incomum do Ministro da Cultura da Alemanha Oriental pela atriz Christa- Maria Sieland.

17.jpg

Por fazer o uso de medicação controlada, Christa cede aos apelos sexuais do ministro que, por desconfiar da conduta da atriz e seu namorado com relação a política do país, ordena que sejam vigiados.

b640x600.jpg

O capitão Gerd Wiesler, responsável pelo trabalho de investigação, ao ouvir o dia a dia de Christa e seu parceiro, acaba, pouco a pouco, se envolvendo com a história do casal e demonstrando em diversas situações um comportamento de empatia e identificação.

das-leben-der-anderen-1960391.jpg

Este envolvimento coloca em questão seu dever profissional de relatar o cotidiano do casal e faz com que Gerd encubra possíveis provas de traição política que poderiam prejudicar o casal.

Este processo, de identificação com o outro, faz com que o agente mude sua forma de enxergar o sistema para qual opera e questione sua conduta ética frente à vida.

b640x600s.jpg

Segundo Boff, ética é não fazer para o outro aquilo que não deseja para si mesmo e, o filme, nos convida a refletir sobre esta questão a partir de comportamentos contrários como: verdade e mentira, certo e errado, semelhança e diferença, entre outros.

25.jpg

Além do princípio básico da empatia, a ética exige cuidado e solidariedade com o outro. Boff coloca que essa solidariedade universal se manifesta como com-paixão e, durante a trama, podemos perceber que Gerd, teve a mesma paixão que o outro, alegrou-se com o outro e sofreu com o outro de modo que a humanidade essencial pudesse ser alcançada.

A vida dos outros - Divulgação-g.jpg

Boff ressalta ainda que, pertence à humanidade essencial a capacidade e a vontade de perdoar. Assim, ao perceber o erro do outro e se identificar como ser falível, Gerd compreende que podemos errar involuntariamente e prejudicar o outro conscientemente. O filme chama nossa atenção para um importante fundamento da vida: Se colocar no lugar do outro. Já que, se colocando neste lugar, é possível oferecer o perdão, possibilitar ao outro uma segunda chance e contruir novas relações.


Luana Peres

Ser livre, leve e aberta as possibilidades. Já foi finita. Hoje, através dos seus escritos e delírios, preserva a pretensão de ser infinita e poder transformar o mundo .
Saiba como escrever na obvious.
version 3/s/// @destaque, @hplounge, @hp, @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //Luana Peres