monólogos diálogos e discussões

Encontros (e desencontros) de ideias, coisas, pessoas, literatura, psicologia e cinema.

Luana Peres

Ser livre, leve e aberta as possibilidades. Já foi finita. Hoje, através dos seus escritos e delírios, preserva a pretensão de ser infinita e poder transformar o mundo

Cinema e temporalidade: O que você faria se controlasse o tempo?

Uma lista com 25 filmes para viajar e perder-se no tempo e em seus infinitos desdobramentos.


O que faria (ou não faria) se pudesse prever o futuro ou voltar ao passado? Se soubesse quanto tempo ainda lhe cabe, como governaria suas horas? Se a certeza do fim fosse próxima e palpável, como terminaria seus dias?

Se soubesse que aquele era o ultimo abraço, teria se demorado mais?

Se soubesse que veria aquele sorriso pela última vez? Que perderia a possibilidade de dizer o que sente na intenção de dizer no instante seguinte? Que teria se arrependido por ter feito? Que teria lamentado por não ter se permitido? Se você pudesse ter qualquer controle sobre a ação avassaladora do tempo, qual caminho teria seguido?

Desde sempre, o ser humano analisa racionalmente o transcorrer do tempo, procurando estabelecer uma ligação entre instante e espaço. Com a observação aplicada as repetições dadas estabeleceu-se ordem para dia, noite, horas, semanas, meses e anos.

Este tempo mecânico, que se repete e é marcado por ponteiros e calendários, é vivenciado de modos distintos, pois cada um tem em sua existência um modo próprio de experenciar o tempo. Para Heidegger, o tempo é a própria manifestação do ser, ou seja, só existimos porque estamos essencialmente ligados a ele e a sua possibilidade de vir a ser e se projetar para o futuro de modo que, mesmo diante da nossa finitude, nos lançamos para o amanhã.

O controle do tempo sempre foi discutido e apresentado em meio a uma angústia inquietante. Quantas vezes você já não ouviu (ou disse) frases como: “Se pudesse voltar atrás”, “Se soubesse o que me espera”, “Se tivesse mais tempo”, “Se pudesse adiantar essas horas”?

Todos, em algum momento da vida, desejamos controlar o tempo e suas surpresas, alguns por causas mais nobres, outros nem tanto, contudo - de alguma forma maluca - desejamos e buscamos o controle do dia seguinte como se a obviedade de sua concretização fosse inabalável.

Toda vez que vejo um filme que trata desta nossa querência pelo controle e o modo como lidamos com a iminência do seu fim, chego a conclusão do quanto o domínio pelo que foi e pelo que poderá vir a ser é vacilante. De qualquer modo, estamos sempre deitando as nossas cabeças no travesseiro e pensando o que mudaríamos se pudéssemos voltar atrás e o que faremos nos lançando para frente.

Enfim - até agora - tudo que sabemos sobre o tempo é que ele nos engole sem aviso e que o nosso controle se limita ao presente. Partindo desta premissa, só o cinema mesmo para nos apresentar as infinitas (e improváveis) possibilidades de compreender o tempo e sua ação sobre nós:

1. Click, de Frank Coraci (2006)

1.jpg

2. Donnie Darko, de Richard Kelly (2001)

2.jpg

3. A Vida de Outra Mulher, de Sylvie Testud (2012)

3.jpg

4. Procura-se um Amigo para o Fim do Mundo, de Lorene Scafaria (2012)

4.jpg

5. Sem Segurança Nenhuma, de Colin Trevorrow (2012)

5.jpg

6. Te Amarei Para Sempre, de Robert Schwentke (2009)

6.jpg

7. Duas Vidas, de Jon Turteltaub (2000)

7.jpg

8. Antes que Termine o Dia, de Gil Junger (2004)

8.jpg

9. Minha Vida Sem Mim, de Isabel Coixet (2003)

9.jpg

10. O Último Trago, de Jack Zagha Kababie (2014)

10.jpg

11. Triângulo do Medo, de Christopher Smith (2009)

11.jpg

12. Efeito Borboleta, de Eric Bress, J. Mackye Gruber (2004)

12.jpg

13. Meia-noite em Paris, de Woody Allen (2011)

13.jpg

14. Interestelar, de Christopher Nolan (2014)

14.png

15. O Feitiço do Tempo, de Harold Ramis (1993)

15.jpg

16. O Planeta dos Macacos, de Franklin J. Schaffner (1968)

16.jpg

17. Sr. Ninguém, de Jaco van Dormael (2009)

17.jpg

18. De Volta Para o Futuro I (1985), II (1989) e III (1990)

18.jpg

19. Questão de Tempo, de Richard Curtis (2013)

19.jpg

20. Casa do Lago, de Alejandro Agresti (2006)

20.jpg

21. Peggy Sue – Seu Passado a Espera, de Francis Ford Coppola (1986)

21.jpg

22. O Homem do Futuro, de Claudio Torres (2011)

22.jpg

23. Looper: Assassinos do Futuro, de Rian Johnson (2012)

23.jpg

24. Deja Vu, de Tony Scott (2006)

24.jpg

25. 12 Macacos, de Terry Gilliam (1995)

25.jpg


Luana Peres

Ser livre, leve e aberta as possibilidades. Já foi finita. Hoje, através dos seus escritos e delírios, preserva a pretensão de ser infinita e poder transformar o mundo .
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/cinema// @obvious, @obvioushp //Luana Peres